<Voltar

Agosto, Mês Vocacional

Agosto, o oitavo mês do ano, traz para a realidade da Igreja no Brasil a especial proposta de ser o mês das vocações. Tal mês se tornou o período oportuno para conversarmos, refletirmos e rezarmos sobre as vocações (muito embora devamos sempre rezar pelas vocações).

A palavra vocação, do latim vocare significa chamado, sendo a grande missão deste mês contemplar todas as vocações no seio da Igreja. Existe lugar para todos e cada membro possui sua importância, sendo o centro e o fundamento de tudo o próprio Cristo que se tornou um de nós ao assumir a condição humana. Atuar na Igreja significa corresponder ao chamado de Cristo que nos trata como amigos e não como servos (Cf. Jo 15,15), dando, ao morrer na cruz, uma imensa prova de amor à humanidade.

Cada semana do mês é dedicada a uma vocação específica no coração da Igreja. Na primeira semana refletimos sobre as vocações aos ministérios ordenados (Diáconos, Padres e Bispos); na segunda refletimos sobre a vocação matrimonial (Semana Nacional da família); na terceira os olhares se voltam para a vida consagrada (celebrando a Assunção de Nossa Senhora); na quarta rezamos por todos os leigos e na quinta, como é o caso deste ano, rezamos de um modo especial pelos catequistas.

A experiência de dedicar um mês às vocações (assim como setembro à Bíblia e outubro às Missões) é uma realidade da Igreja no Brasil, tendo tido seu início na década de 70 na região sul do país, mediante empenho do

então bispo de Santo Ângelo, dom Frei Aloísio Lorscheider. A partir dos anos 80 tal iniciativa foi assumida por todas as dioceses do Brasil.

Para este ano de 2021 a CNBB propôs como tema para o mês das vocações (a ser refletido e rezado nas comunidades): Cristo nos salva e nos envia e como lema: “Quem escuta minha palavra possui a vida eterna” (cf. Jo 5,24). Eis uma bela proposta para nos dedicarmos à oração e à reflexão cada dia deste novo mês!

Ao tratarmos do tema vocação, não poderíamos nos esquecer do belo testemunho de São José, neste ano a ele dedicado pelo Papa Francisco. O patrono universal da Igreja se revela através de relatos do Novo Testamento, um belíssimo exemplo de escuta e resposta positiva ao projeto de Deus. José se entrega à causa do Reino, pondo a própria vida em risco, e assim pode, em meio ao duro cotidiano da vida,  ter o próprio Deus em seu lar.   

Que este mês vocacional desperte em nós o compromisso constante de rezarmos por todas as vocações!

Ir. Leonardo Vinícius Paulino, OCS.