<Voltar

A figura e a Missão de São José


      O nosso amado Papa Francisco, iluminado pelo Espírito Santo, na ocasião da comemoração dos “150 anos da declaração de São José como padroeiro Universal da Igreja Católica, promulgada pelo Beato Pio IX, a 8 de dezembro de 1870”, convocou o “Ano de São José, de 8 de dezembro de 2020 a 8 de dezembro de 2021”.

       Como inspiração para toda a Igreja, vivenciar este Ano Josefino, o Papa Francisco escreveu uma belíssima carta sob o título: “Patris Corde”. (Com coração de Pai). Na carta, o pai adotivo do Divino Redentor é apresentado como pai amado, pai na ternura, na obediência, no acolhimento, com coragem criativa, trabalhador, sendo sempre na vida de Jesus, a sombra do Divino Pai Eterno. O glorioso São José é o homem que tem o coração mais parecido com o do Pai do céu.

     A missão de São José se deu a partir do momento em que ele assume os planos de Deus, bem antes de aceitar o casamento com Maria. Ele foi preparado por Deus, para tão sublime missão. Com o coração de Pai, de esposo, de homem obediente a Deus, foi-lhe garantido, depois de Maria Santíssima, a nossa devoção e carinho. O seu desejo era exatamente cuidar zelosamente da Família de Nazaré.

      Assim vamos peregrinando no caminho missionário do coração do glorioso São José; sua missão acontece quando ele supera o medo de receber Maria, quando o anjo do Senhor lhe revela em sonho: “José, filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como esposa, porque a criança que ela tem em seu seio vem do Espírito Santo. Ela terá um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois ele salvará seu povo de seus pecados”. (MT 1,20-21).

Toda missão nos gera momentos de medo e insegurança. Com José não poderia ter sido diferente, pois Maria já chegara grávida. Assim, a justiça em são José pode ser comparada com a do coração misericordioso de Deus.  Acolhe a mensagem do Anjo e acolhe Maria e Jesus: “quando acordou, José fez o que o anjo do Senhor havia mandado. Levou sua esposa para casa e, sem que a ela se unisse, ela teve um filho. E José lhe deu o nome de Jesus.” (Mt 1, 24-25). Eis o início da Missão de São José, superar o medo, acolher a vontade de Deus e ter a coragem de cumpri-la.         

     É como nos afirma São João Crisóstomo: “Colocou-se inteiramente ao serviço do plano salvífico”. Com isso, são José abraça um grande papel na Missão da história da Salvação; de assumir a paternidade legal de Jesus, a quem deu o nome revelado pelo anjo: “E tu o chamarás com o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados”. 

     A missão de São José perpassa, nesse momento, a de cuidar da família de Nazaré, ela assume uma dimensão universal, ele é o Patrono da Igreja, o beato papa Pio IX, em 1870, declara São José o “Padroeiro Universal da Igreja”. Ele foi o pai providente da vida de tantos santos, homens e mulheres que recorreram à sua intercessão.
 

    “São José é um pai que foi sempre amado pelo povo cristão, como prova o fato de lhe terem sido dedicadas numerosas igrejas por todo o mundo; de muitos institutos, religiosos, confrarias e grupos eclesiais se terem inspirado na sua espiritualidade (...)”.
      Que possamos, portanto, recorrer à sua gloriosa intercessão, a fim de alcançarmos o sentido da verdadeira missão em nossa vida cristã, vivenciando, sobretudo, este ano dedicado a ele, ao aguardo dos frutos abundantes na vida de fé que abraçamos na Igreja em missão.

Ir. Pôlier Sales de Oliveira, OCS

BIBLÍA, Português. A Bíblia de Jerusalém: Antigo Testamento e Novo Testamento. 5.ed. São Paulo: Paulus, 2008. 

Decreto QUEMADMODUM DEUS 8/12/1870

FRANCISCO, Papa. Carta apostólica Patris Cordis