História de N.Sra. Aparecida vira enredo no Carnaval paulistano

É chegado o mês de Fevereiro e junto com ele uma das mais famosas e amadas festas do povo brasileiro: o Carnaval. Este período é também famoso por polêmicas que envolvem blocos e escolas de samba, sobretudo nas cidades de Salvador, Ouro Preto, Rio de Janeiro e São Paulo. Tais polêmicas se dão sobretudo na maneira como tais entidades se envolvem com temáticas religiosas e históricas, como no caso de um “proibido” Cristo mendingo que seria apresentado pela escola de samba carioca Beija-Flor de Nilópolis em 1989 e um sósia de Hitler que desfilaria entre réplicas de corpos de vítimas do Holocausto na Unidos do Viradouro, também no Rio de Janeiro, em 2008. Tais escolas sofreram sanções e fizeram mudanças em suas alegorias horas antes do desfile. No carnaval de 2017, algo que a princípio poderia soar como polêmica é a homenagem de uma escola de samba à história do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida. O fato se dará em São Paulo e será apresentado pela agremiação Unidos de Vila Maria, com o título: Aparecida – A rainha do Brasil “300 anos de amor e fé no coração do povo brasileiro”.

Diferente do que aconteceu com outras escolas em outros períodos, a Unidos de Vila Maria recebeu todo apoio da Arquidiocese de São Paulo e do Santuário Nacional de Aparecida, que viram na homenagem uma oportunidade para divulgar a história do encontro da imagem. O desfile acontecerá na primeira noite de apresentações do carnaval paulistano (às 01:25 do dia 25/02), a escola será a terceira a se apresentar, num desfile que tem seu início às 23:15.  Representantes da Cúria Metropolitana de São Paulo e do Santuário de Aparecida tem acompanhado o desenvolvimento dos trabalhos, que consistem na elaboração de alegorias e fantasias. A letra do samba sofreu uma alteração, no intuito de esclarecer a ligação dos católicos com a figura da Virgem Maria. O verso falava  “é lindo ver o povo adorando” e foi trocado por “ é lindo ver o povo venerando”. Maria é venerada por ter sido escolhida para ser a Mãe de Jesus. Já o termo adorar, no Catecismo Católico refere-se unicamente a Deus, autor e princípio de todas as coisas.

O desfile desenvolvido pelo carnavalesco Sidnei França promete emocionar o público e os membros da agremiação, unindo elementos da fé e da história do povo brasileiro. Será uma grande procissão que trará em seu início a milagrosa pesca da imagem. Outros cinco setores ajudarão a contar a história que começa com a presença de três pobres pescadores e passa a agregar escravos, viajantes, fazendeiros e até mesmo pessoas da nobreza, como a Princesa Isabel. Ao longo da história a singela imagem recebe manto e coroa de ouro, sendo posteriormente proclamada Rainha do Brasil, o maior país católico do mundo. A N.Sra. Aparecida é dedicada uma das maiores basílicas do mundo. A grandiosidade dessa história será apresentada com a ajuda de aproximadamente 3.500 pessoas, que num ato de amor e fé buscarão conquistar o sonhado primeiro título da escola no grupo especial da cidade de São Paulo. Em 63 anos de existência, a melhor colocação foi um 2º lugar no carnaval de 2007 ao homenagear a cidade paulista de Cubatão!