<Voltar

Como Oblato contemplar a Face de Cristo

Gostaria de iniciar esta breve reflexão com a revelação do próprio Jesus à Irmã Maria Pierina de Micheli: “Quem me contempla me consola”.
Diria que esta revelação de Jesus veio a concretizar-se também na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, aos 25 de março de 1959, na cidade de Lagoa Santa, MG, quando as filhas de Maria pediram ao nosso fundador, Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, para pintar uma face de Cristo para a Procissão do Encontro, na Quarta-Feira Santa.

Atendendo ao pedido daquelas irmãs, Pe. Baleeiro pegou um pedaço de tecido de cetim (0,50 cm x 0,80 cm) sobre o qual começou a pintar a Face de Cristo, mesmo não havendo dotes artísticos para a pintura. Ao término de seu trabalho, as pessoas que lá estavam perceberam que o resultado não foi tão bom, pois a face que pintara apresentava traços borrados e não havia tanta simetria em seus contornos. Porém, segundo os relatos, ao despregar o pano da mesa, notou-se que do outro lado do mesmo havia surgido outra face, mais rica em detalhes e com uma expressão bastante semelhante à Sagrada Face do Santo Sudário de Turim.

Este fato começou a despertar em muitos fiéis uma devoção à Sagrada Face “brasileira”, pintada pelo Pe. Baleeiro, cuja pintura original encontra-se no interior da capela da Sagrada Face, em nossa Casa Geral, Roseira, SP, conhecido como Mosteiro da Sagrada Face. Hoje nosso “Mosteiro” tornou-se lugar de peregrinação de muitos fiéis católicos, que vêm para rezar e agradecer as muitas graças alcançadas por meio desta devoção.

Acredito que essa revelação da Sagrada Face de Cristo à nossa Congregação quer nos mostrar mais claramente o imenso amor de Deus manifestado nos sofrimentos da Paixão, Morte e Ressurreição do seu Divino Filho Jesus, antecipando-nos, ainda aqui nesta terra, o gozo de contemplar aquela Face Gloriosa nos esplendores do céu.

 E como Oblatos de Cristo Sacerdote, somos chamados continuamente a contemplar a Face desfigurada e cruelmente torturada no rosto dos bispos e sacerdotes enfermos, enxugando-lhes o suor dos sofrimentos, procurando enxergar neles o rosto sofredor do próprio Cristo. Eis aí, portanto, o sentido profundo da nossa missão como Oblatos de Cristo Sacerdote.

E para concluir esta reflexão, tomo as palavras de Cristo, ditas à Irmã Maria Pierina: “Cada vez que se contemplar Minha face, derramarei meu Amor nos corações, e por meio de minha Sagrada Face obter-se-á a salvação de muitas almas.”

Por: Ir. Miguel Damasceno, OCS. Secretário Geral da Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote.