História da Semana Santa

 

A Semana Santa é um tempo de graça em nossas vidas, é um momento único, onde a cada ano Deus nos dá a graça de vivenciarmos intimamente a sua Paixão, Morte e Ressurreição.
Como religioso e padre tenho feito esta experiência a cada ano numa comunidade diferente, porém, a maioria das vezes na tradição mineira.

         Nesta Semana Santa de 2013, tive a graça de celebrar na cidade de Cruzília, MG, juntamente com o pároco da paróquia São Sebastião, Pe. Dehon e do vigário paroquial Pe. Enderson, pessoas maravilhosas, que juntamente com o seminarista Flávio tivemos a oportunidade de celebrar e partilhar a vida durante esta semana que foi se tornando Santa em nossas vidas.
Num dos momentos de partilha, logo cedo, tomando café, onde nos encontrávamos à mesa, para que, além de nos alimentarmos, partilhávamos a vida, as histórias que marcaram nossos trabalhos, de modo especial nestes anos que passaram celebrando a Semana Santa em diversas comunidades, testemunhando vários acontecimentos que marcaram nossas vidas.  

Nestes dias da Semana Santa atendemos centenas de pessoas em confissão, vistamos muitas casas, pessoas idosas, doentes, que sofrem por não poderem sair de casa pela fragilidade física.

Encontrei pessoas muito tristes por não poderem ir mais à Missa e receber Nosso Senhor, apesar de receberem o Corpo de Cristo através da bela missão dos ministros extraordinários da Eucaristia. Fico pensando em tanta gente que poderia e tem todo tempo e saúde para buscar a Deus, mas não o fazem, se acomodam, e aqueles que têm menos condições, são os que mais recorrem a Ele.
Numa destas casas fiquei sabendo de uma história onde a senhora, que não consegue ir até a Igreja disse assim: “Eu gostava muito de ir a Igreja rezar, participar da Santa Missa, mas hoje não consigo mais caminhar sozinha até lá. Mas todas as vezes que tem a missa aqui na comunidade (Nossa Senhora de Fátima), eu ouço as três badaladas do sino e me ponho em oração, eu sei que é neste momento que o corpo e sangue de Cristo são consagrados”. Uma outra história me comoveu, dentre as muitas que partilhamos estes dias, foi me contata pelo Pe. Dehon. Ele me disse que um dia visitando algumas casas, encontrou uma

senhora bastante humilde, entrando em sua casa ele viu logo a Bíblia aberta num local da sala. O padre então rezou com aquela senhora, aspergiu a casa com água benta, conversaram um pouco e já quase na hora de ir embora ele perguntou a bondosa senhora: “Então, a senhora gosta de ler a Bíblia, estou vendo ela aberta aqui na sala”. A senhora respondeu: “Padre..., eu não sei ler. Mas todos os dias eu pego minha Bíblia e  a coloco  aberta em minha cabeça e peço a Deus para que ele me ensine tudo o que está escrito na Bíblia, é assim que eu vivo minha vida, iluminada pela Palavra de Deus”.

Quando o padre terminava de contar esta história onde nós partilhávamos que esta sabedoria vai muito além dos muitos estudos que fazemos da Bíblia, porque neste caso a senhora permitiu e nos ensinou a deixarmos Cristo nos ensinar, nesta hora eu já estava com os olhos cheios de lágrimas, mas aprendido mais um pouco, que Deus age em cada pessoa que se abre na humildade de se colocar a fazer Sua vontade. Estes testemunhos derrubam nossas prepotências, “sabismos”, indiferenças e tantas outras formas de superioridade ou exclusão e nos coloca no chão da vida, da história do povo de Deus. 

Pe. Durvano Ap. Dourado Porto, OCS
Partilha da Semana Santa