DEVOCIONÁRIO OBLACIANO- OREMUS CUM ECCLESIA.

... a mais íntima união com Jesus Sacerdote, na celebração e participação diária da Eucaristia, centro propulsor de todas as atividades oblacianas e expressão da total  consagração  dos seus membros: a quotidiana oração oficial da “Liturgia das Horas”em coro, celebrada em união de preces com a Igreja Universal, que reza e se santifica ouvindo Deus que fala a seu povo, e, celebrando o mistério da salvação, louva-o sem cessar através do canto e da oração”... (Constituições 7.1).

 

 

 

INTRODUÇÃO

 

Eis que lhe chega às mãos, querido Oblato de Cristo Sacerdote, irmão nos ideais de vida consagrada, mais uma edição do nosso Devocionário. Desta feita, pensamos em fazê-lo mais completo, atendendo às expectativas do Concílio e dos últimos Documentos do Magistério, que preconizam para toda a Igreja uma piedade sempre mais Cristocêntrica e Marial, centralizada na Celebração Eucarística e na Liturgia das Horas. Quando o nosso Fundador, Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS, quis dar ao nosso Devocionário o título de “OREMUS CUM ECCLESIA”, certamente desejava que a nossa Congregação rezasse com a Igreja, em perfeita comunhão com a mente da Igreja. Já o nosso querido Dom Vicente Ângelo José Marchetti Zioni havia percebido esta intenção do nosso Fundador e, na renovação do nosso Devocionário, havia dado toda a atenção a estas prioridades. É importante deixar claro que não se tentou abolir as orações tradicionais da Congregação, mas colocá-las de acordo com as prioridades da Igreja.
Para que todos possam encontrar com facilidade estes nossos atos devocionais, comunitários ou particulares, em linha de máxima, adotamos a mesma distribuição feita por Dom Vicente Zioni, além de um Índice Geral, que vem na última página:

  • ATOS COMUNITÁRIOS QUOTIDIANOS
  • ATOS COMUNITÁRIOS SEMANAIS
  • ORAÇÕES PARA EVENTOS ESPECIAIS
  • NOVENAS E TRÍDUOS TRADICIONAIS DA CONGREGAÇÃO
  • ATOS DE OBLAÇÃO PELOS SACERDOTES
  • DEVOÇÕES PARTICULARES
  • BREVES BIOGRAFIAS DE NOSSOS PATRONOS E ALGUMAS ORAÇÕES   A ELES DIRIGIDAS
  • RITUAIS PRÓPRIOS DA CONGREGAÇÃO:

                     1 - Para a Vestição do Hábito e início do Noviciado
                     2 - Para os Primeiros Votos;
                     3 - Para a Renovação dos Votos;
.                    4 - Para os Votos Perpétuos.
                     5- Ritual das “PROMESSAS” dos OLCS.

  • HINOS EUCARÍSTICOS (Para as Exposições do Ssmo. Sacramento)
  • HINOS MARIANOS (Para o fim das Completas)

Este Devocionário vem introduzido com:

  • Breve Biografia do nosso Fundador, Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS.
  • Os Carismas e a Espiritualidade da Congregação.
  • O significado do nome “Oblatos de Cristo Sacerdote”.
  • Por que “Oblatos de Cristo Sacerdote”?
  • Nossa Senhora das Vitórias, Medianeira de todas as graças.
  • São José, o Primeiro Oblato de Cristo Sacerdote.

Reservamos algumas páginas em branco para que cada Oblato possa anotar ou copiar ali alguma prática devocional que lhe seja mais cara.
Creio que poderia ser utilizado também pelos nossos Irmãos Casados, que desejarem viver a nossa Espiritualidade, em meio às preocupações do dia-a-dia da vida familiar.
Esperamos que este Devocionário seja do agrado de todos e que coopere de modo concreto, não apenas à preparação do Jubileu de Ouro de nossa Fundação, mas para a nossa crescente busca de santidade.
Roseira, julho de 2003.

Pe. Geraldo de Almeida Sampaio, OCS

     Superior Geral da COCS.

 

 

 

1. BREVE BIOGRAFIA DO NOSSO FUNDADOR, PE. JANUÁRIO BALEEIRO DE JESUS E SILVA, OCS.

Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS, nasceu na Vila de São José do Uará, Município de Fonte Boa, Estado do Amazonas, aos 15 de setembro de 1922, filho de Joaquim Coelho da Silva e de Antônia Baleeiro da Silva. Porque nasceu prematuro, foi batizado logo no dia do seu nascimento. Aos nove anos de idade, ingressou no Aspirantado Salesiano de Jaboatão, Pernambuco, onde fez os primeiros estudos para a Vida Religiosa e para o Sacerdócio. Foi enviado à Itália, a fim de fazer o Curso de Filosofia e, voltando ao Brasil, tendo que deixar a Congregação Salesiana estudou Teologia no Seminário de Belém do Pará, sob a orientação dos Salesianos. Foi ordenado Sacerdote na Catedral de Na. Sra. De Nazaré, em Belém do Pará, aos 8 de dezembro de 1945, por imposição das mãos de Dom Mario de Miranda Vilas Boas e até o ano de 1955 foi Capelão militar  na base aérea de Valdecãs, próxima à Belém. Aos 25 de março de 1955 fundou em Lagoa Santa, Arquidiocese de Belo Horizonte, a Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, com a paternal assistência de Dom Antonio dos Santos Cabral, Arcebispo de Belo Horizonte e apoio do então Arcebispo de São Paulo, Cardeal Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, que sempre se mostrou cheio de entusiasmo pelo carisma e ideais da Congregação. Tanto o saudoso Dom Antonio dos Santos Cabral, como o querido e santo Cardeal Motta receberam a carinhosa assistência de nossos Irmãos, por longos anos, até a sua entrada na eternidade.
Nos anos 1962-1964, Pe. Januário Baleeiro foi o Secretário dos Negócios da Educação e Cultura do Governo do Estado de São Paulo e contribuiu concretamente para a criação de novas escolas em todo o Estado e a instituição de Bolsas de Estudo para Seminaristas e Casas Religiosas.
Pe. Januário Baleeiro não apenas tem o mérito de ter fundado na Igreja a nossa Família Religiosa, mas foi para todos nós, modelo de apaixonado amor a Cristo Sacerdote, presente na SSma. Eucaristia, como também de entusiasmo e fidelidade a toda prova à Igreja, ao Santo Padre, o Papa e de terno e filial carinho para com a Mãe de Deus, a Virgem das Vitórias, ao glorioso São José, aos Santos Arcanjos. Foi esta piedade que pôs em relevo em nossas Constituições e imprimiu na tradição de nossa Congregação, até o dia em que o Senhor quis chamá-lo para a pátria dos Bem-aventurados. Em meados de novembro de 1990, quando vinha de Brasília para São Paulo, foi vítima de um acidente à altura de Orlândia. Como conseqüência deste acidente, formou-se um hematoma junto à nuca, ao qual os médicos não deram tanta importância. Provavelmente foi esta uma das causas do derrame cerebral que o acometeu no dia 8 de dezembro do mesmo ano. Começou assim o calvário de sua preparação para a entrada na Casa do Pai. Tudo aceitou com amor e generosidade, sofrimento sobre sofrimento. Às 22 horas do dia 16 de maio de 1991, entregou a sua bela alma a Deus. Os fiéis da Paróquia Nossa Senhora de Fátima de Taguatinga Sul, tendo à frente o Cardeal Dom José Freire Falcão, Arcebispo de Brasília, prestaram-lhe as últimas homenagens e, em seguida, o seu corpo foi trasladado para a nossa Casa Geral, onde aguarda a ressurreição na Capela da Sagrada Face, à direita de quem entra em nossa Igreja. Temos a certeza de que o nosso Fundador, que tanto sofreu pela nossa Família Religiosa, agora “está trabalhando”, mais que nunca, pelo progresso, principalmente espiritual da Congregação, pela solução dos problemas que a afligem e pelo aumento de santas e perseverantes vocações, podendo assim, realizar plenamente seus carismas no seio da Santa Igreja.

2. O CARISMA E A ESPIRITUALIDADE DE NOSSA CONGREGAÇÃO

 

Cada Família Religiosa tem um “DOM” a oferecer no seio da Santa Igreja. Este “DOM”, (do grego “KARES”), é a dimensão que cada Fundador põe em relevo de Cristo nos Evangelhos e a aplica a serviço do Reino de Deus. É precisamente o “Carisma” que distingue uma Congregação de outra e, ao mesmo tempo, seguindo a moção do Espírito Santo,  colabore com ele à Igreja, para que seja em todos os sentidos o “Sacramento Universal da Salvação” e atenda a todas as necessidades de seus filhos. Olhando nossos carismas, devemos, portanto, ver a nossa identidade de “Oblatos” e é preciso estar atentos à inspiração original e aos apelos do nosso tempo, para perseverarmos na fidelidade criativa e dinâmica, dentro de nosso “lugar” na Igreja.
No seguimento de Cristo e no amor pela sua Pessoa, existem alguns pontos referentes ao crescimento da santidade na vida consagrada, que atualmente merecem ser colocados em particular evidência.
Antes de mais, exige-se a fidelidade ao carisma de fundação e sucessivo patrimônio espiritual de cada Instituto. Precisamente nessa fidelidade à inspiração dos fundadores e fundadoras, dom do Espírito Santo, se descobrem mais facilmente e se revivem com maior fervor os elementos essenciais da vida consagrada. Na verdade, cada carisma tem, na sua origem, um tríplice encaminhamento: primeiro, encaminhamento para o Pai, no desejo de procurar filialmente a sua vontade através de um processo contínuo de conversão, no qual a obediência é fonte de verdadeira liberdade, a castidade exprime a tensão de um coração insatisfeito com todo o amor finito, a pobreza alimenta aquela fome e sede de justiça que Deus prometeu saciar (cf. Mt 5,6). Nesta perspectiva, o carisma de cada Instituto impelirá a pessoa consagrada a ser toda de Deus, a falar com Deus ou de Deus – como diz S. Domingos-  para saborear como o Senhor é bom ( cf. Sl 34/33,9), em todas as situações.
Os carismas da vida consagrada implicam também um encaminhamento para o Filho, com quem induzem a cultivar uma íntima e feliz comunhão de vida, na escola do seu serviço generoso a Deus e aos irmãos. Deste modo, “o olhar, progressivamente cristificado, aprende a separar-se da exterioridade, do turbilhão dos sentidos, isto é, de tudo aquilo que impede ao homem aquela suave disponibilidade a deixar-se dominar pelo Espírito”, e permite assim partir em missão com Cristo, trabalhando e sofrendo com ele na difusão do Reino.
Todo carisma comporta, enfim, um encaminhamento para o Espírito Santo, enquanto dispõe a pessoa a deixar-se guiar e sustentar por ele, tanto no próprio caminho espiritual como na vida de comunhão e na ação apostólica, para viver naquela atitude de serviço que deve inspirar toda opção de um autêntico cristão.
Com efeito, é sempre esta tríplice relação que transparece em cada carisma de fundação, naturalmente com os traços específicos dos vários modelos de vida, precisamente pelo fato de predominar naquele “um profundo ardor do espírito de se configurar com Cristo, para testemunhar algum aspecto do seu mistério”aspecto esse que se há-de encarnar e desenvolver na mais genuína tradição do Instituto, segundo as Regras, as Constituições e os Estatutos”(Vita Consecrata, 36).
Todo carisma tem duas dimensões: o que somos e o que fazemos.
Nosso primeiro carisma é a “OBLAÇÃO”, isto é, a oferta de nós mesmos a Cristo Sacerdote, pelos Seus Sacerdotes e Bispos. A expressão “OBLAÇÃO” sintetiza as duas dimensões (o que somos e o que fazemos): a mística que nos anima e a nossa ação evangelizadora. A “OBLAÇÃO” é o cerne de nossa espiritualidade. Somos “OBLATOS”. O nosso nome recorda as palavras do próprio Verbo, quando se fez carne: “Hostiam, et oblationem noluisti: corpus autem aptasti mihi: holocautomata pro peccato non tibi placuerunt. Tunc dixi: Ecce venio: in capite libri scriptum est de me: Ut faciam, Deus, voluntatem tuam” (Tu não quiseste sacrifício e oferenda. Tu, porém, formaste-me um corpo. Holocaustos e sacrifícios pelo pecado não foram do teu agrado. Por isso eu digo: Eis-me aqui – no rolo do livro está escrito a meu respeito – eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade”- Hb 10,7-8). Esta expressão está em nossas Constituições. Faz de nossa obediência um ato de oblação, configura a nossa vida com a de Cristo Sacerdote, que Se oferece ao Pai em resgate por nossos pecados. Portanto, o Oblato de Cristo Sacerdote deve ser reconhecido por todos os seus gestos, que devem provir da união com a oblação de Cristo e que marcam todo o seu ser: disponibilidade, amor à presença de Jesus na Eucaristia, amor à Igreja onde Cristo Ressuscitado continua a Sua ação sacerdotal, oferecendo-se continuamente ao Pai, amor e dedicação total a Cristo em Seus Sacerdotes, vendo neles a Face do Senhor. Na V ESTAÇÃO da Via Sacra, composta por nosso Fundador, pedimos à Virgem Ssma. Das Vitórias: “... obtende-me a graça de ser um verdadeiro CIRENEU de Jesus Cristo Sacerdote, como humilde colaborador dos Bispos e Sacerdotes, na Obra da Redenção”. Nestas palavras se acha a missão do Oblato de Cristo Sacerdote: CIRENEU dos Sacerdotes e Bispos.
Nossa “OBLAÇÃO” deve ir além de qualquer serviço prestado aos sacerdotes: deve ser a oferta de nós mesmos pela santificação do Clero. Devemos ser hóstias vivas pelos Sacerdotes!
Temos, depois a dimensão do que fazemos:
1) - assistir aos Sacerdotes e Bispos enfermos ou anciãos - este é o nosso “Carisma mais nobre”, que a Congregação vem exercendo desde a sua fundação. Não se trata apenas de cuidar dos Sacerdotes enfermos ou anciãos como “enfermeiros profissionais”. Devemos ver neles a Face Sacrossanta de Cristo Sacerdote. Isto, o nosso Fundador pôs em relevo em nossas Constituições. Está mesmo no âmago da espiritualidade oblaciana. Deve estar também ao centro da Formação Permanente de cada Oblato;
2) - prestar auxílio Pastoral aos Senhores Bispos e Sacerdotes, onde formos solicitados, de preferência em paróquias de meios rurais e pobres, onde muitos não querem ir. Ajudar na Catequese, Encontros, Movimentos de Igreja, Cursos, enfim, em todos os trabalhos pastorais;
3) - promover Missões Populares e, se necessário, trabalhar nas missões “ad gentes”, para isso, é preciso uma preparação mais especializada;
4) - para o futuro, colaborar na formação dos Sacerdotes e na Espiritualidade do Clero, esta é uma das grandes esperanças da Congregação, com o seu lugar florescendo na primavera da Igreja. Para que atinjamos esta realidade, é mister uma oração contínua e a preparação adequada.

3. ESPIRITUALIDADE

 

Dos nossos CARISMAS decorre a ESPIRITUALIDADE OBLACIANA: Como rezam as nossas Constituições, a nossa Espiritualidade é substancialmente Cristocêntrica e acentuadamente Marial.
Porque substancialmente cristocêntrica e acentuadamente Mariana, a Espiritualidade dos OCS deve levá-los constantemente a se embrenharem pelo caminho da santidade, empenhando-se cada um por adquirir um conhecimento mais e mais profundo da Pessoa adorável e sacerdotal de Jesus Cristo, a fim de servi-lo melhor, sob a guia maternal de Maria, roteiro seguro que leva às inesgotáveis riquezas do Divino Coração de seu Filho (Cód. Compl. Geral, 6).
Continua o Código Complementar Geral, Art. 7, 1 e 2, a dizer em que sentido a nossa piedade é cristocêntrica e marial:

  • amor crescente a Jesus na Eucaristia, tratando-o como Amigo e Confidente de todas as horas, visitando-o com freqüência e fazendo-se às segundas e quintas-feiras  as Vigílias Eucarísticas, nas quais se reze especialmente pelos Bispos e Sacerdotes defuntos e pelas intenções da Santa Igreja, do Papa, da Congregação;
  • a celebração da Eucaristia, centro de nossa espiritualidade e objeto de todo o carinho na preparação da Liturgia da Missa de cada dia;
  • Liturgia das Horas - orar com a Igreja e em nome da Igreja; empreguem-se todos os mais generosos esforços para que a Liturgia das Horas seja uma oração comum, edificante e santificadora;
  • tenha-se sempre presente a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor, não apenas nos eventos litúrgicos, mas na celebração comunitária do exercício da Via-Sacra às sextas-feiras;
  • haja, outrossim, práticas de desagravo à Sagrada Face de Jesus às terças-feiras, devoção que nos recorda a presença de Deus em nossas almas e a necessidade de ver Cristo Sacerdote nos Bispos e Sacerdotes.

Quanto à piedade acentuadamente Mariana, assim se expressa o Código Complementar Geral, art. 7, *2:
“Procurem todos os OCS imitar a Virgem Santíssima, Mãe e Modelo de perfeição evangélica, “considerando a Palavra de Deus em seus corações” abertos às inspirações do Alto e repetindo em suas vidas o “Sim” de Maria. Sigam Maria em seu caminho de fé, especialmente através da reza do Rosário e das Ladainhas Lauretanas, bem assim da reza do Ângelus ao meio dia e às seis horas da tarde, ao toque das Ave- Marias. Que essa devoção a Maria se traduza – em termos pessoais íntimos – no desejo ardente alimentado na oração suplicante, de conhecer cada vez mais e melhor, a estatura espiritual e singular da Bendita Mãe de Deus e nossa; esforcem-se os Superiores de todas as Casas e pequenas Comunidades por formar climas propícios ao desenvolvimento dessa devoção, garantia de perseverança individual, de proteção e defesa da Congregação”.

 

4. POR QUE “CONGREGAÇÃO DOS OBLATOS DE CRISTO SACERDOTE?”

Desde o tempo de seminarista, o nosso Fundador, Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS, notara como não era muito conhecida a devoção a Cristo como “SACERDOTE DO PAI”.
Certamente foi o Espírito Santo que o inspirou a instituir na Igreja uma Família Religiosa, com o nome de Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote.
Antes de tudo, somos “Congregação”, isto é, a união de tantas pessoas, num só coração e numa só alma, para um “ideal”, dentro da Vida Consagrada. A palavra “Congregação” lembra “Família”, lembra “Comunhão”. Há um ideal que nos une e nos deve unir sempre mais, na intimidade do Coração Sacerdotal de Jesus.
“OBLATOS” - aqueles que se oferecem, como hóstias sobre o altar, ou, na figura que nos é muito cara e que vem representada em nosso brasão, como a vela que se consome, iluminando ainda mais com sua luz derradeira. Ao falarmos de “CARISMA”, pusemos umas informações sobre a palavra “OBLAÇÃO”.

...DE CRISTO SACERDOTE

Aprendemos do nosso Fundador, a ver Jesus Cristo como o SUMO E ETERNO SACERDOTE DO PAI. Procuramos, não apenas conhecê-lo sob esta dimensão única, mas unir-nos ao Coração Sacerdotal de Jesus, em sua oblação perene ao Pai pelos nossos pecados e pelos pecados do mundo inteiro e, de modo todo particular, pela santificação do Clero.
            A Carta aos Hebreus, capítulos de 3 a 10, traz toda uma teologia sobre o Sacerdócio de Cristo Jesus, do qual participa o sacerdócio católico. Na preparação para o Jubileu de Ouro da Congregação (25-03-2005), estamos procurando penetrar sempre mais no conhecimento deste Sacerdócio, pois está no coração da Espiritualidade e Carisma Oblacianos.
No Santo Retiro realizado em nossa Casa Geral, de 7 a 11 de julho pp., pregado por Dom Antonio Afonso de Miranda, Bispo Emérito de Taubaté, SP, refletimos sobre o Sacerdócio Eterno de Jesus e a nossa comunhão com ele; no próximo janeiro de 2004 teremos a reciclagem teológico-pastoral para toda a Congregação e, mais uma vez, procuraremos fazer como o Discípulo amado: recostar nossa fronte junto ao Coração Sacerdotal de Jesus. É este o tributo que mais identifica a Encarnação do Verbo, a missão Messiânica de Jesus. Ele mesmo identificou Sua missão messiânica como sacerdotal, aplicando a si as palavras de Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos e para proclamar um ano de graça do Senhor” ( Is 61,2 e Lc 4,18). Conhecendo sempre melhor Jesus Cristo como Sacerdote, poderemos servi-lo com crescente entusiasmo, amor, generosidade, na pessoa dos Bispos e Sacerdotes Diocesanos.

5. NOSSA SENHORA DAS VITÓRIAS, MEDIANEIRA DE TODAS AS GRAÇAS

A nossa Congregação nasceu com o nome de “Legião dos Oblatos de Jesus Cristo Sacerdote e de Nossa Senhora das Vitórias”, conforme vem no título do esboço das Primeiras Constituições.
Por que “Nossa Senhora das Vitórias”?
Infelizmente, nunca perguntamos ao nosso Fundador o porque da escolha deste título e, assim, podemos fazer algumas conjecturas:
1) - o nosso Fundador, Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS, vem da Amazônia, onde os portugueses trouxeram a devoção à Mãe de Deus, sob este título. Também no nordeste brasileiro, é muito popular esta devoção. Em Portugal, vem da vitória dos portugueses sobre os castelhanos, na Batalha de Aljubarrota, de 14 de agosto de 1385. Os castelhanos invadiram as terras portuguesas e Dom João I de Avis, auxiliado pelo santo Condestável, Dom Nuno Álvares Pereira, conseguiram libertar Portugal da Espanha em Aljubarrota e Dom João I fez um voto de erguer nas proximidades do local um imponente mosteiro, conhecido como Batalha, constando de duas igrejas, uma consagrada à Santa Cruz e a outra à Nossa Senhora da Vitória;
2) - a segunda possibilidade é de ter este título surgido da vitória das armadas cristãs sobre os sarracenos, que estavam para invadir a Europa, passando pela baía de Lepanto, perto de Chipre. Os cristãos, comandados por Dom João d’Austria (filho natural de Carlos V), em número muito inferior aos turcos, desbarataram as naus sarracenas que desistiram definitivamente de dominar a Europa. O Papa São Pio, que convocara os príncipes católicos para este empenho, exortou a cristandade à oração do Santo Rosário. Segundo as narrativas da época, este santo, enquanto estava rezando, teve a visão da vitória cristã a 7 de outubro de 1571 e, em seguida, proclamou esse dia como “Festa de Nossa Senhora do Rosário, Auxílio dos cristãos”, também invocada como “Nossa Senhora da Vitória”. Como o nosso Fundador foi Salesiano até o fim da filosofia, adotou Nossa Senhora Auxiliadora ou da Vitória como nossa Padroeira principal. Em nossa Capela de Lagoa Santa, de fato, havia uma bela Imagem de Nossa Senhora Auxiliadora;
3) - temos, ainda, uma outra hipótese: o rei de Portugal, Dom João III, quando enviou Tomé de Souza a fundar em seu nome a primeira cidade da Bahia, ordenou-lhe também dedicar à Mãe de Deus a primeira paróquia e igreja matriz. Para assumir este encargo, viera o Cônego Manuel Lourenço, além do Padre Manoel da Nóbrega e seus cinco companheiros jesuítas, como primeiros missionários. Traziam, segundo consta, a imagem da Padroeira, que passou a chamar-se até hoje “Nossa Senhora da Vitória”, título proveniente da grande vitória alcançada junto aos índios que relutavam contra a posse de seus domínios, por terem sido maltratados por alguns colonizadores, em tentativas precedentes.
O nosso Fundador, sendo de origens portuguesas, provavelmente quis tomar este título de raízes luso-brasileiras, mas desejou com ele considerar, não tanto as vitórias nos eventos humanos, mas acima de tudo, as grandes vitórias da Mãe de Deus sobre o demônio, sobre o pecado, sobre o mal, desde a sua Imaculada Conceição. Em seu quarto havia uma pequena imagem de Nossa Senhora da Vitória, miniatura da Imagem venerada em Batalha: a Imaculada Conceição, circundada de raios de luz. Quando a Congregação esteve em São José das Três Ilhas, Diocese de Juiz de Fora, MG, presentearam o nosso Fundador com uma belíssima Imagem da Imaculada Conceição em madeira policromada, de origem portuguesa, que passou a ser venerada em nossa Família Religiosa como Nossa Senhora das Vitórias.  De fato, a primeira vitória de Nossa Mãe, foi precisamente a sua Imaculada Conceição.

MEDIANEIRA DE TODAS AS GRAÇAS

Antes de fundar a Congregação, o nosso Fundador foi acometido de gravíssima tuberculose, que já lhe havia comprometido o pulmão esquerdo. Ficou, por um período, numa Casa de Saúde em Cascadura, RJ, dirigida pelas Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo (Vicentinas) e, no dia de Nossa Senhora das Graças (27 de novembro), enquanto celebrava a Santa Missa, sentiu-se curado desse terrível mal. As Irmãs Soares, Dutra e outras se aperceberam do fato e, logo após a Missa, aconselharam-no a submeter-se às radiografias, que constataram o milagre. Pode ter sido esta, a causa da invocação “Medianeira de Todas as Graças” que, no período pré-conciliar era muito popular, havendo um significativo número de Bispos que pediram ao Papa João XXIII de proclamar o dogma da Mediação Universal de Maria, logo no início do Concílio Vaticano II.
Nossa Congregação assumiu a Mediação Universal de Maria como seu estandarte, colocando-se dentro do ensinamento da Igreja que vê essa Mediação como a Missão Materna de Maria e sempre subordinada à Mediação de Seu Filho, Cristo Sacerdote, único Mediador entre Deus e os homens. Diz a Lúmen Gentium: “A função maternal de Maria, em relação aos homens, de modo algum ofusca ou diminui esta única mediação de Cristo; antes, manifesta a sua eficácio. (...) e de nenhum modo impede o contacto imediato dos fiéis com Cristo, antes, o favorece” (Cf. LG, 60).

6. SÃO JOSÉ, O PRIMEIRO OBLATO DE CRISTO SACERDOTE

Assim o chamava, o nosso Fundador, apontando-nos o glorioso Patriarca São José como modelo, após Cristo Sacerdote e Nossa Senhora das Vitórias, a ser imitado, em sua vida interior, total doação de si mesmo a Deus, nos planos salvíficos do Senhor, para toda a humanidade. São José, além do mais, é modelo de pureza de vida, de humildade, de espírito de serviço e de total disponibilidade à vontade de Deus. O Carpinteiro de Nazaré nos inspira, ainda, o espírito de trabalho e de obediência de fé, de silêncio e de escuta da Palavra Divina; mostra-nos como se deve contemplar o rosto de Jesus e como devemos amá-lo sobre todas as coisas. Nosso Fundador chamava São José de “o primeiro Ecônomo da Congregação”, que o ajudou a adquirir as primeiras camas para os membros que chegavam para a Fundação de Nossa Família Religiosa, no longínquo 1955. Depois, quanto auxílio nos deu São José, no decorrer destes anos todos!
Precisamos, como autênticos Oblatos de Cristo Sacerdote, nos espelhar no Patrono da Igreja Universal, para podermos perseverar em nossa augusta vocação, exercer os nossos Carismas e, um dia, sermos levados por ele aos céus, pois é também o Patrono da Boa Morte! 

 

 

 

 

ORAÇÕES AO DESPERTAR (feitas em particular)

Eis-me aqui, ó Deus Pai, para fazer a Vossa Santíssima Vontade, em união com Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote, em união com o Coração Imaculado de Maria e no amor do Espírito Santo.

São José, São Miguel, São Gabriel, São Rafael, São Bento, Anjo de minha Guarda, São Francisco de Sales, São João Maria Vianney, Santa Teresinha, São José Moscati e demais Patronos de nossa Congregação, ROGAI POR NÓS!

Se o tempo o permitir, pode-se fazer (ainda em particular), as orações que estão na página.... todas compostas por nosso Fundador.

I PARTE- ATOS COMUNITÁRIOS QUOTIDIANOS

 

“Pela Vida Religiosa, consagra-se o homem à glória de Deus e ao Seu serviço. Ela manifesta na Igreja a admirável união esponsal estabelecida por Deus sinal da vida futura. Assim, o Religioso cumpre sua plena doação como um sacrifício oferecido a Deus, pelo qual toda a sua existência se converte num culto permanente oferecido a Deus na caridade” (Constituições, 9).

I.1- ORAÇÕES ANTES DO OFÍCIO DA MANHÃ

 

Ó SAGRADO BANQUETE em que se recebe o Cristo, renova-se o memorial de sua Paixão, a alma se plenifica de graça e nos é dado o penhor da glória futura.
V/- Do céu lhes destes o Pão ( TP- Aleluia),
R/- Que contém todo o sabor (TP- Aleluia).
V/- Ouvi, Senhor, a minha oração,
R/- E chegue até vós o meu clamor.

OREMOS:  Deus, que neste admirável Sacramento nos deixastes o memorial de Vossa Paixão, concedei-nos tal veneração pelos sagrados mistérios de Vosso Corpo e Sangue, que experimentemos sempre em nós a sua eficácia redentora. Vós que viveis e reinais pelos séculos dos séculos.
R/- Amém.
(Esta Oração introduz todos os Atos de Piedade em comum).

SENHOR, no silêncio deste dia que amanhece, venho pedir-vos a paz, a sabedoria, a força. Quero olhar hoje o mundo com olhos cheios de amor, ser paciente, compreensivo, manso e prudente; ver além das aparências vossos filhos como vós mesmo os vedes e, assim, não ver senão o bem em cada um. Cerrai meus ouvidos à toda calúnia, guardai minha língua de toda maldade, que só de bênçãos se encha o meu espírito. Que eu seja hoje tão bondoso e alegre, que todos quantos se achegarem a mim sintam a vossa presença. Revesti-me de vossa beleza, Senhor, e que no decurso deste dia eu vos revele a todos!

 

 

Ó DIVINO ESPÍRITO SANTO, Amor do Pai e do Filho, inspirai-me sempre o que devo pensar, o que devo dizer, como o devo dizer, o que devo calar, o que devo escrever. Inspirai-me como devo agir e o que devo fazer para promover a Vossa glória, o bem das almas e a minha própria santificação. Amém.

ANGELUS DOMINI  (Fora do tempo Pascal).

O Anjo do Senhor anunciou à Maria,

E Ela concebeu do Espírito Santo.
Ave Maria...
Eis a Serva do Senhor,
Faça-se em mim segundo a tua palavra.
Ave Maria...
E o Verbo se fez Carne,
E habitou entre nós.
Ave Maria...
Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

OREMOS: Infundi, Senhor, em nossas almas a Vossa graça, para que nós que conhecemos, pela Anunciação do Anjo, a Encarnação de Jesus Cristo, Vosso Filho, cheguemos, por Sua Paixão e Cruz, à glória da Ressurreição. Pelo mesmo Cristo, Nosso Senhor. Amém.
( Três Gloria Patri, em honra da Santíssima Trindade).

 REGINA CAELI (No Tempo Pascal):

Rainha do céu, alegrai-Vos, aleluia,
Porque Aquele que merecestes trazer em Vosso Seio, aleluia,

Ressuscitou, como disse, aleluia!

Rogai a Deus por nós, aleluia!
Alegrai-Vos e exultai, Virgem Maria, aleluia,
Porque o Senhor ressuscitou verdadeiramente, aleluia!

OREMOS: Deus, que dignastes alegrar o mundo com a Ressurreição do Vosso Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo, concedei-nos, por Sua Santa Mãe, a Virgem Maria, alcançarmos as alegrias da vida eterna. Pelo mesmo Cristo, Senhor Nosso. Amém.

I.2- PREPARAÇÃO PARA A SANTA MISSA.

Fórmula de Intenção:
SENHOR, quero unir-me à toda a Vossa Igreja na participação do Sacrifício do Corpo e Sangue de Vosso Filho Jesus Cristo Sacerdote, para Vosso louvor e de toda a Igreja   triunfante, para o meu próprio bem e de toda a Igreja militante; por todos os que se recomendaram às minhas orações, de modo geral e em particular, e pela felicidade da Santa Igreja Católica. Amém.

Que Deus, todo Poderoso e cheio de misericórdia, me conceda alegria e paz, conversão de vida, tempo para verdadeira penitência, graça e força do Espírito Santo e perseverança nas boas obras. Amém.

Oração à Nossa Senhora:
Ó Mãe de bondade e de misericórdia, Santa Virgem Maria, eu, pobre e indigno pecador, a Vós recorro com todo o afeto do meu coração, implorando a Vossa piedade. Assim como estivestes em pé junto à Cruz do Vosso Filho, assim também Vos digneis assistir a todos os Sacerdotes que hoje celebram a Eucaristia em toda a Santa Igreja. Auxiliados por Vós, possam oferecer ao Deus Uno e Trino a Vítima do Seu agrado. Amém.

I.3- AÇÃO DE GRAÇAS APÓS A S. COMUNHÃO
( Quando a Sta. Missa não é acoplada com a Liturgia das Horas):

Fazei, Senhor, que conservemos com o coração puro o que acabamos de receber,
Que esta dádiva temporal se torne para nós remédio sempiterno.
Que o Vosso Corpo, Senhor, que recebemos e o Vosso Sangue que bebemos,
Penetrem e permaneçam em nós a fim de que em nossas almas não fique mancha alguma de pecado, depois de a confortarem sacramentos tão puros e santos. Amém.
Alma de Cristo, santificai-me.
Corpo de Cristo, salvai-me.
Sangue de Cristo, inebriai-me.
Água do lado de Cristo, lavai-me.
Paixão de Cristo, confortai-me.
Ó Bom Jesus, ouvi-me.
Dentro de Vossas chagas, escondei-me.
Não permitais que me separe de Vós.
Do espírito maligno  defendei-me.
Na hora da morte, chamai-me e mandai-me ir para Vós, para que com os Vossos Santos Vos louve nos céus eternamente. Amém.
Oração a Jesus Crucificado-
Eis-me aqui, ó meu Bom e dulcíssimo Jesus, de joelhos me prostro em Vossa presença  e Vos suplico, com todo o fervor de minha alma, que Vos digneis gravar no meu coração os mais vivos sentimentos de fé, esperança e caridade, verdadeiro arrependimento de meus pecados e firme propósito de emenda, enquanto vou considerando, com vivo afeto e dor, as Vossas cinco Chagas, tendo diante dos olhos aquilo que o profeta Davi já Vos fazia dizer, ó bom Jesus: “Transpassaram minhas mãos e os meus pés, e contaram todos os meus ossos” (Sl 21,17).
Ó Maria, Virgem e Mãe Santíssima, eis que recebi o vosso amado Filho, que concebestes em vosso seio imaculado e destes à luz, amamentastes e estreitastes com ternura em vossos braços. Eis que humildemente e com todo o amor vos apresento e ofereço de novo Aquele mesmo cuja Face vos alegrava e enchia de delícias, para que, tomando-o em vossos braços e amando-o de todo o coração, o apresenteis à Santíssima Trindade, em supremo culto de adoração, para a vossa honra e glória, por minhas necessidades e pelas de todo o mundo. Peço-vos  pois, ó Mãe compassiva, que imploreis a Deus o perdão dos meus pecados, graças abundantes para servi-lo mais fielmente e a perseverança final, para que convosco possa louva-lo para sempre. Amém.
Oração de Santa Teresinha pelos Sacerdotes.
Ó Jesus, Sumo e Eterno Sacerdote, conservai estes vossos Sacerdotes sob a proteção do vosso Coração amabilíssimo, onde nada de mal lhes possa suceder. Conservai ilibadas suas mãos ungidas, que tocam todos os dias o vosso Corpo santíssimo; conservai puros seus lábios, tintos pelo vosso Sangue preciosíssimo; conservai puros e desapegados dos bens da terra, os seus corações que foram selados com o caráter sublime do vosso glorioso sacerdócio; fazei-os crescer no amor e fidelidade para convosco e preservai-os do contágio do mundo.
Dai-lhes também, juntamente com o poder que têm de transubstanciar o pão e o vinho em vosso Corpo e Sangue, o poder de transformar o coração dos vossos fiéis. Abençoai os seus trabalhos com copiosos frutos e concedei-lhes, um dia, a coroa da vida eterna. Assim seja.
Enviai, Senhor, operários para a vossa messe, pois a messe é grande, mas poucos os operários ( por 3 vezes).

 “LEMBRAI-VOS” (De São Bernardo, adaptado à Congregação)- Que será rezado também na conclusão de outros atos de piedade, como na Visita ao Santíssimo Sacramento, após o Almoço:

Lembrai-Vos, querida Mãe Santíssima, Senhora das Vitórias, que jamais se ouviu dizer que alguém Vos tivesse recorrido, sem que por Vós fosse atendido. Com tal confiança a Vós recorremos,  para Vos suplicar, que nos alcanceis da Santíssima Trindade, a perseverança final em nossa vocação oblaciana, o aumento de santas vocações para a nossa Congregação e todas as graças espirituais e temporais que estamos necessitando para a nossa Família Religiosa, nossos pais, parentes e benfeitores.
Na certeza de que nos atendeis, ó Boníssima Mãe, unimo-nos convosco em Vosso perene ato de agradecimento à Santíssima Trindade, por todas as graças que Vos concedeu.

Jaculatórias finais:
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
Como era no princípio, agora e sempre, amém.

Jesus Cristo Sacerdote, fazei que resplandeça a Vossa Face sobre nós,
Permanecei conosco, ó Senhor.

Nossa Senhora das Vitórias, Medianeira de todas as graças,
Rogai por nós.

São José e demais Patronos da Congregação,
Rogai por nós.

Que as almas dos Sacerdotes Seculares e dos Senhores Bispos, pela misericórdia de Deus descansem em paz,
Amém.

 

I.4- SANTO ROSÁRIO.

“... a mais terna e filial devoção à Santíssima Mãe de Deus, ‘modelo e proteção de toda a vida religiosa’, alimentada no estudo e na meditação dos inefáveis mistérios de Maria, intimamente relacionados com o Plano divino da Salvação; e o constante contributo de veneração, traduzido  na prática, na reza diária do Terço do Rosário em comum e nos genuínos atos de piedade marial aprovados pela Igreja”( Constituições, 7.2).

“O Rosário da Virgem Maria ( Rosarium Virginis Mariae), que por inspiração do Espírito de Deus se foi formando gradualmente no segundo milênio, é oração amada por numerosos santos e estimulada pelo Magistério. Em sua simplicidade e profundidade, permanece, mesmo no terceiro milênio recém-iniciado, uma oração de grande significado, destinada a produzir frutos de santidade”( João Paulo II, Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, Introdução, 1).

Práticas piedosas- Conserve-se a tradição de iniciar a recitação do Rosário com a Profissão de fé (Credo), seguindo-se um “Pai-Nosso”e três “Ave-Marias” ( recordando o relacionamento de Nossa Senhora com a Santíssima Trindade; Filha predileta do Pai, Mãe do Verbo Encarnado e Tabernáculo favorito do Espírito Santo), começando-se, então os respectivos Mistérios e, entre um e outro, deve-se dizer:
Glória ao Pai...
“Ó Bom Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem”.
Ó Maria concebida sem pecado,
Rogai por nós, que recorremos a Vós.

ENUNCIAÇÃO DOS MISTÉRIOS-

 

Mistérios gozosos (às segundas-feiras e sábados):

  • No Primeiro Mistério contemplamos a Anunciação do Anjo e a Encarnação do Verbo.
  • No Segundo Mistério contemplamos a Visita de Maria Santíssima à Santa Isabel.
  • No Terceiro Mistério contemplamos o nascimento de Jesus em Belém.
  • No Quarto Mistério contemplamos a Apresentação do Menino Jesus no Templo.
  • No Quinto Mistério contemplamos a perda e o encontro do Menino Jesus, no Templo entre os doutores.

Mistérios da Luz ( às quintas-feiras):

  • No Primeiro Mistério contemplamos o Batismo de Jesus no rio Jordão.
  • No Segundo Mistério contemplamos o primeiro milagre de Jesus, nas Bodas de Cana, por intercessão de Maria Santíssima.
  • No Terceiro Mistério contemplamos o início do ministério público de Jesus – Sua pregação: “Convertei-vos e crede no Evangelho”.
  • No Quarto Mistério contemplamos a Transfiguração do Senhor no monte Tabor.
  • No Quinto Mistério contemplamos a instituição da Santíssima Eucaristia, como centro da vida da Igreja.

Mistérios dolorosos (às terças e sextas-feiras):
1- No Primeiro Mistério contemplamos a Agonia de Jesus no Horto das Oliveiras.
2- No Segundo Mistério contemplamos a Flagelação de Jesus, atado à coluna.

  • No Terceiro Mistério contemplamos a Coroação de Espinhos de N.S. Jesus Cristo.
  • No Quarto Mistério contemplamos Jesus que carrega a Cruz aos ombros rumo ao Calvário.
  • No Quinto Mistério contemplamos a Crucifixão e Morte de N.S. Jesus Cristo.

Mistérios gloriosos ( aos domingos e quartas-feiras):

  • No Primeiro Mistério contemplamos a Ressurreição de N.S. Jesus Cristo.
  • No Segundo Mistério contemplamos a Ascensão do Senhor aos céus.
  • No Terceiro Mistério contemplamos a descida do Divino Espírito Santo sobre Maria Santíssima e os Apóstolos reunidos no Cenáculo.
  • No Quarto Mistério contemplamos a Assunção de Nossa Senhora em corpo e alma aos céus.
  • No Quinto Mistério contemplamos a Coroação de Nossa Senhora como Rainha dos céus e da terra.

( Após a enunciação de cada Mistério, fazer um breve momento de silêncio, para visualizar interiormente o Mistério a ser contemplado).
Ao término dos Mistérios, reza-se a
Salve, Rainha, Mãe de Misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve! A Vós bradamos, os degredados filhos de Eva, a Vós suspiramos, gemendo e chorando, neste vale de lágrimas. Eia, pois, Advogada nossa, estes Vossos olhos misericordiosos a nós volvei! E, depois deste desterro, mostrai-nos a Jesus, Bendito Fruto do Vosso ventre, ó clemente, ó piedosa, ó doce Sempre-Virgem Maria!
Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Sub tuum praesidium: Debaixo de Vossa proteção nos refugiamos, Santa Mãe de Deus: não desprezeis as súplicas que em nossas necessidades Vos dirigimos, mas livrai-nos de todos os perigos, ó Sempre-Virgem, gloriosa e bendita!

Oração a São José - A Vós, São José, recorremos em nossa tribulação, e, depois de ter implorado o auxílio de Vossa Santíssima Esposa, cheios de confiança, solicitamos também o Vosso especial Patrocínio.
Por este laço sagrado de caridade que Vos uniu à Virgem Imaculada Mãe de Deus, e pelo amor paternal que tivestes ao Menino Jesus, ardentemente  Vos suplicamos que lanceis um olhar benigno para a herança que Jesus Cristo conquistou com o Seu Sangue e nos socorrais em nossas necessidades com o Vosso auxílio e poder.
Protegei, ó Guarda providente da Sagrada Família, a raça eleita de Jesus Cristo. Afastai para longe de nós, ó Pai amantíssimo, a peste do erro e do vício. Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo Protetor, na luta contra o poder das trevas e, assim como outrora salvastes da morte a vida ameaçada do Menino Jesus, assim também defendei agora a Santa Igreja de Deus contra as ciladas dos seus inimigos e de toda a adversidade. Amparai a cada um de nós com o Vosso constante Patrocínio, a fim de que, a Vosso exemplo, e sustentados com o Vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, piedosamente morrer e obter no céu a eterna Bem-aventurança. Amém.

Oração a São Miguel Arcanjo: São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate, cobri-nos com vosso escudo, contra os embustes e ciladas do demônio. Subjugue-o Deus, instantemente o pedimos! E vós, Príncipe da Milícia celeste, pelo Divino Poder, precipitai no inferno a satanás e aos outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. Amém.

LADAINHAS LAURETANAS ( nos meses de maio e outubro, após o Terço).

 

Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, ouvi-nos.
Cristo, atendei-nos.
Deus Pai dos céus, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Espírito Santo que sois Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, rogai por nós.
Santa Mãe de Deus, rogai...
Santa Virgem das virgens, rogai...
Mãe de Jesus Cristo, rogai...
Mãe da Igreja, rogai...
Mãe da divina graça, rogai...
Mãe puríssima, rogai...
Mãe castíssima, rogai...
Mãe imaculada, rogai...
Mãe intacta, rogai...
Mãe amável, rogai...
Mãe admirável, rogai...
Mãe do bom conselho, rogai...
Mãe do Criador, rogai...
Mãe do Salvador, rogai...
Virgem prudentíssima, rogai...
Virgem venerável, rogai...
Virgem louvável, rogai...
Virgem poderosa, rogai...
Virgem benigna, rogai...
Virgem fiel, rogai...
Espelho de justiça, rogai...
Sede da Sabedoria, rogai...
Causa da nossa alegria, rogai...
Vaso espiritual, rogai...
Vaso honorífico, rogai...
Vaso insigne de devoção, rogai...
Rosa mística, rogai...
Torre de Davi, rogai...
Torre de marfim, rogai...
Casa de ouro, rogai...
Arca da Aliança, rogai...
Porta do céu, rogai...
Estrela da manhã, rogai...
Saúde dos enfermos, rogai...
Refúgio dos pecadores, rogai...
Consoladora dos aflitos, rogai...
Auxílio dos cristãos, rogai...
Rainha dos Anjos, rogai...
Rainha dos patriarcas, rogai...
Rainha dos profetas, rogai...
Rainha dos Apóstolos, rogai...
Rainha dos mártires, rogai...
Rainha dos confessores, rogai...
Rainha das virgens, rogai...
Rainha de todos os santos, rogai...
Rainha concebida sem pecado original, rogai...
Rainha assunta ao céu, rogai...
Rainha do santo Rosário, rogai...
Rainha da família, rogai...
Rainha da paz, rogai...
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
 

Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos- Senhor, nosso Deus, concedei-nos sempre saúde de alma e corpo, e fazei que, pela intercessão da Virgem Maria, libertos das tristezas presentes, gozemos as alegrias eternas. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

I.5- ORAÇÕES DA NOITE (Antes das Completas).

 

1. Ó Sagrado Banquete  ( como na página   ).
2. Exame de consciência.
3.Deus  Pai, santo e diletíssimo, ofereço-vos vosso divino Filho, Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote, com todo seu amor e merecimentos de suas santas Chagas, de seu divino Coração, de sua sagrada Face, de seu preciosíssimo Sangue e da sua presença Eucarística:
. para reparar todos os pecados que cometi, por pensamentos, palavras e obras, neste dia e durante a minha vida;
. para reparar todos os pecados que outros cometeram comigo ou por minha causa;
. para satisfazer pelas negligências que cometi na prática do bem, neste dia e durante a minha vida;
. para suprir o que devia fazer e não fiz;
. para vos agradecer por todos os benefícios recebidos.
Superior- Deus todo poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.
. Amém.
4. Oração pelo Papa-
Rezemos pelo nosso Santo Padre, o Papa n. ...
Ó Deus, Pastor e guia de todos os fiéis, olhai com bondade o Vosso servo n. .... , que constituístes Pastor da Vossa Igreja. Dai-lhe, por sua palavra e exemplo, velar sobre o Rebanho que lhe foi confiado, para chegar com ele à vida eterna. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

5. Oração pelo Bispo Diocesano-
Onipotente e eterno Deus, tende piedade do Vosso servo n. ... , Bispo desta Diocese. Assisti-o com a Vossa clemência, para que, por Vossa graça, deseje o que Vos agrade e o realize com todas as suas forças..

6. Oração pelos Bispos e Sacerdotes-
Ó Deus, que para a glória da Vossa Majestade e salvação do gênero humano, constituístes o Vosso Filho Unigênito Sumo e Eterno Sacerdote, fazei aos que por Ele escolhestes para Ministros e dispensadores dos Seus Mistérios, permaneçam sempre fiéis às sagradas obrigações dos encargos recebidos. Por Jesus Cristo, Nosso Senhor. Amém.

7. Oração pelos Oblatos:
Por Jesus Cristo, Sacerdote Eterno, e pela mediação de Nossa Senhora das Vitórias, nós vos pedimos humildemente, ó Deus Onipotente, a graça de observar generosamente as nossas Constituições, a fidelidade aos nossos votos religiosos e a perseverança final para todos os membros desta Congregação. Amém.

Glória ao Pai...
São José e demais Patronos de nossa Congregação,
Rogai por nós.

( Segue-se a recitação das Completas, conforme a “Liturgia das Horas”. Ao término, canta-se uma Antífona ou Melodia Mariana, podendo-se escolhe-la entre as que estão nas pp.      ).

Superior- Que Jesus Cristo Sacerdote nos dê uma boa noite e faça resplandecer a Sua Face sobre nós.
R/- E permaneça sempre conosco!

I.6- PRÁTICAS DEVOCIONAIS DIÁRIAS, FEITAS EM PARTICULAR:

 

I.6.1- MEDITAÇÃO

(...”piedade substancialmente cristocêntrica, fundamentada na meditação e vivência pessoal dos Mistérios da Encarnação e da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor, em que se mostra sempre mais o Coração Sacerdotal de Jesus”).
Oração antes da Meditação: DEUS PAI SANTO E DILETÍSSIMO, humilde e filialmente  vos adoramos e nos colocamos em vossa presença, para vos pedir, em nome de Jesus Cristo Sacerdote, que envieis as nossas almas o vosso Santo Espírito, para nos ensinar a meditar, conforme a vossa santa vontade.
Vinde, Espírito Santo, enchei os corações de vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.
V/ - Enviai o vosso Espírito e tudo será criado,
R/ - E renovareis a face da terra.
Oremos- Ó Deus, que esclarecestes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, concedei-nos, pelo mesmo Espírito o dom da verdadeira sabedoria e de sempre gozarmos de suas consolações, por Cristo, Nosso Senhor. Amém.
Para o fim da meditação: Virgem-Mãe Santíssima, Senhora das Vitórias, alcançai-me do Pai e do Filho, com o amor do Espírito Santo, a graça de aproveitar desta meditação para a minha perseverança final no serviço de Deus.

I.6.2-(Para a LEITURA ESPIRITUAL DIÁRIA, pode-se fazer a mesma oração).

 

I.6.3- VISITA AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO:

Ó  Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote, quero neste momento visitar-vos, em todos os tabernáculos desta (Arqui)Diocese e do mundo inteiro, principalmente onde, em vossa Presença Eucarística, sois mais abandonado e menos reverenciado.Renovo, neste momento, o meu sincero desejo de união convosco. Anseio por receber-vos, agora espiritualmente, como se vos recebesse sacramentalmente. Fazei, Senhor, que resplandeça sobre nós a vossa Face! Permanecei conosco, Senhor!
Sim, ó Jesus Cristo Sacerdote Eterno, permanecei comigo com a vossa inteligência, para pensar convosco; permanecei comigo com a vossa santa vontade, para eu fazer sempre com perfeito amor a vontade do Pai celeste. Ficai comigo com a vossa alma e a vossa divindade, para me santificardes no amor do vosso Santo Espírito.
Ó Divino Espírito Santo, Amor substancial do Pai e do Filho, humildemente vos invoco: vinde a mim, abrasai-me no vosso amor; iluminai-me com a vossa luz; sustentai-me com a vossa força. Com a eficácia onipotente da vossa graça, convertei-me e santificai-me, destruindo em mim, todos os meus pecados e defeitos. Que a chama divina do vosso amor devore, por completo, o meu egoísmo e a desordem das paixões. Ordenai a minha vida para o amor ao Pai e para convosco, em união com Jesus Cristo Sacerdote. Amém.
(Após uns minutos de adoração silenciosa à Presença de Jesus na Eucaristia, a Visita termina com o “Lembrai-vos”de Nossa Senhora, pág.  ).

I.6.4- ORAÇÕES QUE PODEM SER REZADAS EM PARTICULAR, ANTES DA CHEGADA DA COMUNIDADE PARA AS ORAÇÕES DA MANHÃ:

 

I.6.5- ORAÇÃO A DEUS PAI.

Deus Pai, Santo e Diletíssimo, nós vos adoramos e bendizemos! Queremos nos unir ao louvor que vos eleva o vosso próprio Filho, Jesus Cristo Sacerdote e, por Ele, com Ele e nele, todos os Anjos e Santos, em uníssono com a Virgem Santíssima das Vitórias e São José.
Com eles, proclamamos o vosso Nome santo e glorioso!
Queremos vos agradecer por tantos benefícios que continuamente recebemos do vosso amor providente e misericordioso. Com Cristo Sacerdote, queremos cumprir, acima de tudo a vossa Vontade santíssima e soberana. Para isto, vos pedimos que nos envieis o vosso Divino Espírito Santo, que nos ilumine e fortaleça, inflamando-nos o coração de amor e entusiasmo pelo vosso Reino.
O mesmo vos pedimos por todos os Bispos e Sacerdotes Diocesanos.
À vossa infinita e providencial bondade nos subordinamos, com filial submissão e tudo esperamos com absoluta confiança.
Concedei-nos a graça da perseverança final em nossa vocação oblaciana e do aumento de santas vocações para o clero secular e regular.
Tudo isto vos pedimos, ó Pai amantíssimo, por Jesus Cristo Sacerdote, vosso Filho Unigênito.Amém.

 

I.6.6- Ato de Oblação a Cristo Sacerdote.

Ó Jesus Cristo Sacerdote, Filho Unigênito do Deus vivo, recebei a humilde oblação de todo o nosso ser, unida a todas as intenções do vosso Divino Coração, desde o “Ecce venio” da Encarnação, ao “Consumatum est” do Calvário. Queremos nos unir especialmente à oblação de vós mesmo ao Pai, no momento em que, chegando ao Calvário, vos despojaram de vossas vestes e vos pregaram na Cruz. Por esta divina oblação e por vosso infinito amor ao Pai e ao Espírito Santo, comunicai-nos esse mesmo Espírito, em toda a plenitude do seu Amor e de seus dons, para que ele nos livre de nossas misérias e nos enriqueça com a vossa graça, para a glória do Pai. Amém.

I.6.7- Oração ao Divino Espírito Santo.

Ó Divino Espírito Santo, Amor substancial do Pai e do Filho, nós vos amamos e humildemente vos suplicamos: vinde as nossas almas; ficai  sempre conosco! Confirmai-nos na unidade da fé e do verdadeiro amor, segundo o espírito das nossas Constituições, para cuja prática fiel pedimos a vossa perene assistência. Dai-nos a graça do discernimento e da fortaleza; o equilíbrio e a sabedoria; a piedade, a prudência, a ciência e o temor de Deus, para buscarmos seriamente a santidade, na observância perseverante dos conselhos evangélicos e na contínua oblação a Cristo Sacerdote, por Maria, a Virgem-Mãe das Vitórias. Amém.

I.6.8- Consagração à Nossa Senhora das Vitórias.

Ó Nossa Senhora das Vitórias, Mãe de Deus e Nossa, Vencedora de todo o mal, desde a vossa Imaculada Conceição, vinde em nosso auxílio. Rodeados de males de todo o gênero, consagramo-nos inteiramente a vós, para todo o sempre, na certeza de que em vosso Coração Imaculado encontraremos o maternal refúgio e a vitória certa para vencer todos os nossos inimigos espirituais e temporais, presentes e futuros. Ó Virgem e Imaculada Mãe, alcançai-nos a graça de vencer definitivamente a desordem de nossas paixões, a sedução do mundo e a perfídia de satanás. Queremos ser para sempre Oblatos vossos e do vosso Divino Filho, Jesus Cristo Sacerdote! Aceitai-nos com todas as nossas fraquezas e misérias e com todo o bem que, por vós auxiliados, pudermos fazer, tudo oferecendo, por vosso intermédio, a Jesus Cristo Sacerdote, para a glória de Deus Pai, no amor do Espírito Santo, pela santificação dos Sacerdotes e Bispos. Amém.

I.6.9- Oração a São José.

Ó São José, fidelíssimo Tesoureiro dos benefícios de Deus, atendei às súplicas dos Oblatos de Cristo Sacerdote e de Nossa Senhora das Vitórias. Confiamo-nos inteiramente ao vosso especial Patrocínio e vos pedimos nos alcanceis a graça de crescente união com Deus, na vida interior, no amor de oblação sempre fiel, na vigilância e na oração, na humildade, castidade, pobreza e obediência. Alcançai-nos também, ó querido São José, a perseverança final na fidelidade a Cristo Sacerdote e à Nossa Senhora das Vitórias, através da observância generosa das nossas Constituições. Obtende-nos, outrossim, numerosas e santas Vocações para a nossa Congregação e para todo o Clero Secular e Regular. Amém.

 

II PARTE- ATOS COMUNITÁRIOS SEMANAIS.

“Porque substancialmente cristocêntrica e Mariana, a Espiritualidade dos Oblatos de Cristo Sacerdote deve leva-los constantemente a se embrenharem pelo caminho da santidade, empenhando-se cada um por adquirir um conhecimento mais e mais profundo da Pessoa adorável e sacerdotal de Jesus Cristo, a fim de amá-lo e servi-lo melhor, sob a guia maternal de Maria, roteiro seguro que leva às inesgotáveis riquezas do divino Coração de Seu Filho”( Código Complementar Geral, 6).

“O culto prestado à Eucaristia fora da Missa é de um valor inestimável na vida da Igreja e está ligado intimamente com a celebração do sacrifício eucarístico. A presença de Cristo nas hóstias consagradas que se conservam após a Missa – presença essa que perdura enquanto subsistirem as espécies do pão e do vinho – resulta da celebração da Eucaristia e destina-se à comunhão sacramental e espiritual. Compete aos pastores, inclusive pelo testemunho pessoal, estimular o culto eucarístico, de modo particular as exposições do Santíssimo Sacramento e também as visitas de adoração a Cristo presente sob as espécies eucarísticas. É bom demorar-se com ele e, inclinado sobre o seu peito como o discípulo predileto ( cf. Jô 13,25), deixar-se tocar pelo amor infinito de seu coração. Se atualmente o cristianismo se deve caracterizar sobretudo pela “arte da oração”, como não sentir de novo a necessidade de permanecer longamente em diálogo espiritual, adoração silenciosa, atitude de amor, diante de Cristo presente no Santíssimo Sacramento?”( João Paulo II- Carta Encíclica “Ecclesia de Eucharistia”,II,25).

II.1- SEGUNDA FEIRA

Vigília Eucarística em sufrágio dos Sacerdotes Diocesanos e Bispos falecidos.
“... Haja periodicamente, devidamente assinaladas no Calendário da Congregação, Vigílias Eucarísticas diante do Santíssimo Sacramento solenemente exposto, nas quais se façam especiais orações de sufrágio por todos os Bispos e Sacerdotes e segundo as intenções do Sumo Pontífice”( Código Complementar Geral, 7,g).

Graças e louvores...
Ao Santíssimo...

Ó Jesus Cristo Sacerdote, neste momento da Vigília Eucarística, queremos Vos oferecer toda a nossa pobre vida, sofrimentos, sacrifícios e orações, em união com o Coração Imaculado de Maria, no Amor do Espírito Santo e pelos méritos da Vossa sagrada Paixão e Morte, em sufrágio de todos os Bispos e Sacerdotes, principalmente do clero secular , que ainda se encontram no Purgatório. Dai-lhes, Senhor, o eterno descanso e a contemplação da Vossa Sagrada Face. Amém.

II.2- TERÇA-FEIRA – ATO DE DESAGRAVO À SAGRADA FACE.

“... Haja, outrossim, práticas de desagravo à Sagrada Face de Cristo às terças-feiras, pois a devoção à Sagrada Face de Jesus nos recorda a presença de Deus em nossas almas e a necessidade de vê-lo constantemente em nossos Irmãos, principalmente nos Sacerdotes e Bispos”( Código Complementar Geral, 7,e).

Cristo Sacerdote, fazei que resplandeça a Vossa Face sobre nós,
Permanecei conosco, ó Senhor! ( 3 vezes).
Ó Jesus Cristo Sacerdote, queremos Vos oferecer nossa vida, sofrimentos e orações, em união com o Coração Imaculado de Maria, em desagravo à Vossa Sagrada Face, pelos nossos pecados e pelos pecados do mundo inteiro, especialmente das pessoas a Vós consagradas na vida religiosa e sacerdotal. Aceitai, Senhor, esta nossa humilde reparação por todos os pecados de orgulho, heresia e sensualidade.
Senhor Jesus Cristo Sacerdote, que a luz de vossa Sagrada Face nos ilumine. Que sua infinita beleza nos atraia. Que sua força onipotente nos proteja. Que seu amor misericordioso nos perdoe e santifique, levando-nos a sua eterna contemplação nos esplendores do céu. Amém.

II. 3- QUINTA-FEIRA- VIGÍLIA EUCARÍSTICA.

(“...Amor crescente a Jesus na Eucaristia, tratando-o como Amigo e Confidente de todas as horas, visitando-o com freqüência”- Código Complementar Geral, 7, a).
Graças e louvores...
Ao Santíssimo...
DEUS PAI, SANTO E DILETÍSSIMO, com Jesus Cristo Sacerdote, nosso divino Irmão, e no amor do Espírito Santo, em união de intenções com o Coração Imaculado de Maria, Senhora das Vitórias, queremos vos oferecer esta Vigília Eucarística, em adoração, agradecimento e reparação, pelos que não vos adoram, não vos agradecem e vos ofendem e para vos pedir todas as graças de que estão necessitando o Santo Padre N...., o nosso Pastor Diocesano N. ..., os nossos Bispos e Sacerdotes e todos os membros da nossa Congregação, para que vos digneis solucionar todos os problemas espirituais e temporais, aumentar as vocações e a todos dar a perseverança final. Confiamos também ao vosso amor misericordioso os nossos pais, parentes, amigos e benfeitores. Dai-lhes, Senhor, todas as graças de que necessitam e livrai-os de todo o mal.

II. 4- BÊNÇÃO DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO:

 

Tão sublime Sacramento,
Adoremos neste altar,
Pois o Antigo Testamento
Deu ao Novo o seu lugar;
Venha a fé por suplemento
Os sentidos completar.

Ao Eterno Pai cantemos
E a Jesus, o Salvador,
Ao Espírito exaltemos
Na Trindade eterno amor.
Ao Deus Uno e Trino demos
A alegria do louvor. Amém.
V/- Do céu lhes destes o Pão ( T.P. Aleluia),
R/- Que contém todo o sabor ( T.P. Aleluia).
Oremos: Deus, que neste admirável Sacramento nos deixastes o memorial de vossa Paixão, concedei-nos tal veneração pelos sagrados mistérios de vosso Corpo e de vosso Sangue, que experimentemos sempre em nós a sua eficácia redentora. Vós, que viveis e reinais pelos séculos dos séculos. Amém.

Louvores em reparação pelas blasfêmias:
Bendito seja Deus.
Bendito seja o seu santo Nome.
Bendito seja Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem.
Bendito seja o Nome de Jesus.
Bendito seja o seu Sacratíssimo Coração.
Bendito seja o seu preciosíssimo Sangue.
Bendito seja Jesus no Santíssimo Sacramento do altar.
Bendito seja o Espírito Santo Paráclito.
Bendita seja a grande Mãe de Deus, Maria Santíssima.
Bendita seja a sua Santa e Imaculada Conceição.
Bendita seja a sua gloriosa Assunção.
Bendito seja o Nome de Maria, Virgem e Mãe.
Bendito seja São José, seu castíssimo Esposo.
Bendito seja Deus, nos seus Anjos e nos seus Santos.

Oração pela Sta. Igreja, pelo Sto. Padre e pela Pátria:
Deus e Senhor Nosso, protegei a vossa Igreja, dai-lhe santos Pastores e dignos Ministros. Derramai as vossas bênçãos sobre o nosso Santo Padre, o Papa, sobre o nosso (Arce) Bispo, sobre o nosso pároco e sobre todo o clero; sobre o chefe da Nação e do Estado; sobre todas as pessoas constituídas em dignidade, para que governem com justiça. Dai ao povo brasileiro paz constante e prosperidade completa. Favorecei com os efeitos contínuos de vossa bondade o Brasil, este ( Arce)bispado, a paróquia em que habitamos, a cada um de nós, em particular, e a todas as pessoas por quem somos obrigados a orar, ou as que se recomendaram às nossas orações. Tende misericórdia das almas dos fiéis que padecem no Purgatório; dai-lhes, Senhor, o descanso e a luz eterna. Amém.
(Reza-se um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai, segundo as intenções do Santo Padre, o Papa).
(Encerra-se a Exposição do Santíssimo Sacramento com um Hino Eucarístico, pág.   ).

II. 5- EXERCÍCIO DA VIA-SACRA (às sextas-feiras).

( “Para que se tenha sempre presente a Paixão do Senhor, recomenda-se que às sextas-feiras seja feito, em comum, o piedoso exercício da Via-Sacra com textos apropriados aos tempos litúrgicos”- Código Complementar Geral, 6,d).

Oração preparatória:
Deus Pai, santo e diletíssimo, arrependo-me dos meus pecados, pois, com eles, desobedeci a vossa santíssima vontade, contrariando-vos, meu sumo e único Bem. Não quero mais pecar. Dai-me o vosso perdão e a vossa graça, por Jesus Cristo, vosso Filho e eterno Sacerdote. Amém.
  Divino Espírito Santo, comunicai-me os mesmos sentimentos e intenções que animavam o Coração Santíssimo de Jesus, durante a sua Sagrada Paixão e Morte, para que o exercício desta Via-Sacra seja de proveito para a minha alma e para a minha eterna salvação. Amém.
Nossa Senhora das Vitórias, vencedora do pecado, pelas vossas dores, alcançai-me a graça de amar e servir a Deus como Ele quer e merece, de tal modo que jamais eu torne a cair  em pecado. Amém.

I ESTAÇÃO

 

A morrer crucificado,
Teu Jesus é condenado,
Por teus crimes, pecador ( Bis).

Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos,
Porque pela vossa santa Cruz remistes o mundo.

Em grande aflição, Maria ouve a sentença de morte:   “Crucifica-o! Que o seu sangue caia sobre nós!”
Ó Mãe Santíssima das Vitórias, fazei que o Sangue de Jesus Cristo Sacerdote seja a minha salvação e a minha vitória contra o mundo, a carne e o demônio.
Ó Jesus Cristo Sacerdote, fazei que resplandeça a vossa Face sobre nós,
Permanecei conosco, Senhor!
Ave Maria...

II ESTAÇÃO

Sob a Cruz ei-lo, gemendo,
Vai sofrendo, vai sofrendo,
Vai morrer por teu amor! ( Bis).

 

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...

Sem proferir uma queixa, Maria vê correr o sangue do corpo ferido de seu Filho.
Ó Mãe Santíssima das Vitórias, alcançai-me a graça de vencer tudo o que se opõe a que leve eu a minha cruz, em união com Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote, para a santificação da minha alma.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

 

III ESTAÇÃO

Sob o peso constrangido,
Cai Jesus desfalecido,
Pela tua salvação (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque, pela vossa...

Maria vê seu divino Filho cair pela primeira vez, embebendo a terra com o seu precioso sangue.
Ó Mãe Santíssima das Vitórias, pelas dores que então sofrestes, alcançai-me do Divino Espírito Santo a graça de humilhar-me pelos meus pecados, reconhecer as minhas faltas e confessá-las sinceramente, e nunca mais cometê-las. Alcançai-me também a força necessária para vencer todas as minhas fraquezas.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

IV ESTAÇÃO

Da Mãe sua Imaculada,
Quando a encontra desolada,
Vê a imensa comoção! (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...

Maria encontra-se com seu Divino Filho no caminho do Calvário.
Ó Mãe Santíssima das Vitórias, pelo amor que ao vosso Filho dedicais, fazei que me acompanhe sempre, por toda a parte, a lembrança dos seus sofrimentos.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

V ESTAÇÃO

Um auxílio lhe é imposto,
Já sem força, em sangue o rosto,
Não recusa o Cireneu (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...

A Virgem Santíssima contempla, agradecida, o Cireneu ajudando seu divino Filho a
levar a Cruz.
Ó Mãe Santíssima das Vitórias, obtende-me a graça de ser um verdadeiro Cireneu de Jesus Cristo Sacerdote, como humilde colaborador dos Bispos e Sacerdotes, na Obra da Redenção.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

VI ESTAÇÃO

Eis a Face ensangüentada,
Por Verônica enxugada,
Que no pano apareceu (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...

O gesto caridoso de Verônica sensibiliza e conforta o Coração dolorido da Virgem-Mãe.
Maria, Mãe Santíssima, pelo conforto que experimentastes, quando Verônica enxugou o rosto de Jesus, alcançai-me a graça de uma tão grande união com o vosso divino Filho, que jamais desapareça da minha alma o esplendor de sua Face.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

VII ESTAÇÃO

Novamente desmaiando,
No caminho tropeçando,
Cai por terra o Salvador ( Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
A Virgem-Mãe contempla a segunda queda de Jesus a caminho do Calvário.
Ó Virgem, Mãe Santíssima das Vitórias, alcançai-me a convicção de que somente em Jesus Cristo Sacerdote, serei forte para vencer as minhas fraquezas, o mundo e o demônio.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

VIII ESTAÇÃO

Das matronas que choravam,
Que a gemer o acompanhavam,
Consolar busca ele a dor (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
No maior abandono e sofrimento, Jesus tem uma palavra de consolo para as piedosas mulheres que choravam de compaixão por suas dores.
Ó Virgem Santíssima das Vitórias, alcançai-me a graça de serem minhas preocupações e meus tormentos, as preocupações e os tormentos do vosso Filho, na pessoa dos seus ministros, Bispos e Sacerdotes.
Ó Jesus Cristo...
Permanecei...
Ave Maria...

IX ESTAÇÃO

Cai exausto vez terceira,
Sob a carga tão grosseira
Dos pecados e da Cruz (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
Maria vê seu Filho prostrado no pó, derramando abundante sangue, sem poder socorrê-lo.
Ó Virgem Santíssima das Vitórias, não permitais que eu, vosso filho pecador, seja vencido pelo pecado, calcando aos pés o Sangue redentor de Jesus Cristo Sacerdote.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...

X ESTAÇÃO

Já do algoz as mãos agrestes,
As sangrentas, pobres vestes,
Vão tirar do bom Jesus! (Bis).

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
A Virgem Santíssima contempla o desnudamento cruel com que os algozes despem brutalmente seu divino Filho.
Ó Virgem- Mãe Santíssima das Vitórias, alcançai-me a graça de vencer tudo o que impede de me desvestir dos meus defeitos e misérias, para que eu possa revestir-me de Jesus Cristo Sacerdote.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...

XI ESTAÇÃO

Sois por mim à Cruz pregado,
Duramente torturado,
Com cegueira e com furor! (Bis)

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
Com o Coração transpassado de dor, Maria vê brotar das mãos e pés de seu Filho o Sangue redentor.
Ó Virgem Santíssima das Vitórias, alcançai-me a graça de me crucificar para sempre com Cristo Sacerdote, na Cruz redentora da obediência filial à vontade de Deus, pela prática do meu voto de obediência; aos seus divinos Mandamentos, às determinações da sua Igreja e ao seguimento generoso dos conselhos evangélicos.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...

XII ESTAÇÃO

Por meus crimes padecestes,
Meu Jesus, por mim morrestes,
Quanta angústia e quanta dor! (Bis)

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
No auge da dor, mas sem desfalecer, a Virgem Dolorosa assiste à Morte do Salvador, merecendo para nós a graça da vitória sobre a morte do pecado.
Ó Virgem-Mãe Santíssima das Vitórias, alcançai-me a graça de vencer todas as dores e sofrimentos, sem me afastar da Cruz santificante do Redentor, da sua graça, do seu serviço e amor.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...

XIII  ESTAÇÃO

Já da Cruz vos despregaram,
E à Maria vos deixaram,
Que terrível aflição! (Bis)

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
Descido da Crus, o Corpo inanimado de Jesus repousa no colo da Rainha dos Mártires.
Ó Maria, Mãe das Dores, alcançai-me a graça do espírito de mortificação e amor de oblação a Jesus Cristo Sacerdote.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...

XIV ESTAÇÃO

No sepulcro vos puseram,
Mas os homens tudo esperam,
Pois os salvou vossa Paixão! (Bis)

Nós vos adoramos...
Porque pela vossa...
Com a alma transpassada de dor, mas a inteligência iluminada com a certeza da Ressurreição do seu divino Filho, a Virgem-Mãe Santíssima das Vitórias acompanha o Corpo de Jesus até o sepulcro.
Ó Virgem-Mãe Santíssima das Vitórias, pelos méritos da Paixão e Morte de Jesus, pelo vosso martírio e pela vossa fé na sua gloriosa Ressurreição, alcançai-me a graça de morrer definitivamente a tudo o que é pecado e viver sempre em crescente perfeição, até à plenitude da vida divina, em união com Cristo Sacerdote, para a glória do Pai, no amor do Espírito Santo.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...

XV ESTAÇÃO

Aleluia, Aleluia, Aleluia! (Bis) (Na Quaresma não se canta).

Nós vos adoramos...
Porque, por vossa santa Cruz, Morte e Ressurreição remistes o mundo!
Meu Senhor Jesus Cristo Sacerdote Eterno,
Contemplando vosso infinito amor por mim, manifestado na vossa sagrada Paixão e Morte, não poderei resistir ao vosso chamamento para renunciar a mim mesmo, tomar a minha cruz de cada dia e seguir-vos. Eis-me aqui, para caminhar convosco, na certeza e à luz da vossa Ressurreição e assim, meu Senhor Ressuscitado, não mais temerei a morte! Ó Virgem-Mãe Santíssima das Vitórias, primícias da Ressurreição do vosso Filho, alcançai-me a graça de viver no tempo, a caminho da feliz eternidade, unido a Jesus Cristo Sacerdote Ressuscitado! Alcançai, ó Virgem, para todos nós, da Trindade Santíssima, a graça da perseverança final nesta Congregação que vos pertence. Amém.
Ó Jesus Cristo Sacerdote...
Permanecei...
Ave Maria...
Reza-se um Pai-Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai, nas intenções do Santo Padre, o Papa, para lucrar as indulgências anexas a este exercício da Via Sacra.

Oração final:
Agradecemo-vos, Senhor Onipotente,
Por todos os benefícios recebidos da vossa misericórdia e humildemente pedimos que, à imitação de Maria, possamos conservar em nosso coração a verdade que regenera e santifica. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Enviai, Senhor, operários para a vossa Messe, pois a Messe é grande, mas poucos os operários! ( 3 vezes).

 

II. 6- EXERCÍCIO DA VIA-SACRA EM FORMA ABREVIADA

(que pode ser utilizada durante as viagens ou quando se estiver doente).

Refrão: Nós vos adoramos e bendizemos, ó Jesus Cristo Sacerdote,
              Porque pela vossa santa Cruz remistes o mundo.
              Nossa Senhora das Dores, rogai por nós.

I Estação: Ó meu Jesus, condenado à morte  por amor de mim, dai-me a graça de aceitar por amor a vós a morte que me concederdes. Refrão: Nós vos adoramos...

II Estação: Ó meu Jesus que, com respeito e amor, tomastes a nossa cruz, dai-me força para levar sempre convosco a cruz que me enviardes. Refrão: Nós vos adoramos...

III Estação: Ó meu Jesus, cuja misericórdia nos levanta quando caímos, perdoai-nos quando por fraqueza vos ofendermos. Refrão: Nós vos adoramos...

IV Estação: Ó meu Jesus, fazei que, em tempo algum, da vossa Mãe me separe. Que ela esteja a meu lado na hora da minha morte e apresente a minha alma a vós. Refrão: Nós...

V Estação: Ó meu Jesus, pela graça que fizestes a Simão Cireneu, permiti que eu leve com amor por vós, a cruz dos meus deveres de estado. Refrão: Nós vos adoramos...

VI Estação: Ó meu Jesus que, no véu de Verônica, deixastes impressas as vossas feições adoráveis, imprimi em todo o meu ser os traços de semelhança convosco. Refrão: Nós vos...

VII Estação: Ó meu Jesus, que caís de novo sob o peso sempre crescente  da nossa miséria, convertei e salvai os que vivem em pecado. Refrão: Nós vos  adoramos...

VIII Estação: Ó meu Jesus que, tão caridosamente, consolastes as mulheres que por vós choravam, auxiliai e perdoai a nossa pátria, as nossas famílias e protegei os nossos magistrados, não obstante os nossos pecados. Refrão: Nós vos adoramos...

IX Estação: Ó meu Jesus, pelas vossas dores desta terceira queda, tende piedade de todas as almas dos agonizantes de hoje. Refrão: Nós vos adoramos...

X Estação: Ó meu Jesus, despojado de vossas vestes no Calvário, fazei desaparecer as minhas faltas e fraquezas; revesti-me de vossas virtudes e de vossa glória eterna. Refrão: Nós...

XI Estação: Ó meu Jesus, que fostes cravado na Cruz com atrocíssimos tormentos, sede o meu alento na dor e a consolação da minha alma. Refrão: Nós vos adoramos...

XII Estação: Ó meu Jesus Crucificado, Salvador do mundo, sede a minha esperança e concedei-me a graça de morrer possuindo vossa presença e o vosso amor em meu coração. Refrão: Nós vos adoramos...

XIII Estação: Ó meu Jesus, descido da Cruz e depositado nos braços da vossa Mãe, dai-me a graça de viver e morrer por vós no seio de nossa Mãe, a Santa Igreja, da qual Maria é o Modelo perfeitíssimo; possa eu morrer perseverante em minha vocação oblaciana. Refrão: Nós vos adoramos...

XIV Estação: Ó meu Jesus, que repousastes no túmulo para de lá sair gloriosamente, fazei que a virtude da vossa Cruz e Ressurreição fortifique em minha vida, a graça do meu Batismo e de minha Vocação Oblaciana, a fim de que eu possa ressuscitar convosco para viver eternamente. Refrão: Nós vos adoramos...

( Um Pai Nosso, uma Ave Maria e um Glória ao Pai, nas intenções do Santo Padre, o Papa, para receber as indulgências anexas ao exercício da Via-Sacra).

Oração final: Ó meu Deus que, pelo precioso Sangue de vosso Unigênito Filho, quisestes santificar o estandarte da Cruz, concedei àqueles que se alegram com a honra da mesma santa Cruz, possam sentir sempre e em toda parte a sua proteção. Amém.

II.7 – VIA SACRA DA DIVINA MISERICÓRDIA:

 

Eterno Pai, eu vos ofereço a dolorosa Paixão de Jesus, em expiação dos nossos pecados e do mundo inteiro.
1)- Por sua condenação à morte, tende misericórdia de nós e do mundo  inteiro.
2)- Pela Cruz que lhe foi posta sobre os ombros, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
3)- Pela sua primeira queda, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
4)- Pelas lágrimas de sua Mãe, que veio ao seu encontro, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
5)- Pelo seu cansaço atroz, devido ao qual obrigaram um homem a ajuda-lo, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
6)- Pela compaixão da mulher que enxugou o seu rosto ensangüentado, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
7)- Pela sua segunda queda, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
8)- Pelas palavras dirigidas às mulheres que dele se compadeciam, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
9)- Pela sua terceira queda, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
10)- Pela dor que sentiu, quando o seu corpo foi despido, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
11)- Pela horrível perfuração dos pregos, que atravessaram suas mãos e os pés, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
12)- Pela água e o sangue emanados do seu Coração, como fonte de todos os bens, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
13)- Pela lembrança de todos os tormentos de sua Mãe quando o recebeu morto entre os braços, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
14)- Pela pedra que fechou o sepulcro, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.
15)- Pela sua gloriosa ressurreição e aparição aos seus discípulos, comunicando-lhes a paz, tende misericórdia de nós e do mundo inteiro.

Vós morrestes, Jesus, mas uma fonte de vida jorrou para as almas, e abriu-se um mar de Misericórdia para o mundo. Ó fonte de vida, inescrutável Misericórdia Divina, envolvei o mundo todo e derramai-vos sobre nós.
A pedra fechou o sepulcro, mas não para sempre. Renovemos diante dele a nossa fé na divindade de Cristo e na sua infinita Misericórdia. Ela nos fará ressuscitar espiritualmente dos nossos pecados, como também nos conduzirá à completa ressurreição de todo o nosso ser na vida eterna.
( Um Pai-Nosso, uma Ave-Maria e um Glória ao Pai, segundo as intenções do Santo Padre, o Papa).

 

 

III PARTE - ORAÇÕES PARA EVENTOS ESPECIAIS.

III. 1- PARA A ABERTURA DOS CAPÍTULOS GERAIS:

Veni Creator Spiritus,
Mentes tuorum visita,
Imple superna gratia
Quae tu creasti pectora.

Qui diceris Paraclitus,
Altissimi Donum Dei,
Fons vivus, ignis, caritas,
Et spiritalis uncti

Tu septiformis munere,
Digitus paternae dexterae,
Tu rite promissum Patris
Sermone ditans guttura.

Accende lumen sensibus,
Infunde amorem cordibus,
Infirma nostri corporis
Virtute firmans perpeti.

Hostem repellas longius,
Pacemque dones protinus;
Ductore sic te praevio
Vitemus omne noxium.

Per te sciamus da Patrem,
Noscamus atque Filium,
Teque utriusque Spiritum
Credamus omni tempore. Amen.

Emitte Spiritum tuum et creabuntur,
Et renovabis faciem terrae.

Oremus- Deus qui corda fidelium Sancti Spiritus illustratione docuisti + da nobis in eodem Spiritu recta sapere. * et de eius semper consolatione gaudere. Per Christum Dominum nostrum. Amen.

Ave Maria...
Cristo Sacerdote, fazei...
Permanecei...
Nossa Senhora das Vitórias, Medianeira de todas as graças,
Rogai por nós.
São José e demais Patronos de nossa Congregação,
Rogai...
Que as almas dos Sacerdotes...
Amém.
 

III. 2- EXERCÍCIO DA BOA MORTE (Para os Retiros Anuais):

Senhor, meu Criador e Redentor, eu aceito, em espírito de adoração, a sentença de morte que pronunciardes sobre mim.
Quero morrer como filho devoto da vossa Santa Igreja e passar à eternidade com as melhores disposições de fé, esperança e caridade e um verdadeiro arrependimento de meus pecados, porque, com eles, ofendi a vós, meu Deus e Sumo Bem.
Todas as circunstâncias, até as mais dolorosas e humilhantes, que hão de acompanhar a minha passagem para a eternidade: o horror do sepulcro e toda a separação, quero que sejam uma reparação dos meus pecados e um agradecimento pelas inúmeras graças que me concedestes em vida e um ato permanente de amor por vós.
Invoco, de coração, os três grandes modelos de boa morte, de quem espero a mais misericordiosa assistência: Jesus Crucificado, vosso Filho Unigênito, com quem desejo pronunciar então, as sublimes palavras: “Pai, em vossas mãos entrego o meu espírito”; invoco a Sempre Virgem Maria, Senhora das Vitórias, que rogue por mim agora e na hora de minha morte; invoco a São José, que me obtenha uma vida santa, para merecer uma morte semelhante à sua e invoco também os Santos Arcanjos, São Miguel, São Gabriel, São Rafael, São Francisco de Sales, São João Maria Vianney, Santa Teresinha do Menino Jesus, São José Moscati, o Patriarca São Bento e demais Patronos de minha Família Religiosa.
Jesus Agonizante, Maria, Mãe Dolorosa, São José, Patrono da boa morte, humildemente vos peço estas graças: que eu não seja surpreendido por morte repentina, sem uma devida preparação para o encontro definitivo com Deus, mas possa receber com lucidez os santos sacramentos da confissão, comunhão e unção dos enfermos, bem como a indulgência plenária “in articulo mortis”.
Que eu corresponda plenamente, em toda a minha vida, aos desígnios que Deus Nosso Senhor tem sobre mim, desde quando me criou.
Que eu use bem todos os meus talentos naturais e sobrenaturais e as graças extraordinárias, a fim de que a minha vida dê o máximo fruto de glória para Deus, Nosso Senhor, de merecimentos para mim e de paz para as almas, como Oblato de Cristo Sacerdote.
Recompensai, Senhor, com a vossa misericórdia, a quantos em vida me fizeram algum bem; aceitai a oferta de minha vida pelos Sacerdotes Diocesanos e Bispos, e bem assim, em favor daqueles a quem dei mau exemplo ou que me ofenderam; aplicai-me os méritos da Paixão e Morte de vosso Filho, Cristo Sacerdote, da Virgem-Mãe das Vitórias, de São José e de todos os Santos. Amém.

 

 

 

IV-  PARTE- NOVENAS E TRÍDUOS TRADICIONAIS DA CONGREGAÇÃO.

(Estas Novenas ou Tríduos podem ser rezados na íntegra em para-liturgias ou adaptados às circunstâncias de nossas Paróquias ou Comunidades).

IV. 1- TRÍDUO EM DESAGRAVO À SAGRADA FACE NOS DIAS DE CARNAVAL.

 

1)- Canto de Entrada:
Olhai a Face de Cristo Jesus;/ dela recebereis abundante paz/ e as vossas almas se encherão de luz!
Vede como desfigurada está/ a Face que tanto nos amou!/ Por nossos crimes ela assim ficou!
Senhor, imprimi em nós a vossa Face/ e permanecei conosco, ó Senhor,/ para que vivamos em vosso amor! ( Letra do nosso Fundador, Pe. Januário Baleeiro, OCS).

Deus, vinde em nosso auxílio,
Senhor, socorrei-nos e salvai-nos. Glória ao Pai...

Salmo 26
Refr.: Senhor, eu procuro a vossa Face!
1)- Só uma coisa peço ao Senhor,/ esta ardentemente a solicito,/ morar na casa de Deus/ todos os dias da minha vida!
2)- Para fluir as delícias do Senhor,/ e contemplar o seu templo,/ ele me esconderá em seu tabernáculo,/ nos dias da adversidade.
3)- A vós fala o meu coração,/ a vós procura a minha face;/ a vossa a procuro, Senhor,/ não me escondais a vossa Face,/ nem rejeiteis o vosso servo!
4)- Sois o meu apoio, não me rejeiteis,/ nem me desampareis, Deus, meu Salvador!/ Se me abandonarem meu pai e minha mãe,/ acolher-me-á o Senhor!

Leitura Bíblica:

    1. dia: Is 52, 13-15.
    2. dia: Is 53, 1- 7.
    3. dia: Jo 19, 1-7.

Homilia.
Magnificat:
Refr: Meditai sobre o Senhor e sobre o seu poder* procurai sempre a sua Face!
1)- A Minh’alma glorifica o Senhor* exulta o meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Pôs os olhos na humildade de sua serva* doravante, toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Senhor fez em mim maravilhas,* santo é seu Nome.
4)- Seu amor para sempre se estende* sobre aqueles que o temem.
5)- Demonstrando o poder de seu braço* dispersa os soberbos.
6)- Abate os poderosos de seus tronos* e eleva os humildes.
7)- Sacia de bens os famintos* despede os ricos sem nada.
8)- Acolhe Israel, seu servidor* fiel a seu amor.
9)- e à promessa que fez a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.
10)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* agora e sempre, amém.

Oração final:
Oremos- Senhor Jesus Cristo, cuja Face santíssima a Paixão escondeu e agora refulge como sol em seu poder: fazei que, participando dos vossos sofrimentos na terra, possamos alegrar-nos no céu contemplando a vossa glória. Vós que viveis e reinais com o Pai, na unidade do Espírito Santo.
Amém.

Canto final:
Ó Face salvadora, de um Deus que é amor,/ da alma sofredora, sois o consolador! Ó Face iluminada, outrora de fulgor,/ por nós desfigurada, prova de eterno amor! (Letra do Pe. Adilerson José do Carmo, OCS).

IV. 2- NOVENA SOLENE EM HONRA DA SAGRADA FACE

(para a Festa de 25 de março).

Esquema celebrativo para todos os dias:

 

ANIMADOR:

O Rosto luminoso de Deus sempre foi procurado pelos homens e mulheres de todos os tempos. Moisés, quando se encontrava com o Senhor no monte Sinai, ou na Tenda da Reunião, ao sair, tinha a face resplandecente. Ninguém pode permanecer indiferente à luz da bondade, do amor, da misericórdia que jorra desta Face adorável. Uma Boa-Noite a todos que hoje se reúnem para .... dia da Novena em honra da Sagrada Face.
Fiquemos todos em pé e recebamos o Presidente desta celebração, e os seus auxiliares, com o Cântico de Entrada.

Cântico de Entrada- Estribilho: Ó Face do Redentor, a vós todo o nosso amor! (Bis).
Ó Face adorável, refúgio do pecador, asilo inefável, conforto em nossa dor!
Em vós encontraremos, a graça e o perdão; no céu louvar-vos-emos, ó fonte de salvação.
Jesus, nós vos pedimos, por vossa morte atroz, que a luz de vossa Face, resplenda sobre nós!
Saudação:
Pres.: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
T.: Amém.
Pres.: Irmãos e irmãs, unidos pela Santíssima Trindade, eu vos saúdo no amor do Pai, na graça do Filho, na comunhão do Espírito Santo, e na ternura de Maria, a filha amada do Pai.
T.: Bendita seja a Santíssima Trindade, que nos reúne na casa do Pai.
Entrada do Quadro da Sagrada Face.
Anim.:- O mesmo Moisés pede a Deus: “Rogo-te que me mostres a tua glória”. Ele replicou: “Farei passar diante de ti toda a minha beleza, e diante de ti pronunciarei o nome de Iahweh”.... E acrescentou: “Não poderás ver a minha Face, porque o homem não pode ver-me e continuar vivendo”. No entanto, este mesmo Deus se fez ver por nós, na humilde Face do Seu Filho Santíssimo, esplendor da glória do Pai.
Neste instante, vamos receber o quadro da Sagrada Face, aqui em sua igreja. Ela nos reúne no amor da Trindade Santa. Como a brisa leve nos toca suavemente em cada manhã, assim somos todos tocados pela presença do amor de Deus, que se revela na Face de Seu Filho, Cristo Sacerdote. Acolhamos com muita alegria esta Face Bendita!

Cântico:
Ó Face Salvadora, de um Deus que é amor,/ da alma pecadora, sois o consolador!
Refr.: Ó Face iluminada, brilhante , do Tabor, por nós desfigurada, prova de eterno amor.
Horrendas crueldades, puderam vos fazer! Voltai-nos a vossa Face, ó Deus de eterno amor!
Refr.: Ó Face iluminada...

Ladainha da Sagrada Face:
Anim.: Jesus é o esplendor da Face do Pai. Ele disse a Filipe: - “Quem me vê, vê o Pai”. A Face de Jesus nos faz “imagem e semelhança de Deus”. Este é o objetivo de nossa vida ( cada um de nós ser a imagem do Pai), isto é, santidade real, concreta, santidade de pés no chão e coração no céu, porque os nossos olhos estão continuamente voltados para a Face de Jesus. Reconhecendo o amor de Deus por todos e por cada um de nós, rezemos confiantes à Sagrada Face:

Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, ouvi-nos,
Cristo, atendei-nos,
Deus Pai do céu, tende piedade de nós.
Deus Filho, Redentor do mundo,
Deus Espírito Santo,
Santíssima Trindade, que sois um só Deus,
Sagrada Face do Filho do Deus vivo,
Sagrada Face, Espelho da Majestade Divina,
Sagrada Face do nosso Salvador,
Sagrada Face, inundada de suor e de sangue,
Sagrada Face, humilhada pelo beijo do traidor,
Sagrada Face, barbaramente contundida por bofetões,
Sagrada Face, cumulada de ignomínias e insultos,
Sagrada Face, coberta dum véu e cinicamente ludibriada,
Sagrada Face, atormentada por febre e sede,
Sagrada Face, no julgamento, perante a multidão amotinada,
Sagrada Face, banhada de lágrimas de dor,
Sagrada Face, impressa na toalha de Verônica,
Sagrada Face, coberta de blasfêmias horrendas,
Sagrada Face, ao morrer na Cruz, inclinada para nós,
Sagrada Face, desfigurada por feridas e golpes,
Sagrada Face, revelada milagrosamente pelo Santo Sudário,
Sagrada Face, glorificada pela ressurreição,
Sagrada Face, alegria de todos os santos,
Sagrada Face, por cuja veneração, alcançamos auxílio nas angústias,
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo, mostrai-nos a vossa Sagrada Face, volvei a nós a vossa Sagrada Face, a fim de sermos salvos. Amém.

Pres.: Oremos: Ó amorosíssimo Jesus! Não somente vossa Palavra, mas também a expressão de vossa Face abrasada em amor, nos revela, no cenáculo, a veemência com que o vosso Coração desejava a hora de dar-nos a Eucaristia. Inflamai meu coração de amor por este sacramento adorável, visitando-o e recebendo-o freqüentemente com a pureza dos anjos.
T.: Amém.
 
Entronização da Palavra de Deus.
Anim.:- Pela Palavra, Deus fez os céus e a terra. Cremos que tudo o que existe é obra das mãos de Deus. Nada procede do mal. Por isso, Deus viu que tudo era muito bom. Sua Palavra eterna de amor, Jesus Cristo, pelo qual tudo criara, veio estabelecer a sua morada no meio de nós. Vamos agora receber o Livro sagrado da Palavra de Deus, que nos dá vida e nos ilumina.

Cântico de Aclamação.
Mensagem (Jo 18, 3-8).

Meditação.
Oração da Comunidade:
Jesus Cristo, nosso Irmão, nosso melhor Amigo, o Amigo que não decepciona, o Amigo que não trai, o Amigo que não se esquece de nós um só momento, estamos diante de vós, para reparar nossa ingratidão, nossa negligência, nossa falta de amor para com a vossa presença na Eucaristia. Por isso, vos pedimos:
T.: Ajudai-nos, Senhor!
Para que possamos vencer o nosso amor próprio, o nosso egoísmo,
T.: Ajudai-nos...
Para levar a vossa Face a todas as almas, mesmo se muitos zombam de nós, nos injuriam; para que não nos deixemos vencer pelo desânimo,
T.: Ajudai-nos...
Para que não nos envergonhemos de nossa religião,
T.: Ajudai-nos...
Pres.: Senhor, nossos pedidos foram feitos. Expressamos aquilo que sentimos e que está em nosso coração. Atendei-nos, se o que pedimos leva à realização de vossa vontade. Vós, que sois Deus com o Pai, na unidade do Espírito Santo.
T.: Amém.

Ofertas do povo. (Cântico).
Rito da Comunhão:
Animador: Agora, preparemo-nos para receber o próprio Cristo na Eucaristia. Vivendo esta união vital com Jesus, estaremos também em profunda comunhão com Maria Santíssima e com todos os nossos irmãos na fé. Por isso, rezemos:
T.: Pai Nosso...
Oração da Paz e Comunhão.

Bênção do Santíssimo Sacramento:
Anim.: Toda a natureza é uma bênção de Deus.
T.: E Jesus é a bênção maior de Deus para todos nós.
Anim.: Nesta bênção que agora nos será dada, peçamos que ele abençoe as nossas vidas de filhos e filhos de Deus.
T.: Para que assim, amemo-nos uns aos outros, amemos a nossa terra e preservemos a vida.
Anim.: Cantemos, preparando-nos para receber a bênção de Jesus.
Cântico de exposição- Tão sublime Sacramento...

Pres.: Do céu lhes destes o Pão,
T.: Que contém todo o sabor.
Pres.: Oremos: Senhor Jesus Cristo, que neste admirável Sacramento nos deixastes o memorial de vossa Paixão, dai-nos venerar com tão grande amor o mistério do vosso Corpo e do vosso Sangue, que possamos colher continuamente os frutos da Redenção. Vós, que sois Deus, com o Pai, na unidade do Espírito Santo.
T.: Amém.

Consagração à Sagrada Face.
Anim.: Queremos, neste momento, consagrar as nossas vidas à Sagrada Face de Jesus.
Pres.: Ó meu Bom Jesus, que quereis salvar o mundo de hoje com aquele infinito amor com que foi criado e redimido, incluí-me também no número daqueles que querem trabalhar pelo triunfo de vosso Reino de amor na terra.
Recebei para este fim, a total entrega de todo o meu ser. Disponde de mim. Quero difundir a Imagem de vossa divina Face, para que, em todas as almas, a vossa Imagem se renove. Jesus, operai milagres de conversão; chamai apóstolos, que se encarreguem desta missão. Em vosso amor misericordioso e onipotente, convertei as nações, afastai os males do ateísmo prático e renovai a terra com a força e luz do vosso divino Espírito Santo, e que todos nós, redimidos pelo vosso Sangue e unidos filialmente à Sempre-Virgem Maria no seu “Sim” permanente à vontade de Deus, caminhemos na tranqüilidade da ordem e na fidelidade do amor e da paz neste mundo, rumo à vida eterna. Amém.

Oração Final:
Pres.: Deus todo poderoso, nós vos suplicamos que, venerando a Face Santíssima de vosso Filho, desfigurada na Paixão por causa dos nossos pecados, mereçamos contempla-la eternamente no resplendor da glória celeste. Pelo mesmo Jesus Cristo, Nosso Senhor.
T.: Amém.

Cântico Final:
A minh’alma tem sede de Deus,/ pelo Deus vivo anseia com ardor;/ quando irei ao encontro de Deus/ e verei tua Face, Senhor?
1)- A ovelha sedenta procura o riacho,/ a minh’alma suspira por Deus, onde o acho?
2)- Pelas águas que correm, suspira a ovelha,/ pelas fontes de Deus a minh’alma anseia.

PARTES PRÓPRIAS DE CADA DIA DA NOVENA>

 

Para o Segundo Dia:
ORAÇÃO (Após a Ladainha da Sagrada Face)-
Ó Vítima Divina, meu doce Jesus! Vossa Face adorável, banhada em suor de sangue no Getsêmani, me descobre a grandeza de vossas dores e a gravidade dos meus pecados; dai, a mim e a todos os pecadores, um sincero arrependimento, com firmíssimo propósito de nunca mais pecar.

Leitura do dia: Lc 9, 28-36.

Oração da Comunidade:
1)- A natureza criada por Deus é dom, porque dela tiramos tudo o que é necessário para a nossa vida. Para que tomemos consciência de que, cuidando da natureza, estamos cuidando daquilo que Deus fez e, portanto, o estamos amando e amando os seres humanos, neles vendo a Sua Face, rezemos.
T.:- Ajuda-nos, Senhor!
2)- Violentar a natureza é violentar e tentar o próprio Deus. Permitir a proliferação das armas e das injustiças, é violentar o homem e a mulher. Para que tomemos consciência cristã da dignidade da criação, tanto da natureza, como dos nossos irmãos, rezemos...
3)- O lucro econômico, tantas vezes se sobrepõe à dignidade das pessoas, depreda a natureza e diminui a qualidade da vida humana. Para que haja uma política que favoreça o social e a dignidade da vida, rezemos.

Para o Terceiro Dia:
Oração-
Ó meu amabilíssimo Jesus, vossa Face augusta e serena, teve uma expressão de dor imensa ao receber o beijo do traidor. Dai-me a graça, eu vos suplico, de participar da vossa íntima aflição pelos sacrilégios que cometem os que vos recebem em pecado mortal no Sacramento do amor, desagravando assim, a traição de Judas.

Leitura do dia: Zac 12, 10-14; 13, 6-7.

Oração da Comunidade.
1)- Pela Igreja de Cristo, para que seja sempre sinal concreto de unidade e de renovação, num mundo em constante desequilíbrio e guerras, com ameaças à vida e à dignidade das pessoas, rezemos,
T.: Ajuda-nos, Senhor!
2)- Pelas nações em conflitos sociais, raciais e culturais; pelos povos que sofrem opressão política e econômica dos países desenvolvidos, para que não se cansem e cultivem os valores fundamentais do ser humano, lutando para oferecer condições de vida para todos, rezemos.
3)- Pelos governantes, políticos e empresários que têm em suas mãos o poder de decisão, para que considerem em primeiro lugar o ser humano em seus direitos fundamentais e necessidades vitais, rezemos.

Para o Quarto Dia.
Oração:
Ó meu dulcíssimo Jesus, vossa Face de infinita bondade é objeto do mais vil insulto inferido pela cruel mão de um servo, em casa de Anaz. Assim vos tratam, meu doce Salvador, porque aborrecem vossas palavras de justiça e de caridade sem limites. Não permitais que eu jamais tome vingança dos meus inimigos, mas que os perdoe sempre e de todo o coração.

Leitura do dia: Lc 22, 54-65.

Oração da Comunidade:
1)- A docilidade do barro permite ao oleiro moldá-lo. Para que o Senhor nos molde conforme sua santa vontade e nos faça viver na dignidade em que nos criou, rezemos...
2)- A história da Bíblia é a história dos pobres que se abrem à ação de Deus. Para que a sociedade não se organize em torno do mal e da injustiça e os cristãos sejam solidários com a causa tão justa do respeito à dignidade dos povos, rezemos...
3)- A vida é dom de Deus que vem de modo simples, como uma flor que, sem nenhuma pretensão, nasce no meio do jardim e o embeleza. Para que esse dom de Deus, presente em nós, seja cuidado com carinho e ternura, como o jardineiro cuida da flor, rezemos...

Para o Quinto Dia:
Oração:
Ó meu pacientíssimo Jesus, na noite tenebrosa da vossa Paixão, vossa Face Sacrossanta tornou-se semelhante  a de um leproso! Desprezos, escarros, bofetadas e injúrias sem número, desfiguraram vosso formoso semblante! Perdoai, Senhor, o vosso povo ingrato que, com blasfêmias, sensualidade e crimes de toda a espécie, renovam tão horrível afronta à vossa Face augusta e veneranda!

Leitura do dia: 1 Cor 13, 1-13.

Oração da Comunidade:
1)- Do rosto dos menores de rua e das crianças abandonadas,
T.: Lembrai-vos, Senhor! Lembrai-nos, Senhor!
2)- Do rosto dos desfigurados pela fome,
3)- Do rosto das prostitutas e dos prostitutos,
4)- Do rosto dos drogados e dos alcoólatras,
5)- Do rosto dos aterrorizados pela violência,
6)- Do rosto dos idosos sem esperança,
7)- Do rosto dos negros e dos  índios, desfigurados pela discriminação,

Para o Sexto Dia:
Oração:
Soberano Rei e Salvador, a majestosa dignidade de vossa Face, vilipendiada e coroada de espinhos, proclamou solenemente vossa realeza sobre as nações,  confirmada pela profética voz de Pilatos diante do povo judeu, ao dizer: “Eis o vosso Rei!” Concedei-me, ó Rei da glória, um ardoroso zelo para propagar o vosso Reino, ainda que seja à custa de minha vida.
Leitura do dia: Jo 14, 15-21.

Oração da Comunidade:
1)- Para que os políticos tenham em vista o bem comum, governem  em favor de todos, principalmente dos mais desprovidos em suas necessidades, rezemos...
2)- Pelos educadores, em sua missão de formar os cidadãos, para que promovam a dignidade humana e sejam por sua vez considerados em seus trabalhos, rezemos...
3)- Para que todos os organismos da sociedade que trabalham na promoção da pessoa humana, sejam sinais vivos de amor e de fraternidade, rezemos...
4)- Pela Igreja e por todos os seus membros, para que sejam sempre testemunhas autênticas da vida vivida e ensinada por Jesus, rezemos...

Para o Sétimo Dia:
Oração:
Ó meu querido e generosíssimo Jesus, vossa Face de Deus-Homem se iluminou subitamente, com os esplendores de um santo gozo, ao estreitar em vossos braços a suspirada Cruz. Dai-me coragem para tomar minha cruz e seguir-vos com ânimo constante e generoso até o fim de minha vida.
 
Leitura do Dia: Heb 10, 19-23; 12, 1.

Oração da Comunidade:
1)- Pelos jovens, vítimas das dependências químicas, para que possam perceber nos adultos um testemunho solidário de vida cristã e assim, não hesitem em buscar um novo caminho para suas vidas, rezemos...
2)- Para que os homens renunciem definitivamente as soluções pela violência e pelas guerras e construam a justiça e a paz no seio da família, das classes sociais e entre as nações, rezemos...
 3)- Para que a Igreja cresça cada vez mais em seu propósito de trabalhar a favor dos que estão em dificuldade, buscando sempre uma sintonia autêntica com os excluídos: índios, negros, aidéticos, deficientes físicos, idosos, rezemos.

Para o Oitavo Dia:
Oração:
Ó meu terníssimo Jesus, qual não dever ter sido a expressão de doçura de vossa Face, quando Verônica se aproximou de vós, para enxugá-la! Com que amorosa gratidão a contemplastes e qual não foi o seu assombro ao achar impressa em seu véu a vossa Face desfigurada, mas cheia de amor! Fazei que eu contemple, meu amado Redentor, a vossa Paixão, com tanto amor e ternura, que os traços da vossa Face fiquem gravados em meu coração.

Leitura do Dia: 2 Cor 3, 7-18.

Oração da Comunidade:
1)- Por toda a Igreja de Cristo, para que seja um sinal vivo e testemunho do amor, da partilha e do ardor missionário, em favor daqueles que sofrem com as injustiças e explorações em nosso mundo, rezemos...
2)- Por todos aqueles que trabalham ardorosamente com os menos favorecidos em nossa sociedade, para que tenham de Deus a força e a coragem da defesa da vida, rezemos...
3)- Por todos aqueles que, diante de tantas circunstâncias deste mundo, perderam o sentido e o gosto de viver, para que a caridade cristã lhes devolva a alegria de amar a vida como dom de Deus, rezemos...
4)- Pelas crianças abandonadas, pelos injustiçados, pelas minorias oprimidas em nosso mundo, por aqueles que são explorados sem menos se darem conta disso, rezemos...

Para o Nono Dia:
Oração:
Ó meu santíssimo e amado Jesus, vossa Face de reparador divino, coberta pelas sombras da morte, aplacou a justiça do eterno Pai, e vossas últimas palavras foram penhor seguro de eterna felicidade. Que minha vida e minha morte sejam uma contínua reparação unida à vossa e à de vossa Mãe Santíssima, a quem invocarei sempre com o nome de Mãe.

Leitura do Dia: Num 6, 13-24.

Oração da Comunidade:
1)- Para que, na força da Eucaristia, a vossa Igreja seja uma presença contínua do Reino de Deus no meio de todos os povos, respeitando e defendendo a cultura legítima de cada povo e de cada raça, rezemos...
2)- Para que, na força da Eucaristia, cada pessoa tenha sempre em conta o respeito para com a vida do outro e assuma a missão de construir unidade, sendo solidária, principalmente para com os pobres e abandonados, rezemos...
3)- Para que, na força da Eucaristia, nossas comunidades cristãs sejam sinal e fermento de uma vida nova, feita de fraternidade,  sem disputas pelo poder ou dominação, e em todos os ambientes da sociedade, sejam provocadoras de encontro e de participação, rezemos...
4)- Para que todos nós, que estamos celebrando a presença do amor e da Trindade Santa, junto com todos aqueles que estarão aqui amanhã, para celebrar a Festa da Sagrada Face, sejamos tomados em todo o nosso ser pela presença amorosa de Deus, rezemos...

 

 

 

 

 

IV. 3- TRÍDUO EM PREPARAÇÃO À FESTA DE SÃO JOSÉ

(dias 16, 17 e 18 de março).

Canto de Entrada:
Vinde, alegres, cantemos, a Deus demos louvor, a um Pai exaltemos, sempre com mais fervor:
Refr.: São José, a vós nosso amor, sede o nosso bom protetor, aumentai o nosso fervor!

Pres.: Deus, vinde em nosso auxílio,
T.: Senhor, socorrei-nos e salvai-nos. Glória ao Pai...

Salmo 1:
Refr.: O Justo florescerá como a palmeira,/ plantada na Casa do Senhor!
1)- Feliz é todo aquele que não anda/ conforme os conselhos dos perversos.
2)- Que não entra no caminho dos malvados,/ nem junto aos zombadores vai sentar-se.
3)- Mas encontra seu prazer na lei de Deus/ e a medita, dia e noite, sem cessar.
4)- Eis que ele é semelhante a uma árvore/ que à beira da torrente é plantada.
5)- Ela sempre dá seus frutos a seu tempo+ e jamais as suas folhas vão murchar/ eis que tudo o que ele faz vai prosperar.

Leitura Bíblica:
Primeiro dia: Mt 1, 1-17.
Segundo dia: Mt 1, 18-25.
Terceiro dia: Mt 2, 12-23.

Homilia.
Magnificat:
Refr.: Fez dele o senhor de sua casa* e de seus bens o despenseiro!
1)- A minh’alma glorifica o Senhor* exulta meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Pôs os olhos na humildade de sua Serva* doravante toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Senhor fez em mim maravilhas* Santo é Seu Nome.
4)- Seu amor para sempre se estende* sobre aqueles que o temem.
5)- Demonstrando o poder de seu braço* dispersa os soberbos.
6)- Abate os poderosos de seus tronos* e eleva os humildes.
7)- Sacia de bens os famintos* despede os ricos sem nada.
8)- Acolhe Israel, seu servidor* fiel ao seu amor.
9)- E à promessa que fez a nossos pais* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.
10)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito* desde agora e para sempre, pelos séculos, amém.
Refr.: Fez dele o senhor de sua casa* e de seus bens o despenseiro!

O Justo como o lírio florescerá.
E florirá ante o Senhor eternamente.

Oração final-
Oremos- Deus Todo Poderoso, pelas preces de São José, a quem confiastes as primícias da Igreja, concedei que ela possa levar à plenitude os mistérios da salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

 

 

 

 

IV. 4- NOVENA DE PREPARAÇÃO PARA A SOLENIDADE DE PENTECOSTES.

 

Canto de Entrada:
Refr.: Quando tu, Senhor, teu Espírito envias, todo o orbe renasce, é grande a alegria!
1)- Ó minh’alma, bendize ao Senhor,* ó Deus grande em poder e amor.
2)- O esplendor de tua glória reluz, * e o céu é teu manto de luz.
3)- Firme e sólida a terra fundaste,* com o azul do oceano a enfeitaste.
4)- E rebentam tuas fontes nos vales,* correm as águas e cantam as aves.
5)- Lá do alto tu regas os campos,* cresce a relva e os viventes se fartam.
6)- De tuas obras a terra encheste,* todas belas e sábias fizeste.

Deus, vinde em meu auxílio,
Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.
Glória ao Pai... Aleluia.

 Canto:
Refr.: Vem, Espírito de amor,* para nos iluminar!
1)- Vem, ó Criador Espírito,/ as nossas almas visita/ e aos corações que criaste,/ enche de graça infinita..
2)- Tu, Paráclito, és chamado/ “Dom do Pai celestial,/ Fogo, Caridade, Fonte Viva/ e Unção Espiritual”.
3)- Nossa razão esclarece,/ teu amor no peito acende;/ a tua graça que nos enriquece/ com tua força defende.

Leitura Bíblica:
Primeiro dia: Sab 7, 22-25.
Segundo  dia: Is 11, 1-4.
Terceiro  dia:  Ez 36, 25- 29.
Quarto     dia:  Lc 4, 1.
Quinto      dia:  Jo 1,33.
Sexto         dia:  Jo 14,16.
Sétimo       dia:  At 1,8.
Oitavo        dia: Rm 5,5.
Nono          dia:  1 Cor 12,1.

Homilia.
Magnificat:
Refr.: Quando vier o Espírito Paráclito,* vai ensinar-vos a verdade.
1)- A minh’alma glorifica o Senhor,* exulta o meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Pôs os olhos na humildade de sua serva* agora toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Poderoso fez em mim maravilhas,* Santo é o seu Nome.
4)- Seu amor para sempre se estende* sobre aqueles que o temem.
5)- Manifestou o poder de seu braço,* dispersando os soberbos.
6)- Abateu os poderosos de seus tronos* e elevou os humildes.
7)- Saciou de bens os famintos* e aos ricos deixou de mãos vazias.
8)- Acolheu Israel, seu servidor,* fiel ao seu amor
9)- E à promessa que fez a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.
10)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* desde agora e para sempre e nos séculos. Amém.

Oração Final:
Oremos: Ó Deus, que esclarecestes os corações dos vossos fiéis com a luz do Espírito Santo, fazei que apreciemos retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito e gozemos sempre das suas consolações. Por Cristo, Nosso Senhor.
Amém.
Canto Final:
A nós descei, Divina Luz, a nós descei, Divina Luz,
Em nossas almas acendei/ o amor, o amor de Jesus! O amor, o amor de Jesus!

 

 

 

IV. 5- ESQUEMA CELEBRATIVO, QUANDO A NOVENA EM HONRA DO DIVINO ESPÍRITO SANTO VEM ACOPLADA ÀS VÉSPERAS.

 

Cântico de Entrada:
Refr.: Envia teu Espírito, Senhor,* e renova a face da terra! (Bis).
1)- Bendize, minha alma, ao Senhor,* Senhor, meu Deus, como és tão grande.
2)- Como são numerosas as tuas obras, Senhor,* a terra está cheia das tuas criaturas.
3)- Quando ocultas tua Face, elas se perturbam.* Quando lhes tiras sua vida, voltam ao seu nada.
4)- Seja ao Senhor eterna glória,* alegre-se ele em suas obras.
5)- Que o meu canto ao Senhor seja agradável;* é nele que está minha alegria.
( Salmos da Liturgia das Horas).

Palavra de Deus:
Primeiro dia: Ex 19, 16-19.
Segundo dia: Jo 14, 24-26.
Terceiro dia: Jo 16, 12-15.
Quarto dia: Mc 16, 15-18.
Quinto dia: Lc 4, 17-19.
Sexto dia: 1 Cor 12, 13-14.
Sétimo dia: 1 Cor 12, 1-6.
Oitavo dia: At 19, 1-7.
Nono dia: At 2, 1-4.

Responsório Breve:
Ficaram cheios todos eles do Espírito de Deus. * Aleluia, Aleluia.
R. Ficaram cheios...
Começaram a falar em línguas diferentes,
R. Aleluia, Aleluia.
Glória ao Pai...
R. Ficaram cheios...

Cântico Evangélico:
Ant.: Vinde, Espírito de Deus, e enchei os corações dos fiéis com vossos dons.
Magnificat:
Minha alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz/ olhou para mim com tanto amor/ que me escolheu, me elegeu e me quis. E de hoje em diante eu já posso prever/ todos os povos vão me bendizer/ o Poderoso lembrou-se de mim/ Santo é seu nome sem fim.

O povo dá glórias ao Senhor, seu coração bate alegre e feliz/ Maria carrega o Salvador/  porque Deus Pai sempre cumpre o que diz. E quando os povos aceitam a lei/ passa de pai para filho o seu dom/ das gerações ele é mais do que Rei/ ele é Deus Pai, ele é Bom.

Minha alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz/ olhou para mim com tanto amor/ que me escolheu, me elegeu e me quis. O orgulhoso ele sabe dobrar, o poderoso ele sabe enfrentar, o pobrezinho ele defenderá, não nos abandonará.

O povo dá glórias ao Senhor/ seu coração bate alegre e feliz/ Maria carrega o Salvador/ porque Deus Pai sempre cumpre o que diz. Quem tem demais, qualquer dia vai ver/ o que é ter fome e não ter pra comer, quem passa fome, comida terá/ eis que a justiça virá.

Minha alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz. Meu povo já sente o seu amor/ Ele promete, ele cumpre o que diz. Aos nossos pais ele um dia jurou, ele é fiel e jamais enganou/ estamos perto da era do amor. Bendito seja o Senhor.

( Preces da Liturgia das Horas).

Oração Final:
Deus Eterno e Todo Poderoso, quisestes que o Mistério Pascal se completasse durante cinqüenta dias até a vinda do Espírito Santo, fazei que todas as nações da terra, na diversidade de suas línguas, se unam no louvor do vosso Nome. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

 

IV. 6- NOVENA EM PREPARAÇÃO À FESTA DE CRISTO SACERDOTE.

Canto de entrada:
Reunidos em torno de nossos Pastores,/ Nós iremos a ti!
Armados com a força que vem do Senhor,/ Nós iremos a ti!
Professando todos uma só fé,/ Nós iremos a ti!
Sob o impulso do Espírito Santo,/ Nós iremos a ti!
Refrão: Igreja Santa, Templo do Senhor! Glória a ti, Igreja Santa, ó Cidade dos cristãos! Que teus filhos, hoje e sempre, vivam todos como irmãos!
Com aqueles que abraçam o sacerdócio,/ nós iremos a ti!
Com os nossos irmãos consagrados,/ nós iremos a ti!
Com os padres que sobem ao altar,/ nós iremos a ti!
Com os padres que partem em missão,/ nós iremos a ti!
Refrão: Igreja Santa...
Vinde, ó Deus, em meu auxílio,
Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.
Glória ao Pai... Aleluia!

Salmo ( paráfrase ao Sl 109).
Refr.: Tu és Sacerdote para sempre!

1)- Disse o Senhor ao meu Senhor: / Assenta-te a minha direita, / Até que ponha os teus inimigos/ Como escabelo de teus pés.
2)- De Sião estenderá o Senhor? O cetro do teu poder; / Domina sobre teus inimigos,/ Contigo a soberania.
3)- No dia do teu nascimento,/ Nos esplendores da santidade,/ Como orvalho, antes da aurora,/ Na realeza eu te gerei.
4)- Jurou o Senhor / E não se arrependerá: / Tu és Sacerdote para sempre,/ Segundo a Ordem de Melquisedec.

Leitura Bíblica:

    • dia: Gn 22.
    • dia: Gn 14, 17-20.
    • dia: Gn 18, 22-33.
    • dia: Hb 4, 14-16.
    • dia: Hb 5, 1-10.
    • dia: Hb 7, 1-14.
    • dia: Hb 7, 20-28.
    • dia: Hb 8, 1-13.
    • Dia: Hb 10, 11-18.

Homilia.

Antífona do Magnificat:
O Senhor jurou e não se arrependerá: Tu és Sacerdote para sempre, segundo a Ordem de Melquisedec!

Magnificat:
1)- Engrandece a minh’alma o Senhor* exulta o meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Pôs os olhos na pequenez de sua Serva* doravante, toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Senhor fez em mim maravilhas,* Santo é o seu Nome.
4)- Seu amor para sempre se estende* sobre aqueles que o temem.
5)- Manifesta o poder de seu braço,* dispersa os soberbos.
6)- Sacia de bens os famintos* despede os ricos sem nada.
7)- Acolhe Israel, seu servidor,* fiel ao seu amor.
8)- Como havia prometido a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.
9)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito* desde agora e sempre, pelos séculos, amém.

Antífona: O Senhor jurou...

Oração final:
Oremos: Ó Deus, que para a glória de vossa Majestade e salvação do gênero humano, constituístes o vosso Filho Unigênito Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote, fazei aos que por ele escolhestes para ministros e dispensadores dos seus mistérios, perseverem sempre fiéis às obrigações do ministério recebido. Por Cristo, Nosso Senhor.
Amém.

Canto final- Hino da Congregação:

Cristo vença as batalhas por nós! Não podemos lutar sem o Rei!
Jesus, daí o triunfo aos heróis! Conduzi para o céu vossa grei! ( Bis).

Refr.: Viva Cristo em nossa Congregação! Só com ele teremos a paz!
Nosso amor, que é amor de oblação, só vitória e alegria nos traz! ( Bis).

Cristo impere, o seu jugo é amigo! E suave, não pesa a Cruz!
Vinde a mim, por vós tudo consigo, / Sacerdote Eterno, ó Jesus! ( Bis).

 

 

IV.7- ESQUEMA CELEBRATIVO DA NOVENA EM PREPARAÇÃO À FESTA DE CRISTO SACERDOTE, QUANDO ACOPLADA COM A LITURGIA DAS VÉSPERAS.

Cântico de Entrada:
1)- “Tu és Sacerdote para sempre!” Quem assim declarou foi meu Pai. Ninguém pode assumir tão imensa honra. Só aquele a quem Deus chama e atrai.

Refr.: TU ÉS SUMO SACERDOTE, SANTO, IMACULADO, SEMPRE VIVO A INTERCEDER AO PAI POR TODOS NÓS. POR TEU SANGUE EM SACRIFÍCIO TODO HOMEM É PERDOADO. ESCUTA A NOSSA VOZ.

2)- Entrando no mundo, logo exclamou: “Sacrifícios não queres, meu Deus. Eis-me aqui! Já que tu me formaste um corpo, por amor ofereço o que é meu”.

Palavra de Deus:
1 dia: Hh 2, 14-18.
2 dia: Hb 3, 1-6.
3 dia: Hb 4, 14-16.
4 dia: Hb 5, 1-6.
5 dia: Hb 6, 19-20.
6 dia: Hb 7, 26-28.
7 dia: Hb 9, 11-15.
8 dia: Hb 10, 11-18.

    • dia: Hb 7, 15-21.

Responsório Breve:
Cristo  Sacerdote Eterno, segundo a Ordem de Melquisedec, ofereceu pão e vinho.

    • Cristo Sacerdote...
    • Tu és Sacerdote Eterno, segundo a Ordem de Melquisedec.
    • Glória ao Pai...
    • Cristo Sacerdote...

Cântico Evangélico:
Jurou o Senhor e não se arrependerá: tu és Sacerdote para sempre, segundo a Ordem de Melquisedec.

Magnificat:
Minha alma engrandece o Senhor/ Meu espírito se alegra no Senhor, meu Salvador (Bis).
Porque contemplou minha humildade/ O seu amor me bendirá à humanidade/ por seu amor (Bis).
Seu poder fez em mim maravilhas/ Eu que era a menor de suas filhas. Santo é o Senhor (Bis).
Seu amor permanece sempre/ nos que o temem/ viverão . Santo é o Senhor (Bis).
Protegeu o inocente/ humilhou o prepotente/ Justo é meu Deus (Bis).
Quem tem fome ele saciou/ quem tem demais, ele deserdou/ Justo é meu Deus (Bis).
Amparou a Israel/ deu segurança/ e cumpriu a prometida aliança/ que ofereceu (Bis).
Minha alma engrandece o Senhor/ meu espírito se alegra no Senhor/ Ele é meu Deus ( 4 vezes).
Oração final:
Ó Deus, que para a glória de vossa Majestade e salvação do gênero humano, constituístes o vosso Filho Unigênito Jesus Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote, fazei aos que por ele escolhestes para ministros e dispensadores dos seus mistérios, perseverem sempre fiéis às obrigações do ministério recebido. Por Cristo, Nosso Senhor,
Amém.

 

 

 

IV. 8- NOVENA EM HONRA DE NOSSA SENHORA DAS VITÓRIAS.

Canto de Entrada:
1)- Tu és Rainha, soberana,/ Virgem-Mãe do Salvador,/ És a glória, o esplendor,/ da natureza humana./ A ti, meu pobre coração,/ cedo em total oblação./ Tu és Rainha, ó minha Mãe!
2)- Tu és, Maria, a luz mais pura,/ a luz dos pensamentos bons./ Mais fulgor tens por tantos dons,/ que toda criatura./ Rebrilha em ti o divo Sol,/ num suave e meigo arrebol./ Tu és tão pura, ó minha Mãe!

Deus, vinde em meu auxílio,
Socorrei-nos e salvai-nos.
Glória ao Pai... Aleluia!

Salmo (Paráfrase ao Sl 44):
Refr.: Acima dos coros angélicos, foste elevada,/ ó Santa Mãe!
1)- De minh’alma brotou um belo canto,/ a ti, ó Rei, dedico este poema;/ a minha língua é veloz  qual a pena/ qual a pena de ágil escritor.
2)- Toda formosa, entra a Filha do Rei,/ com vestes bordadas em ouro;/ atrás dela, as suas companheiras,/ por entre alegrias e júbilo.
3)- Demos glória a Deus Pai Onipotente,/ e a seu Filho, Jesus, Nosso Senhor/ e ao Espírito que habita em nosso peito,/ pelos séculos, dos séculos, amém.

Leitura Bíblica:
1 dia: Gn 3, 15.
2 dia: Cant 2, 8-14.
3 dia: Jud 15, 8-10.
4 dia: 2Sm 6, 11-15.
5 dia:  Lc 1, 26-38.
6 dia:  Lc 1, 39-45.
7 dia: Lc 1, 46-55.
8 dia: Gal 4,4.
9 dia: Apo 12, 1-12.

Homilia.
Magnificat
Ant.: O Senhor te elevou ao mais alto dos céus;/ coroou-te de estrelas,/ fez do sol e da lua/ escabelo de tua glória!
1)- Engrandece a minh’alma o Senhor* exulta o meu espírito em Deus, meu Salvador!
2)- Pôs os olhos na pequenez de sua serva;* doravante, toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Senhor fez em mim maravilhas,* Santo é o seu Nome!
4)- Seu amor para sempre se estende,* sobre aqueles que o temem.
5)- Manifesta o poder de seu braço,* dispersa os soberbos.
6)- Sacia de bens os famintos,* despede os ricos sem nada.
7)- Acolhe Israel, seu servidor,* fiel ao seu amor.
8)- Como havia prometido a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre!
9)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* desde agora e para sempre, pelos séculos, amém.
Oração final:
Oremos: Deus Eterno e Onipotente, que elevastes ao céu em corpo e alma, a Imaculada Sempre Virgem Maria, Senhora das Vitórias, concedei-nos a graça de vencer tudo o que se opõe aos nossos deveres de Oblatos de seu Filho, para podermos participar de sua glória no céu. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
Canto final: Hino em honra de Nossa Senhora das Vitórias.
Vós sois a feliz Aurora/ dos divinais esplendores/ que a luz da fé avigora/ nas almas dos pecadores.
Refr.: Ó Virgem-Mãe das Vitórias,/ Estrela d’Alva celeste,/ de cuja luz radiosa/ a terra inteira se veste!
Quando na vida sofremos/ a mais atroz amargura,/ de vossas mãos recebemos/ a confortável doçura.

 

 

IV.9- ESQUEMA CELEBRATIVO QUANDO A NOVENA VEM ACOPLADA À LITURGIA DAS HORAS:

Cântico de Entrada: Hino em honra de Nossa Senhora das Vitórias, como acima.

Palavra de Deus:
1 dia: Is 7, 14-17.
2 dia: Apo 21, 2-4.
3 dia: Lc 1, 26-33.
4 dia: Lc 1, 46-49.
5 dia: Jo 2, 1-10.
6 dia: Gn 30, 22-23.
7 dia: Est 5, 1-2b.
8 dia: Cant 6,10.
9 dia: Apo 21, 2-4.

Responsório Breve:
O Senhor te elevou ao mais alto dos céus, coroou-te de estrelas.
R: O Senhor te elevou...
Fez do sol e da lua escabelo de tua glória.
R: O Senhor te elevou...
Glória ao Pai...
R: O Senhor te elevou...

Cântico evangélico:
Ant.: Acima dos coros angélicos / foste elevada, ó Santa Mãe de Deus!
Magnificat:
Minha alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz,
olhou para mim com tanto amor,/ que me escolheu, me elegeu e me quis. E, de hoje em diante, eu já posso prever:/ todos os povos vão me bendizer!/ O Poderoso lembrou-se de mim,/ Santo é seu nome sem fim.
O povo dá glórias ao Senhor/ seu coração bate alegre e feliz. Maria carrega o Salvador/ porque Deus Pai sempre cumpre o que diz. E quando os povos aceitam a lei/ passa de pai para filho o seu dom/ das gerações ele é mais do que Rei/ Ele é Deus Pai, ele é bom.
Minha alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz; olhou para mim com tanto amor/ que me escolheu, me elegeu e me quis. O orgulhoso ele sabe dobrar; o poderoso ele sabe enfrentar; o pobrezinho ele defenderá, não nos abandonará.
O povo dá glórias ao Senhor/ seu coração bate alegre e feliz; / Maria carrega o Salvador/ porque Deus Pai sempre cumpre o que diz. Quem tem demais, qualquer dia vai ver/ o que é ter fome e não ter pra comer/ quem passa fome, comida terá/ eis que a justiça virá.
Minha alma dá glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz/ Meu povo já sente o seu amor;/ ele promete, ele cumpre o que diz./ Aos nossos pais, ele um dia jurou;/ ele é fiel e jamais enganou;/ estamos perto da era do amor. Bendito seja o Senhor.

Oração Final:
Ó Deus Eterno e Onipotente, que elevastes ao céu em corpo e alma a Imaculada Sempre Virgem Maria, Senhora das Vitórias, concedei-nos a graça de vencer tudo o que se opõe aos nossos deveres e perseveremos em nossa vocação de Oblatos de seu Filho, para podermos participar de sua glória nos céus. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

IV. 10- NOVENA EM HONRA DOS  ARCANJOS- SÃO MIGUEL, SÃO GABRIEL E SÃO RAFAEL

( de 19 a 28 de setembro).

Deus, vinde em nosso auxílio,
Senhor, socorrei-nos e salvai-nos.
Glória ao Pai... Aleluia!

Hino:
Ó Deus, Trindade na Unidade,
Onipotência que sois bondade,
Jesus Cristo, Divindade,
Hóstia e Sacerdote, em nossa humanidade.

Queremos vos oferecer,
Para agradecer,
Pela existência e pelo ser,
Dos Anjos e Arcanjos.

Criados na pureza da espiritualidade,
Confirmados na graça, que é santidade,
Na perfeição da felicidade,
Que é vos servir e amar pela eternidade.

Por todos estes dons de tão sublime perfeição,
Da Angélica criação,
Ó Pai, que sois poder e bondade,
Ó Filho, que sois toda a verdade,
Ó Espírito Santo, que de ambos sois amor,
A vós, o nosso hino de louvor!

Salmo 137.
Ant.: Na presença dos Anjos* hei de cantar-vos , meu Deus!
1)- De todo o coração eu vos dou graças,* porque ouvistes as palavras de minha boca.
2)- Na presença dos Anjos, vou cantar-vos,* e vos adorarei, voltado para o vosso Templo Santo.
3)- No meio da tribulação, vós me conservais a vida + vós me ajudais contra os meus inimigos,* e me salvais com o vosso braço poderoso.
4)- O Senhor completará o que em meu auxílio começou; + Senhor, a vossa bondade é eterna,* não abandoneis a obra de vossas mãos.

Com os Anjos e Arcanjos louvemos o Senhor,
Proclamando o seu Nome glorioso!

Leitura Bíblica-
Primeiro dia: Jz 6, 11-24.
Segundo dia: Tob 12, 1-21.
Terceiro dia: Mt 1, 20-23.
Quarto dia: Apo 4,5-8, ou Apo 8, 2-5.
Quinto dia: Ex 23, 20-23.
Sexto dia: Dn 10, 9-13.
Sétimo dia: At 5, 17-21.
Oitavo dia: Lc 1, 5-22.
Nono dia: Apo 12, 1-12.

Responsório Breve:
Todos os Anjos do céu proclamem, Senhor,+ a vossa santidade* dizendo a uma só voz: Glória a Deus!
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo,
Glória a Deus!
Todos os Anjos do céu proclamem, Senhor, a vossa santidade,
Dizendo a uma só voz: Glória a Deus!

Homilia.

Magnificat.
Ant.: O Arcanjo Gabriel disse à Maria: * conceberás e darás à luz um Filho a quem porás o nome de Jesus.
1)- Minha alma glorifica o Senhor* exulta meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Ele voltou os olhos para a humildade de sua Serva,* doravante,  todas as gerações me chamarão bem-aventurada.
3)- O Poderoso fez em mim maravilhas,* Santo é o seu Nome.
4)- Sua misericórdia se estendeu de geração em geração* sobre aqueles que o temem.
5)- Manifestou o poder de seu braço* dispersou os soberbos.
6)- Depôs do trono os poderosos* e elevou os humildes.
7)- Saciou de bens os famintos* e aos ricos deixou de mãos vazias.
8)- Veio em socorro de Israel, seu servidor,* fiel ao seu amor
9)- E à promessa que fez a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.
10)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* desde agora e sempre e nos séculos, amém.

Preces:
Pres.: Peçamos a Deus que, pela intercessão dos Santos Arcanjos S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael, nos disponha cada vez melhor a ouvir a sua Palavra e a fazer a sua vontade, dizendo:
Nós vos rogamos, ouvi-nos, Senhor!

  • Que as nossas orações, como suave perfume, subam a vossa presença, pelas mãos dos vossos Arcanjos, rezemos,
  • Que os nossos sofrimentos e ofertas sejam apresentados a Deus pelos Santos Arcanjos, rezemos,
  • Que São Miguel Arcanjo nos defenda de todo o mal e nos conduza sempre na fortaleza e à luz da Face de Cristo, rezemos,
  • Que São Miguel nos ajude a perseverar na fidelidade a nossa vocação consagrada, rezemos.
  • Que São Gabriel Arcanjo nos alcance de Deus o auxílio permanente de sua presença, para defender-nos de todo pecado e de todo o mal, perseverando como autênticos Oblatos de Cristo Sacerdote e de Nossa Senhora das Vitórias, rezemos,
  • Que São Rafael Arcanjo nos acompanhe em todas as nossas viagens desta vida e nos conserve sempre unidos ao único e seguro Caminho para o céu, que é Cristo Sacerdote, e nos conceda o remédio para todas as nossas enfermidades, rezemos.
  • Que estes gloriosos Assistentes do Trono de Deus nos assistam e defendam na hora de nossa morte e nos conduzam à vida eterna, rezemos.

Pai Nosso...
Pres.: Oremos: Senhor, Deus do Universo, que estabelecestes com admirável Providência as funções dos Anjos e dos homens, concedei propício, que as nossas vidas sejam protegidas por São Miguel, São Gabriel e São Rafael e demais Arcanjos que vos assistem e vos servem nos céus. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

IV.11- NOVENA ACOPLADA COM AS VÉSPERAS:
Hino- Ó Deus, Trindade na Unidade, (como acima).
Salmo e Palavra de Deus (como acima).
Reponsório: Todos os anjos do céu,* proclamem, Senhor, a vossa santidade.
Todos os anjos...
Dizendo a uma só voz: Glória a Deus!
Proclamem...
Glória ao Pai... Todos os anjos...

Cântico Evangélico-
Ant.: O Anjo Gabriel disse à Maria: conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus.
Magnificat:
Minha alma dá glórias ao Senhor,/ meu coração bate alegre e feliz/ olhou para mim com tanto amor/ que me escolheu, me elegeu e me quis./ E de hoje em diante eu já posso prever:/ todos os povos vão me bendizer;/ o Poderoso lembrou-se de mim;/ Santo é seu Nome sem fim.
O povo dá glórias ao Senhor,/ seu coração bate alegre e feliz./ Maria carrega o Salvador,/ porque Deus Pai sempre cumpre o que diz./ E quando os povos aceitam a lei,/ passa de pai para filho o seu dom,/ das gerações Ele é mais do que Rei,/ Ele é Deus Pai, Ele é bom.
Minha alma dá glórias ao Senhor,/ meu coração bate alegre e feliz;/ olhou para mim com tanto amor,/ que me escolheu, me elegeu e me quis./ O orgulhoso Ele sabe dobrar, o poderoso Ele sabe enfrentar, o pobrezinho Ele defenderá, não nos abandonará.
O povo dá glórias ao Senhor,/ seu coração bate alegre e feliz;/ Maria carrega o Salvador,/ porque Deus Pai sempre cumpre o que diz./ Quem tem demais, qualquer dia vai ver/ o que é ter fome e não ter pra comer;/ quem passa fome, comida terá;/ eis que a justiça virá.
Minha alma dá glórias ao Senhor,/ meu coração bate alegre e feliz./ Meu povo já sente o seu amor,/ Ele promete, Ele cumpre o que diz./ Aos nossos pais, Ele um dia jurou,/ Ele é fiel e jamais enganou;/ estamos perto da era do amor./ Bendito seja o Senhor.

Oração final (como acima).

 

 

 

IV.12- TRÍDUO EM HONRA DA IMACULADA CONCEIÇÃO

(dias 5,6 e 7 de dezembro).
Canto de Entrada:
Refr.: Exulto de alegria em meu Deus,/ e a minha alma estremece,  jubilosa, no Senhor,/ porque me revestiu de salvação/ e me cobriu com um manto de justiça.
1)- Cantai ao Senhor um cântico novo!* Cantai ao Senhor, terra inteira!
2)- Porque o Senhor fez maravilhas,* a vitória nos veio de sua mão!

Deus, vinde em nosso auxílio,
Senhor, socorrei-nos e salvai-nos!
Glória ao Pai... Aleluia!

Invitatório:
Refr.: TODA BELA ÉS, MARIA! FOSTE ISENTA DO PECADO ORIGINAL!
1)- Desde a aurora dos tempos, / o Senhor me criou,/ e me deu Israel/ por herança eterna.
2)- Eu fui elevada/ qual cedro do Líbano,/ e em Sião fui firmada/ na porção do Senhor/ e em Jerusalém está o meu poder.
3)- Em mim há toda graça,/ da verdade e da vida,/ em mim toda virtude,/ da justiça e saber,/ qual a rosa de Jericó eu floresci.
4)- Vinde todos a mim,/ vós que me desejais,/ e colhei de meus frutos,/ de alegria e de paz;/ quem me busca terá na vida o meu amor!

Leitura Bíblica:
Primeiro dia: Gen 3, 1-15.
Segundo dia: Est 5, 1-5.
Terceiro dia: Lc 1, 26-37.

Homilia.
Magnificat:
Refr.: Alegra-te, ó cheia de graça,* o Senhor é contigo!
1)- A minh’alma glorifica o Senhor,* exulta meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Pôs os olhos na humildade de sua serva,* doravante toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Senhor fez em mim maravilhas,* Santo é seu Nome!
4)- Seu amor para sempre se estende* sobre aqueles que o temem.
5)- Demonstrando o poder de seu braço,* dispersa os soberbos.
6)- Abate os poderosos de seus tronos* e eleva os humildes.
7)- Sacia de bens os famintos,* despede os ricos sem nada.
8)- Acolhe Israel, seu servidor,* fiel a seu amor
9)- e à promessa que fez a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre!
10)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* Desde agora e para sempre e pelos séculos, amém.

No teu esplendor, na tua beleza,
Triunfa e reina, ó Virgem Maria!

Oração:
Oremos: Ó Deus, que pela Imaculada Conceição da Virgem Maria, preparastes para o vosso Filho uma digna morada, preservando-a de toda a mácula, em previsão da morte do mesmo vosso Filho, concedei-nos, por sua intercessão, a graça de chegarmos purificados até junto de vós. Por Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor Nosso.
Amém.

Canto Final ( Tu és Rainha Soberana)
1)- Tu és, Maria, a luz mais pura,/ a luz dos pensamentos bons;/ mais fulgor, tens por tantos dons, que toda criatura;/ rebrilha em ti o Divo Sol,/ num suave e meigo arrebol./ Tu és tão pura, ó minha Mãe!
2)- Maria, o céu te fez tão bela,/ e deu-te formosura tal,/ que não há no universo igual/ à Virgem tão singela;/ pois Deus assim te quis doar/ formosura tão singular;/ tu és a minha linda Mãe!

 

IV.13- NOVENA DE PREPARAÇÃO PARA O SANTO NATAL.

 

Canto de Entrada:
Quando virá, Senhor o dia,/ quando virá o Redentor,/ pondo-se termo à profecia/ que nos promete o Salvador?

Refr.: Que o céu envie à terra/ o Justo que esperamos!

Dia que fora prometido/ tão firmemente a nossos pais,/ dia em que o mal será banido,/ dia de hosanas triunfais?

Filha de reis, ó Virgem pura,/ eis a celeste saudação:/ és a escolhida criatura,/ Mãe da divina promissão!

Deus, vinde em nosso auxílio,
Senhor, socorrei-nos e salvai-nos!
Glória ao Pai... Aleluia!

Invitatório:
Refr.: Ao Senhor que vai nascer,/ vinde todos adorar!
1)- Exultai, ó Filha de Sião,/ o Senhor chegará;/ à terra descerá o Senhor/ em grande claridade.
2)- Das colinas jorrarão leite e mel,/ dos montes, doçura;/ na chegada do Grande Profeta,/ Jerusalém será santa;/ o Homem-Deus da estirpe de Davi/ fitareis com vossos olhos.
3)- Trará na fronte a coroa,/ seu Reino, sem limites;/ cumprirá o que fora prometido,/ sua vinda aguardai;/ adorado pelos reis e pelos povos,/ paz, justiça e amor ensinará.
4)- Nascerá para nós um Menino,/ “Deus Forte”, seu Nome,/ do trono de Davi, seu pai,/ o império exercerá.
5)- Belém, cidade de Deus,/ de ti ele virá;/ como aurora dos dias eternos,/ surgirá glorioso,/ pelo orbe todo aclamado,/ em paz suprema reinará.

Salmo:
1)- Jubilem os céus e exulte a terra,* cantem louvores as montanhas.
2)- Brote alegria dos montes* e das colinas a justiça.
3)- Porque o Senhor chegará* bondoso com os pobres.
4)- A terra seja aberta* e germine o Salvador.
5)- Orvalho e nuvens dos céus,* o Justo destilai!
6)- Lembrai-vos de nós, Senhor,* com salvação visitai-nos.
7)- Visitai-nos com vossa paz,* e alegrai a nossa alma.
8)- Vossa força despertai* e a salvação virá à terra.
9)- Senhor, vinde sem demora,* e os crimes nossos perdoai.
10)- Vossa Face nos mostrai, Senhor,* poderoso é o vosso trono.
11)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* agora e sempre, amém.

Leitura Bíblica:
Primeiro dia: Is 1, 10-18.
Segundo dia: Is 29, 18-24.
Terceiro dia: Is 30, 18-26.
Quarto dia: Is 48, 21; 49, 10-13.
Quinto dia: Is 11,1-10.
Sexto dia: Lc 1, 26-38.
Sétimo dia: Lc 1, 39-45.
Oitavo dia: Lc 1, 46-56.
Nono dia: Mt 1, 1-25.

Homilia.
Magnificat:
Refr.: Ao chegar o Senhor, Rei da terra,* livres nós seremos.
1)- A minh’alma glorifica o Senhor,* Exulta meu espírito em Deus, meu Salvador.
2)- Pôs os olhos na humildade de sua Serva,* doravante toda a terra cantará os meus louvores.
3)- O Senhor fez em mim maravilhas,* Santo é o seu Nome!
4)- Seu amor para sempre se estende* sobre aqueles que o temem.
5)- Demonstrando o poder de seu braço,* dispersa os soberbos.
6)- Abate os poderosos de seus tronos* e eleva os humildes.
7)- Sacia de bens os famintos,* despede os ricos sem nada.
8)- Acolhe Israel, seu servidor,* fiel ao seu amor,
9)- e à promessa que fez a nossos pais,* em favor de Abraão e de seus filhos, para sempre.
10)- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito,* desde agora e sempre, pelos séculos, amém.

Céus e nuvens, orvalhai o Justo,
Abra-se a terra e brote o Salvador.

Oração:
Oremos: Apressai-vos e não tardeis, Senhor Jesus, para que a vossa chegada renove as forças dos que confiam em vosso amor. Vós, que sois Deus, com o Pai, na unidade do Espírito Santo. Amém.

Canto Final:
Ó vinde, vinde, Emanuel, vinde libertar Israel! Tanto precisamos de vós,/ pois o mundo mergulha no mal atroz.
Cantai, cantai, ó Israel, a vós virá o Emanuel!
Ó vinde, vinde, Senhor Jesus! Vinde trazer ao mundo vossa luz! Sem vós, tudo é perecível! E o mal sem vós é invencível!
Clamai, clamai, ó Israel, apelai pelo Grande Emanuel!

 

 

 

V PARTE- ATOS DE OBLAÇÃO PELOS SACERDOTES.

 

“Rezemos, soframos pelos Sacerdotes e, no último dia, Jesus será agradecido. Nós lhe daremos almas!” (Santa Teresinha, Carta 94).

V.1- AOS DOMINGOS:

Pai Santo, Criador do mundo e fonte da vida, com a ressurreição de vosso Filho, Cristo Sacerdote, tornou-se vitoriosa a vida . Neste dia a vós consagrado, cantamos a vitória do vosso amor misericordioso. Derramai o vosso Espírito sobre a humanidade inteira, para que viva em vossa paz. Vós que acolhestes o sacrifício do vosso Filho, concedei-nos que, com ele, por ele e nele, nos tornemos uma oferta viva, pelos vossos Ministros, Bispos e Sacerdotes, que hoje, em todo o mundo, proclamam o mistério da ressurreição de vosso Filho. Possam eles , pela palavra e pelo testemunho, ser um sinal desta ressurreição, até o clarear do domingo sem oca
so, na visão de vossa glória. Por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

V.2- ÀS SEGUNDAS-FEIRAS:

Deus Pai, Santo e Diletíssimo, quero, nesta segunda-feira, oferecer-vos o vosso próprio Filho, Cristo Sacerdote, no Sacrifício Eucarístico, com todos os infinitos méritos de sua sagrada Paixão e Morte e, unido a este sacrifício, todo o meu ser e tudo o que, por vossa misericórdia, puder fazer de bom neste dia, em sufrágio de todos os Sacerdotes Diocesanos e Bispos que, porventura, se acham no Purgatório. Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno, na contemplação de vossa glória. Amém.

V.3- ÀS TERÇAS-FEIRAS:

Ó Pai amabilíssimo, nesta terça-feira, quero fazer-vos a oblação de todo o meu ser, unida a de vosso Filho, Cristo Sacerdote, pela santificação do Clero. Peço-vos, ó Pai Santíssimo, que a Face de vosso Filho resplandeça na alma e na vida de cada Sacerdote e Bispo da vossa Igreja, a fim de que todos os fiéis possam ver neles os autênticos Ministros do vosso amor misericordioso. Por Cristo, Senhor Nosso, amém.

V.4- ÀS QUARTAS-FEIRAS:

Ó Pai dos céus, hoje é um dia consagrado a São José, o Patrono da Igreja Universal, o Patrono de vida interior, o primeiro Oblato de Cristo Sacerdote... Por intercessão do pai putativo do vosso Filho, concedei aos vossos Sacerdotes Diocesanos e Bispo, um crescente interesse pela vida interior, alimentada pela piedosa celebração da Eucaristia, da oração e meditação da Palavra divina. Para isto, por eles, quero oferecer todo este dia, com suas alegrias, dificuldades, sofrimentos e esperanças. Aceitai, ó Pai Santíssimo, esta minha oblação pelos vossos Ministros. Por Cristo, Senhor Nosso, amém.

V.5- ÀS QUINTAS-FEIRAS:

Ó Cristo Sacerdote, foi na Quinta-Feira Santa, que instituístes o Sacramento da Eucaristia e o Sacerdócio Católico, como participação em vosso único e eterno sacerdócio... Neste dia, quero unir-me às intenções de vosso Coração Sacerdotal, na imolação de todo o meu ser, pelos vossos Sacerdotes Diocesanos e Senhores Bispos, a fim de que se tornem sempre mais santos e instrumentos do vosso amor misericordioso. Convosco, quero oferecer-me a Deus Pai, como hóstia pura, pela santificação do Clero. Aceitai-me, Senhor! Vós que sois Deus, com o Pai, no amor do Espírito Santo, amém.

V.6- ÀS SEXTAS-FEIRAS:

Ó Coração Sacerdotal do meu Jesus, neste dia a vós consagrado, quero vos fazer um pedido: aceitai o meu pobre coração oblaciano, na oblação de toda a minha vida, pelos vossos Sacerdotes Diocesanos e Senhores Bispos! Uni-a a vossa Divina Oblação ao Pai, em nossos altares, pela redenção do mundo, mas principalmente pela santificação do Clero, a fim de que os vossos Ministros possam ser para todo o Povo de Deus, uma imagem do vosso Coração Misericordioso. Vós, que sois Deus, com o Pai, na unidade do Espírito Santo. Amém.

V.7- AOS SÁBADOS:

Ó Maria, Virgem-Mãe das Vitórias, Medianeira de todas as graças, Mãe do Sumo e Eterno Sacerdote, Jesus Cristo, neste sábado a vós consagrado, quero, convosco e por vosso Imaculado Coração, oferecer-me totalmente à Santíssima Trindade, pela santificação do Clero. Ó Mãe querida, protegei os Sacerdotes, vossos filhos prediletos, de todo o mal; inspirai-lhes as ações pastorais, em meio a um mundo tão cheio de materialismo e de tentações; ajudai-os em seus trabalhos pelo Reino de vosso Filho; obtende para cada um deles um crescente ardor apostólico e desejo de santidade e, enfim, a perseverança final em sua augusta vocação. Amém.

V.7. ORAÇÃO PELOS SACERDOTES

Ó Jesus Cristo, Sacerdote Eterno, que confiastes aos Sacerdotes, como a vossos representantes, a obra da salvação e felicidade dos homens, eu vos ofereço inteiramente, pelas mãos de Maria Santíssima, para a santificação dos Sacerdotes e dos candidatos ao sacerdócio, as orações, trabalhos e alegrias, sacrifícios e sofrimentos deste dia. Concedei-nos, Senhor, Sacerdotes verdadeiramente santos, que, abrasados pelo fogo do vosso amor divino, só procurem a vossa maior glória e a salvação de todos os homens. E vós, ó Maria, Boa Mãe dos Sacerdotes, protegei a todos eles nos perigos e dificuldades de sua santa vocação! Guiai também, com a vossa mão maternal, os pobres Sacerdotes transviados, que se tornaram infiéis a sua sublime vocação, para que voltem o quanto antes para junto do Bom Pastor, Cristo Sacerdote.
Maria Santíssima, Rainha do Clero, Mãe do Sumo e Eterno Sacerdote, Jesus Cristo, intercedei pelos Sacerdotes e pelos que se preparam para o sacerdócio, e despertai verdadeiras e perseverantes vocações entre os nossos jovens. Amém.

VI PARTE- DEVOÇÕES PARTICULARES.

 

“... o mundo... difama o quanto pode a santa devoção, pintando as pessoas devotas com o rosto desabrido, triste e macilento, publicando também, que a devoção causa humores melancólicos e insofríveis. Mas, como Josué e Caleb asseguravam, que não somente a terra prometida era boa e formosa, senão que também sua posse seria doce, gostosa e agradável; da mesma maneira, o Espírito Santo, por boca de todos os Santos, e nosso Salvador pela sua mesma, nos asseguram, que a vida devota é uma vida doce, ditosa e amável”( São Francisco de Sales, Introdução à Vida Devota [Philotéa], Cap.II).

“Para mim a oração é um impulso do coração, é um simples olhar lançado em direção ao céu, é um grito de reconhecimento e de amor no meio da provação, como também no meio da alegria; é, enfim, algo de grande, de sobrenatural, que me dilata a alma e me une a Jesus”( Santa Teresinha, Manuscrito C, 25r-25c).

 

 

VI. 1- ORAÇÕES A DEUS PAI:

VI.1.1- Ó Deus, Pai de todos os dons, nós vos proclamamos fonte de tudo o que temos e somos; ensinai-nos a reconhecer vossos imensos benefícios e amar-vos de todo o coração e com todas as forças. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VI.1.2- Deus misericordioso, concedei-nos o que vos pedimos: a graça de desejar com amor, investigar com prudência, conhecer com verdade e cumprir com perfeição o que é de vosso agrado, em louvor e glória de vosso Nome. Assim seja.
( Atribuída a Santo Tomás de Aquino).

VI.1.3- Tomai, Senhor, e recebei toda a minha liberdade, a minha memória também, o meu entendimento e toda a minha vontade; tudo o que tenho e possuo, vós me destes com amor. Todos os dons que me destes, com gratidão vos devolvo; disponde deles, Senhor, segundo a vossa vontade. Daí-me somente o vosso amor, a vossa graça; isto me basta! Nada mais quero pedir. Amém. (Oração atribuída a Sto. Inácio de Loyola, 1491-1556).

VI.1.4- Pai de Misericórdia- Nós vos invocamos, Senhor Deus: vós conheceis cada coisa e nada vos escapa. Criastes o universo e velais por todos os seres. Vós guiais à verdade aqueles que se encontram na ignorância e na sombra da morte. Quereis salvar todos os homens e fazê-los conhecer a verdade. Portanto, oramos a vós, Pai de misericórdia e Deus de toda consolação: confirmai-nos em nossa vocação, na adoração e na fidelidade. Tornai-nos fortes, Senhor, com a vossa força. Iluminai a nossa alma com a vossa consolação. Ajudai-nos a ver, procurar, contemplar os bens do céu e não somente os bens da terra. Assim, renderemos glória a vossa majestade onipotente, santíssima e digna de louvor, em Cristo Jesus, vosso Filho, com o Espírito Santo, pelos séculos dos séculos. Amém. (Oração do século IV).

VI.1.5- Deus Onipotente, eterno, justo e misericordioso, concedei a nós, pobres criaturas, fazer por vossa graça aquilo que sabemos ser a vossa vontade, e de fazer sempre aquilo que vos agrada, a fim de que, purificados no coração, e iluminados pelo Espírito, possamos seguir o exemplo do vosso Filho e nosso Senhor Jesus Cristo, e alcançar-vos somente pela vossa graça, ó Altíssimo, que viveis e reinais na glória, em perfeita Trindade e simples Unidade, ó Deus onipotente, pelos séculos eternos. Amém (São Francisco de Assis, 1182-1226).

VI.1.6- Eu me aproximo de vós- Ó Deus, mandai o vosso Santo Espírito, que cria em mim um coração novo e um espírito novo. A sua unção me ensine todas as coisas, porque eu vos escolhi entre mil e vos amo acima de qualquer outro amor. Vinde, Sol da Manhã: fazei verdejar e florescer esta palha seca, imagem do meu nada, que vós plantastes. Eis que eu me aproximo de vós, Fogo devorador, meu Deus. Queimai-me na chama do vosso amor como um pequeno grão de pó. Eis que eu me aproximo de vós, minha doce Luz. Envolvei-me com a força do vosso Espírito. Revesti-me de coragem, preparai os meus braços para o combate. Se os exércitos estão contra mim, não temo mal algum, porque vós estais comigo. Amém. (Santa Gertrudes de Helfta, 1256-1301).

VI.1.7- Meu Pai, eu me abandono a vós, fazei de mim aquilo que vos agrada; qualquer coisa que façais de mim, vos agradeço. Estou pronto para tudo, aceito tudo, para que a vossa vontade se cumpra em mim e em todas as criaturas; não desejo nenhum outro, meu Deus. Deposito a minha alma em vossas mãos, dou-a a vós, meu Deus, com todo o amor do meu coração, porque vos amo. E é para mim uma exigência de amor o doar-me, depositar-me nas vossas mãos, sem reserva, numa confidência infinita, porque vós sois o meu Pai. Amém. (Charles de Foucauld, 1856-1916).

VI.1.8- Oração da Caridade- Ó Deus, que fazeis tender todas as coisas para o bem daqueles que vos amam, gravai indelevelmente em nossos corações os afetos do vosso amor, a fim de que nenhuma tentação possa abalar, em nós, as santas inspirações do vosso Divino Espírito. Por Jesus Cristo, Nosso Senhor. Amém.

VI.2- ORAÇÕES A CRISTO SACERDOTE.

VI.2.1- ORAÇÃO SACERDOTAL DE JESUS ( JO 17).
Jesus, na Última Ceia, abrindo o Seu Coração Sacerdotal, reza pelos Apóstolos, pelos Sucessores dos Apóstolos, os Bispos, pelos Sacerdotes e por todos os Seus discípulos. Rezemos com Ele:
Pai, é chegada a hora, glorifica teu filho, para que teu filho glorifique a ti e dê a vida eterna àqueles que lhe entregaste.
Eu te glorificarei sobre a terra, terminando a obra que me deste para fazer.
Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus e mos deste e eles guardaram a tua palavra.
Por eles é que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus.
Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, a fim de que sejam um como nós.
Agora vou para junto de ti.
Dirijo-te esta oração enquanto estou no mundo, para que eles tenham a plenitude de minha alegria. Não peço que os tires do mundo, mas que os preserves do mal.
Santifica-os na verdade. A tua palavra é a verdade.
Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.
Santifico-me por eles, para que também eles sejam santificados na verdade.
Não rogo somente por eles, mas também por todos aqueles, que por sua palavra hão de crer em mim.
Que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti, para que também eles estejam em nós e o mundo creia que tu me enviaste.
Dei-lhes a glória que me deste, para que sejam perfeitamente unidos, e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim.
Pai, quero que, onde eu estiver, estejam comigo aqueles que me deste, para que contemplem a minha glória, aquela glória que me deste, porque me amaste antes da criação do mundo.
Manifestei-lhes o teu nome e ainda hei de lho manifestar, para que o amor que tens por mim esteja neles, e para que eu mesmo esteja neles.

VI.2.2- Jesus Cristo Sacerdote, ensinai-me, comunicai-me, a verdadeira generosidade em vosso santo serviço. Que eu vos sirva como quereis e mereceis. Que em todos os meus pensamentos, palavras e ações, eu realize o meu amor de oblação por vós. Que eu trabalhe convosco e para vós, sem cuidar do descanso, até consumir-me em vosso santo serviço, sem esperar outra recompensa, aqui na terra, que a consciência de estar unido a vós, fazendo a vossa santíssima vontade. Amém.

VI.2.3- Pacto de amor com o Coração Sacerdotal de Jesus- Cristo Sacerdote, diante de vós e do vosso Pai celeste, na presença da Imaculada Virgem-Mãe das Vitórias, minha Mãe, de São José, meu especial protetor e dos demais Patronos de minha Família Religiosa, renovo a minha consagração, por puro amor, ao serviço do vosso Coração Sacerdotal, dedicando toda a minha vida e as minhas forças aos vossos Sacerdotes e Bispos. De antemão, aceito todas as provações e todos os sacrifícios que vos aprouver mandar-me. Prometo oferecer ao vosso Coração Sacerdotal todas as minhas ações, preocupações, alegrias e dissabores, sempre em favor da santificação do Clero. Peço-vos, porém, Cristo Sacerdote, que movais o meu coração, inflamando-o com o vosso amor, a fim de que eu não tenha outro desejo senão o de vos amar e de vos fazer amado por meus irmãos e, ajudado pela vossa graça, possa experimentar a suprema felicidade de ter o meu coração unido inseparavelmente ao vosso Coração Sacerdotal. Amém.

VI.2.4- A Cristo Sacerdote, pela C.O.C.S.- Cristo Sacerdote, nós vos agradecemos, porque destes ao Pe. Januário Baleeiro, OCS, a inspiração, a graça e a missão de enriquecer a Igreja com uma Congregação destinada a viver o vosso amor e a vossa oblação, a serviço dos vossos Sacerdotes e Bispos. Concedei-nos viver em crescente amor fraterno, reconhecendo a vossa Face um no outro e, principalmente, em nossos Sacerdotes, abatidos pela doença ou idade avançada. Que cada um de nós seja  servidor da  comunhão, numa comunidade fraterna. Tornai-nos sempre mais atentos e generosos em procurar a vontade do Pai. Reavivai em nós o espírito da fundação, vivendo com entusiasmo os nossos carismas. Possa cada um de nós ser sempre disponível, na obediência alegre, anunciando a vossa misericórdia e sendo um verdadeiro Cireneu dos vossos Sacerdotes. Amém.

VI.2.5- Prece ao Sagrado Coração de Jesus- Sacratíssimo Coração de Jesus, fonte de todo o bem, creio no vosso amor misericordioso, adoro-vos e me arrependo de todos os meus pecados; dou-vos este meu pobre coração: fazei-o humilde, puro e conformado com todos os vossos desejos. Dai, ó Bom Jesus, que eu viva em vós e vós em mim. Protegei-me nos perigos, consolai-me nas tribulações e aflições. Concedei-me a saúde da alma e do corpo e a vossa bênção para todos os meus trabalhos e a graça de uma santa morte. Amém.
Jesus, Misericordioso de Coração,
Confio em vós!

VI.2.6- A Primeira Consagração ao Sagrado Coração de Jesus (Composta por Santa Margarida Maria).
Eu, N...., entrego e consagro ao Sagrado Coração de Jesus, minha pessoa e minha vida, meus atos, penas e sofrimentos, a fim de não mais querer servir-me de parte alguma de meu ser, senão para honrá-lo, amá-lo e glorificá-lo. Esta é a minha vontade irrevogável: ser todo dele e tudo fazer por seu amor, renunciando, de todo o coração, a tudo o que lhe possa desagradar. Eu vos tomo, pois, ó Sagrado Coração, como único objeto do meu amor, protetor de minha vida, segurança de minha salvação, remédio de minha fragilidade e inconstância, reparador de todos os defeitos de minha vida e meu asilo seguro na hora da morte. Sede, portanto, ó Coração de Bondade, a minha justificação perante Deus Pai e desviai de mim os raios de sua justiça. Ó Coração de amor, em vós ponho toda a minha confiança, porquanto eu tudo receio de minha malícia e fraqueza, mas tudo espero de vossa bondade. Consumi, pois, em mim, tudo o que vos possa desagradar ou resistir! Que vosso puro amor se imprima tão fundo no meu coração, que eu não vos possa nunca esquecer nem separar-me de vós, a quem suplico, por todas as vossas bondades, fique meu nome inscrito em vós, uma vez que desejo fazer consistir toda a minha felicidade e toda a minha glória em viver e morrer na qualidade de vosso escravo.

VI.2.7- Súplica ao Sagrado Coração.
Lembrai-vos, ó Divino Coração de Jesus, de tudo o que fizestes para salvar as nossas almas e não as deixeis perecer. Lembrai-vos do amor eterno e imenso que tivestes por elas; não afasteis estas almas que vêm a vós; desfalecidas sob o peso das suas misérias, oprimidas com tantas dores. Compadecei-vos da nossa fraqueza, dos perigos que nos cercam de todos os lados, dos males que nos fazem suspirar e gemer. Cheios de confiança e de amor, vimos ao vosso Coração, como ao Coração do melhor e do mais terno e compassivo dos amigos. Recebei-nos, ó Coração Sagrado, na vossa infinita ternura; fazei-nos sentir os efeitos da vossa compaixão e do vosso amor; mostrai-vos o nosso apoio e nosso mediador junto do vosso Pai e, em nome do vosso precioso sangue e dos vossos méritos, concedei-nos a força em nossas fraquezas, a consolação em nossas penas; daí-nos a graça de vos amar no tempo e a de vos possuir na eternidade. Amém.

VI.2.8- Cristo Sacerdote, meu Senhor e meu Deus, meu Amigo e meu Irmão! Como Deus, eu vos adoro; como Senhor, eu vos sirvo; como Amigo e Irmão, eu vos quero! Dai-me, Senhor, a graça de melhor vos conhecer, para mais vos amar, e sempre vos servir, na pessoa  dos Senhores Bispos e Sacerdotes Diocesanos e demais irmãos. Amém.

VI.2.9- LADAINHAS DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO SACERDOTE E VÍTIMA.

Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, ouvi-nos,
Cristo, atendei-nos.
Deus, Pai dos céus, tende piedade de nós!
Deus Filho, Redentor do mundo,
Deus Espírito Santo,
Santíssima Trindade, que sois um só Deus,
Jesus, Sacerdote e Vítima,
Jesus, Sacerdote para sempre, segundo a Ordem de Melquisedec,
Jesus, Sacerdote que o Pai enviou para evangelizar os pobres,
Jesus, Sacerdote que na Última Ceia, instituístes a forma perene do Sacrifício,
Jesus, Sacerdote sempre vivo, intercedendo por nós,
Jesus, Pontífice que o Pai ungiu com o Espírito Santo e poder,
Jesus, Pontífice assumido dentre os homens,
Jesus, Pontífice constituído pelos homens,
Jesus, Pontífice da nossa fé,
Jesus, Pontífice de glória muito maior que a de Moisés,
Jesus, Pontífice dos verdadeiros tabernáculos,
Jesus, Pontífice dos bens futuros,
Jesus, Pontífice santo, inocente e imaculado,
Jesus, Pontífice fiel e misericordioso,
Jesus, Pontífice de Deus e cheio de zelo pelos homens,
Jesus, Pontífice perfeito para sempre,
Jesus, Pontífice que penetrastes nos céus com o próprio Sangue,
Jesus, Pontífice que iniciastes para nós a Nova Aliança,
Jesus, Pontífice que nos amastes e lavastes os nossos pecados com o vosso Sangue
Jesus, Pontífice que oferecestes a vós mesmo ao Pai como Hóstia e Oblação,
Jesus, Hóstia de Deus e dos homens,
Jesus, Hóstia santa e imaculada,
Jesus, Hóstia que aplaca a justiça divina,
Jesus, Hóstia pacífica,
Jesus, Hóstia de propiciação e de louvor,
Jesus, Hóstia de reconciliação e de paz,
Jesus, Hóstia, pela qual temos confiança e acesso a Deus Pai,
Jesus, Hóstia vivente pelos séculos eternos,
Sede-nos propício, perdoai-nos, ó Senhor!
Sede-nos propício, ouvi-nos, Senhor!
Da participação indigna do sacerdócio, livrai-nos, Senhor!
Do pecado de sacrilégio,
Do espírito de impureza,
Dos desejos desonestos,
Do pecado de simonia,
Do indigno exercício do ministério sacerdotal,
Do apego ao mundo e as suas vaidades,
Da indigna celebração dos sagrados mistérios,
Pelo vosso eterno sacerdócio,
Pela santa unção pela qual fostes constituído Sacerdote por Deus Pai,
Pelo vosso espírito sacerdotal,
Pelo  ministério, para o qual  o vosso Pai celeste vos enviou ao mundo,
Pelo sacrifício cruento pelo qual vos oferecestes por nós sobre a Cruz,
Pelo mesmo sacrifício que, de modo incruento, se renova todos os dias em nossos altares,
Pelo poder divino, pelo qual continuais a exercer invisivelmente o vosso Sacerdócio,
Para que vos digneis conservar o Ministério Sacerdotal em nossa santa religião, Nós vos pedimos, ouvi-nos!
Para que vos digneis conceder ao vosso povo, Sacerdotes segundo o vosso Coração,
Para que vos digneis fazer os vossos Sacerdotes cheios do vosso espírito sacerdotal,
Para que vos digneis conservar os vossos sacerdotes cheios da vossa sabedoria,
Para que vos digneis enviar dignos operários para a vossa Messe,
Para que vos digneis multiplicar os dispensadores dos vossos mistérios,
Para que eles sejam perseverantes em fazer a vossa vontade, como servos fiéis,
Para que vos digneis conceder-lhes a mansidão e a constância na oração em sua ação pastoral,
Para que eles promovam por toda a parte um digno culto ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia,
Para que eles, após terem exercido santamente o seu Ministério, possam ser recebidos na vossa alegria eterna,
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!
Oremos: Ó Deus, santificador e protetor da vossa Igreja, suscitai nela, pelo vosso Espírito Santo, idôneos e fiéis dispensadores dos vossos mistérios, para que, pelo seu ministério, o vosso povo seja guiado pelo caminho da salvação, sob a vossa misericordiosa proteção. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém.

VI.2.10- LADAINHA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS.

Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós,
Jesus Cristo, ouvi-nos,
Jesus Cristo, atendei-nos,
Deus, Pai Celestial, Tende piedade de nós!
Deus Filho, Redentor do mundo,
Deus, Espírito Santo,
Santíssima Trindade, que sois um só Deus,
Coração de Jesus, Filho do Pai Eterno,
Coração de Jesus, formado pelo Espírito Santo no seio da Virgem Mãe,
Coração de Jesus, unido substancialmente ao Verbo de Deus,
Coração de Jesus, de majestade infinita,
Coração de Jesus, templo santo de Deus,
Coração de Jesus, casa de Deus e porta do céu,
Coração de Jesus, fornalha ardente de caridade,
Coração de Jesus, receptáculo de justiça e de amor,
Coração de Jesus, cheio de bondade e de amor,
Coração de Jesus, abismo de todas as virtudes,
Coração de Jesus, digníssimo de todo o louvor,
Coração de Jesus, Rei e centro de todos os corações,
Coração de Jesus, no qual estão todos os tesouros de sabedoria e ciência,
Coração de Jesus, no qual habita toda a plenitude da divindade,
Coração de Jesus, no qual o Pai põe todas as suas complacências,
Coração de Jesus, de cuja plenitude nós todos recebemos,
Coração de Jesus, desejo das colinas eternas,
Coração de Jesus, paciente e misericordioso,
Coração de Jesus, rico para todos os que vos invocam,
Coração de Jesus, fonte de vida e santidade,
Coração de Jesus, propiciação pelos nossos pecados,
Coração de Jesus, saturado de opróbrios,
Coração de Jesus, triturado de dor por causa de nossos crimes,
Coração de Jesus, feito obediente até a morte,
Coração de Jesus, atravessado pela lança,
Coração de Jesus, fonte de toda a consolação,
Coração de Jesus, nossa vida e ressurreição,
Coração de Jesus, vítima dos pecadores,
Coração de Jesus, salvação dos que  esperam em vós,
Coração de Jesus, esperança dos que morrem em vós,
Coração de Jesus, delícia de todos os santos,
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!
Jesus, manso e humilde de Coração,
Fazei o nosso coração semelhante ao vosso.
Oremos: Deus, Onipotente e Eterno, olhai para o Coração de vosso Filho diletíssimo, e para os louvores e satisfações que ele, em nome dos pecadores, vos tributa; e, aos que imploram a vossa misericórdia, concedei benigno, o perdão em nome do vosso Filho Jesus Cristo, que convosco vive e reina, pelos séculos dos séculos. Amém.

 

VI.2.11- LADAINHA DO SS. NOME DE JESUS.

Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, ouvi-nos,
Cristo, atendei-nos,
Deus, Pai dos céus, tende piedade de nós!
Deus Filho, Redentor do mundo,
Deus Espírito Santo,
Santíssima Trindade, que sois um só Deus,
Jesus, Filho de Deus vivo,
Jesus, esplendor do Pai,
Jesus, candor da luz eterna,
Jesus, Rei da glória,
Jesus, sol de justiça,
Jesus, Filho da Virgem Maria,
Jesus, amável,
Jesus, admirável,
Jesus, Deus forte,
Jesus, pai do século futuro,
Jesus, Anjo do grande conselho,
Jesus, poderosíssimo,
Jesus, pacientíssimo,
Jesus, obedientíssimo,
Jesus, manso e humilde de coração,
Jesus, amante da castidade,
Jesus, que nos honrais com o vosso amor,
Jesus, Deus da paz,
Jesus, autor da vida,
Jesus, modelo das virtudes,
Jesus, zelador das almas,
Jesus, nosso Deus,
Jesus, nosso refúgio,
Jesus, pai dos pobres,
Jesus, tesouro dos fiéis,
Jesus, Bom Pastor,
Jesus, verdadeira luz,
Jesus, sabedoria eterna,
Jesus, bondade infinita,
Jesus, Sumo e Eterno Sacerdote,
Jesus, Misericórdia Infinita,
Jesus, nosso caminho e nossa vida,
Jesus, alegria dos Anjos,
Jesus, Rei dos Patriarcas,
Jesus, Mestre dos Apóstolos,
Jesus, Doutor dos Evangelistas,
Jesus, fortaleza dos Mártires,
Jesus, luz dos Confessores,
Jesus, pureza das Virgens,
Jesus, coroa de todos os Santos,
Sede-nos propício, perdoai-nos, Jesus!
Sede-nos propício, ouvi-nos, Jesus!
Sede-nos propício, atendei-nos, Jesus!
De todo o mal, livrai-nos, Jesus!
De todo o pecado,
Da vossa ira,
Das ciladas do demônio,
Do espírito de impureza,
Da morte eterna,
Do desprezo das vossas divinas inspirações,
Pelo mistério da vossa santa Encarnação,
Pelo vosso nascimento,
Pela vossa infância,
Pela vossa vida toda divina,
Pelos vossos trabalhos,
Pela vossa agonia e Paixão,
Pela vossa Cruz e desamparo,
Pelos vossos sofrimentos,
Pela vossa morte e sepultura,
Pela vossa ressurreição,
Pela vossa ascensão aos céus,
Pela vossa instituição da Santíssima Eucaristia,
Pelas vossas alegrias,
Pela vossa glória,
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Jesus!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Jesus!
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós!
Jesus, ouvi-nos!
Jesus, atendei-nos!
Oremos: Senhor Jesus Cristo, que dissestes: “Pedi e recebereis, buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á”, ouvi nosso pedido. Concedei-nos o afeto do vosso divino amor, para que vos amemos de coração, boca e obras, e sem cessar vos louvemos. Vós, que viveis e reinais, pelos séculos dos séculos. Amém.

VI.2.12- LOUVORES À MISERICÓRDIA DIVINA.

 

Misericórdia Divina, que brota do seio do Pai, eu confio em vós!
Misericórdia Divina, atributo máximo de Deus,
Misericórdia Divina, mistério inefável,
Misericórdia Divina, fonte que brota do mistério da Santíssima Trindade,
Misericórdia Divina, que nenhuma mente, nem Angélica, nem humana, pode perscrutar,
Misericórdia Divina, da qual provém toda vida e felicidade,
Misericórdia Divina, mais sublime que os céus,
Misericórdia Divina, fonte de milagres e prodígios,
Misericórdia Divina, que envolve o universo todo,
Misericórdia Divina, que desce ao mundo na Pessoa do Verbo Encarnado,
Misericórdia Divina, que brotou da Chaga aberta do Coração de Jesus,
Misericórdia Divina, encerrada no Coração de Jesus para nós e sobretudo para os pecadores,
Misericórdia Divina, imperscrutável na instituição da Eucaristia,
Misericórdia Divina, no Sacramento do Santo Batismo,
Misericórdia Divina, na justificação por Jesus Cristo,
Misericórdia Divina, que nos acompanha por toda a vida,
Misericórdia Divina, que nos envolve de modo particular na hora da morte,
Misericórdia Divina, que nos concede a vida imortal,
Misericórdia Divina, que nos acompanha em todos os momentos da vida,
Misericórdia Divina, que nos defende do fogo do inferno,
Misericórdia Divina, na conversão dos pecadores,
Misericórdia Divina, enlevo para os Anjos, inefável para os Santos,
Misericórdia Divina, insondável em todos os mistérios divinos,
Misericórdia Divina, que nos eleva de toda miséria,
Misericórdia Divina, fonte de nossa felicidade e alegria,
Misericórdia Divina, que do nada nos chama para a existência,
Misericórdia Divina, que abrange todas as obras de suas mãos,
Misericórdia Divina, que coroa tudo o que existe e existirá,
Misericórdia Divina, na qual todos somos imersos,
Misericórdia Divina, doce consolo para os corações atormentados,
Misericórdia Divina, única esperança dos desesperados,
Misericórdia Divina, repouso dos corações, paz em meio ao terror,
Misericórdia Divina, delícia e êxtase dos Santos,
Misericórdia Divina, que desperta a confiança onde não há esperança,

Oremos: Ó Deus Eterno, em quem a Misericórdia é insondável, e o tesouro da compaixão é inesgotável, olhai propício para nós e multiplicai em nós a vossa Misericórdia, para que não desesperemos nos momentos difíceis, nem esmoreçamos, mas nos submetamos com grande confiança à vossa santa vontade, que é amor e a própria Misericórdia. Amém. ( Do Diário de Santa Faustina, nn.949-950).

VI.2.14 – ORAÇÃO À MISERICÓRDIA DIVINA.

Ó Deus de grande Misericórdia, Bondade infinita, eis que hoje a humanidade toda clama do abismo da sua miséria à vossa Misericórdia, à vossa compaixão, e clama com sua potente voz de miséria. Deus clemente, não rejeiteis a oração dos exilados desta Terra. Senhor, Bondade inconcebível, que conheceis profundamente a nossa miséria e sabeis que com nossas próprias forças não temos condições de nos elevar até vós; por isso vos suplicamos, adiantai-vos ao nosso pedido com vossa graça e multiplicai em nós sem cessar a vossa Misericórdia, para que possamos cumprir a vossa santa vontade durante toda a nossa vida e na hora da morte. Que o poder da vossa Misericórdia nos defenda dos ataques dos inimigos da nossa salvação, para que aguardemos com confiança, como vossos filhos, a vossa vinda última, dia que somente a vós é conhecido, e esperamos que alcançaremos tudo que nos foi prometido por Cristo, apesar de toda a nossa miséria, porque Cristo é a nossa confiança; pelo seu Coração misericordioso, como por uma porta aberta, entrarmos no céu (Santa Faustina, Diário, n. 1570).

VI.2.15 – PELA IGREJA E PELOS SACERDOTES.

Ó meu Jesus, peço-vos por toda a Igreja; concedei-lhe o amor e a luz do Espírito Santo. Dai força às palavras dos Sacerdotes, para que os corações empedernidos se estremeçam e voltem a vós, Senhor.
Senhor, dai-nos santos Sacerdotes e vós mesmo conservai-os em santidade. Ó Divino e Sumo Sacerdote, que o poder da vossa Misericórdia os acompanhe por onde andarem e os proteja contra as maquinações que o demônio não cessa de armar às almas dos Sacerdotes. O poder de vossa Misericórdia, ó Senhor, destrua tudo o que poderá ofuscar a santidade do sacerdote, porque vós tudo podeis . Peço-vos, Jesus, abençoai com uma luz especial os Sacerdotes com os quais me devo confessar ou me aconselhar durante a minha vida. Amém. ( Santa Faustina, Diário, n. 1052).

VI.2.16- ORAÇÕES DIANTE DO SANTÍSSIMO SACRAMENTO (que podem ser rezadas durante a visita particular a Jesus Sacramentado)
Saúdo-vos, Amor escondido, vida da minha alma. Saúdo-vos, Jesus, sob essas frágeis espécies do pão. Saúdo-vos, minha Misericórdia dulcíssima, que vos derramais por todas as almas. Saúdo-vos, Bondade infinita, que derramais à vossa volta torrentes de graças. Saúdo-vos, ó Caridade velada, Luz das almas. Saúdo-vos, Fonte de Misericórdia inesgotável, Manancial puríssimo de onde brota para nós a vida e santidade. Saúdo-vos, Delícia dos corações puros. Saúdo-vos, esperança única para as almas pecadoras (Santa Faustina, Diário, n. 1733).

Hóstia santa, na qual está encerrado o testamento da Misericórdia Divina para nós, e especialmente para os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrada a vida eterna  e a infinita Misericórdia, concedida copiosamente a nós, e especialmente aos pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrada a Misericórdia do Pai, do Filho e do Espírito Santo para conosco, e especialmente para com os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrado o infinito preço da Misericórdia, que pagará todas as nossas dívidas, e especialmente as dos pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrada a fonte de água viva que brota da infinita Misericórdia para conosco, e especialmente para com os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrado o fogo do amor mais puro, que arde no seio do Pai Eterno, como num abismo de infinita Misericórdia para conosco, e especialmente para com os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrado o remédio para todas as nossas doenças, que flui da infinita Misericórdia, como de uma fonte para nós, e especialmente para os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual está encerrada a união entre Deus e nós, pela infinita Misericórdia para conosco e, especialmente para com os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, na qual estão encerrados todos os sentimentos do dulcíssimo Coração de Jesus para conosco e, especialmente para com os pobres pecadores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em todos os sofrimentos e contrariedades da vida, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em meio às trevas e às tempestades interiores e exteriores, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança na vida e na hora da morte, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em meio aos insucessos e às profundas incertezas, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em meio às falsidades e às traições, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança entre as trevas e a perversidade que cobre a Terra, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em meio à saudade e à dor, em que ninguém nos compreende, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em meio ao labor e à monotonia da vida cotidiana, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, nossa única esperança em meio à destruição das nossas esperanças e dos nossos esforços, eu vos adoro e confio em vós.
Hóstia santa, confio em vós, quando as dificuldades superarem as minhas forças, quando eu ver inúteis os meus esforços.
Hóstia santa, confio em vós, quando as tempestades agitarem o meu coração e o espírito atemorizado inclinar-se para a dúvida.
Hóstia santa, confio em vós, quando os meus trabalhos superarem as minhas forças, e quando o insucesso me acompanhar continuamente.
Hóstia santa, confio em vós, quando o cumprimento da virtude me parecer difícil e quando a natureza se revoltar.
Hóstia santa, confio em vós, quando os golpes do inimigo forem desferidos contra mim.
Hóstia santa, confio em vós, quando os trabalhos e esforços forem condenados pelos homens.
Hóstia santa, confio em vós, quando o meu coração tremer e quando o suor mortal cobrir a minha fronte.
Hóstia santa, confio em vós, quando tudo conspirar contra mim e o negro desespero penetrar em minha alma.
Hóstia santa, confio em vós, quando o meu olhar se apagar para tudo o que é terrestre, e o meu espírito ver pela primeira vez os mundos desconhecidos.
Hóstia santa, confio em vós, quando soar o vosso juízo sobre mim; então, confio no oceano da vossa Misericórdia. (Santa Faustina, Diário, n. 356).

VI.2.17- ORAÇÃO DOS IRMÃOS ASSISTENTES.
Ó Jesus Cristo Sacerdote, sempre compassivo para com os enfermos, preocupado com as multidões famintas, sensível para com os que sofrem, emocionado diante das devastações da morte, ouvi bondoso a minha oração por aqueles que um desígnio insondável da vossa Providência entregou aos meus cuidados.
Dai-lhes a tranqüilidade de espírito, a conformidade e a resignação, a paz interior e a alegre esperança cristã.
Dai-me, possa cuidar de cada um deles como se estivesse cuidando de vós. Que em cada semblante eu perceba os traços e o esplendor da vossa Face Sagrada.
Que, ao cuidar deles, pensando-lhes as feridas, acudindo-os em seus achaques, suportando-os nas suas impertinências, próprias da idade e da doença, eu não me deixe jamais vencer pela impaciência, nem pelo constrangimento, mas tudo faça com sobrenatural empenho por lhes ser útil e de alívio.
Que eu me acostume a ouvir em todos os pedidos que eles me dirigirem, a vossa voz bendita, pedindo, suplicando... Que eu responda, então, com mais generosa solicitude e entranhado amor!
Ajude-me, Senhor, o maternal carinho de vossa Mãe, a querer bem, a servir bem, a amar de coração sincero esses meus queridos Sacerdotes assistidos, para que um dia possam realmente ser, na Pátria celeste, minha glória e minha coroa de felicidade eterna, junto a vós, com o Pai e o Espírito Santo. Amém.

VI.2.18- ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES.
Ó Jesus, Pastor Divino das almas, que chamastes os Apóstolos para serem pescadores de homens, tomai agora os corações ardentes e generosos dos nossos jovens e fazei-os vossos seguidores e ministros.Tornai-os participantes da vossa sede de redenção universal, pela qual renovais sobre o altar o vosso Sacrifício.
Ó Senhor, “sempre vivo para interceder por nós”, abri-lhes os horizontes de todo o mundo, onde o suplicar mudo de tantos irmãos, pede luz de verdade e calor de amor, a fim de que, respondendo ao vosso chamamento, prolonguem na terra a vossa missão, edifiquem o vosso Corpo Místico, que é a Igreja, e sejam “sal da terra e luz do mundo”. Amém ( Paulo VI).

VI.2.19- ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES E PELOS SACERDOTES.
Divino Salvador, que nos ensinastes a rezar: “Mandai, Senhor, operários para a vossa messe”, dignai-vos suscitar nas famílias cristãs, muitas vocações sacerdotais e religiosas. Ilustrai a fé dos fiéis, a fim de que compreendam a grandeza desta santa vocação e fortalecei a vontade dos escolhidos, para que sejam generosos em seguir o vosso chamamento.
Ofereço-vos, Senhor, pelas mãos de nossa Mãe, Maria Santíssima, a Missa, a Comunhão, o Terço, todas as orações e trabalhos, todas as alegrias e sofrimentos deste dia, pela santificação dos sacerdotes e pelas vocações sacerdotais e religiosas.
V/- Enviai, Senhor, à vossa Igreja,
R/- Santos sacerdotes e fervorosos religiosos!
V/- Sagrado Coração de Jesus, Modelo de coração sacerdotal,
R/- Santificai os vossos sacerdotes!
V/- Jesus, Bom Pastor, que dais a vida pelas vossas ovelhas, R/- Santificai...
V/- Jesus, que pelas almas vos sacrificastes na Cruz, R/- Santificai...
V/- Jesus, Vítima Divina dos nossos altares, R/- Santificai...
V/- Jesus, prisioneiro dos nossos tabernáculos, R/- Santificai...
V/- Jesus, Rei de amor, que desejais reinar em nossas almas, R/- Santificai...
V/- Jesus, Rei de amor, que desejais reinar em nossas famílias, R/- Santificai...
V/- Jesus, Rei de amor, que desejais reinar em nossa sociedade, R/- Santificai...
V/- Jesus, consolo dos que sofrem, R/- Santificai...
V/- Jesus, luz dos que procuram a verdade, R/- Santificai...
V/- Jesus, que desejais que vossos padres sejam o sal da terra e a luz do mundo, R/-Santificai...
 
VI.2.20- SENHOR, MOSTRAI-NOS A VOSSA FACE E SEREMOS SALVOS.
Ó Bom Jesus, que quereis salvar o mundo de hoje com o mesmo infinito amor com que o criastes e redimistes, incluí-me entre aqueles que trabalham pelo triunfo do vosso amor na terra. Recebei para este fim, todo o meu ser! Disponde de mim! Quero difundir a imagem de vossa divina Face, para que, em todas as almas, a vossa imagem substitua para sempre a imagem do ódio, do egoísmo e da sexolatria.
Ó Jesus, chamai apóstolos que se encarreguem desta missão. Em vosso amor misericordioso e onipotente, convertei as nações, afastai os males do ateísmo militante e prático, e renovai a terra com a força e luz do vosso Divino Espírito Santo, e que todos nós, redimidos pelo vosso sangue e unidos filialmente à Sempre Virgem Maria no seu “Sim”permanente à vontade de Deus, caminhemos na tranqüilidade da ordem e na fidelidade do amor e da paz neste mundo, rumo à Vida Eterna. Amém. ( Pe. Januário Baleeiro, OCS).

VI.2.21- Dai-me, benigníssimo Jesus, a inteligência que vos entenda, a sabedoria que vos encontre, a vontade que vos ame, o ato que vos glorifique, os ouvidos que vos ouçam, os olhos que vos vejam, a língua que vos louve, a paciência que receba com amor os males permitidos. Dai-me a feliz ressurreição, e, como prêmio, a eterna Luz de vossa Beleza. Amém (Oração atribuída a São Bento).

VI.2.22- ORAÇÃO PELAS VOCAÇÕES, FIÉIS E PERSEVERANTES.
Ó meu Jesus Cristo Sacerdote, por vosso infinito amor ao Pai, ao Espírito Santo, à vossa Mãe Santíssima e a São José, concedei-me a imensa graça de enviar-nos Sacerdotes e Religiosos santos e perseverantes, que sejam ostensórios vivos de vossa Divina Face, em cuja luz as almas sejam iluminadas e fortificadas na fé, na esperança e no amor e na filial devoção à Virgem Maria, vossa e nossa Mãe e ao vosso Vigário na Terra, o Santo Padre, o Papa. Amém.( Pe. Januário Baleeiro, OCS). 

VI.2.23- Oração ao Menino Jesus de Praga,por intercessão de Maria Santíssima.
Ó Jesus, que dissestes: “Pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e abrir-se-vos-á”, por intermédio de Maria, vossa Mãe Santíssima, eu bato, procuro e vos rogo que seja a minha prece atendida- ( Menciona-se o pedido).
Ó Jesus, que dissestes: “Tudo o que pedirdes ao Pai em meu Nome, ele atenderá”- por intermédio de Maria, vossa Mãe Santíssima, humildemente rogo ao vosso Nome, que minha oração seja atendida.
Ó Jesus, que dissestes: “O Céu e a terra passarão, mas a minha palavra não passará”- por intermédio de Maria, vossa Mãe Santíssima, de São José, seu castíssimo esposo, confio que a minha oração será ouvida.
(Rezar um Pai-Nosso, 3 Ave-Marias e uma Salve Rainha).

 

VI.3- ORAÇÕES AO DIVINO ESPÍRITO SANTO.

VI.3.1- Ó Fogo Espiritual, Vida de todas as criaturas,
Vós sois Santo e nos dais a vida;
Vós sois Santo e salvais quem caiu no pecado;
Vós sois Santo e curais as feridas!
Ó Harmonia poderosa, presente em todas as coisas,
Nos céus, na terra e em todos os insondáveis abismos:
Vós reunis e tudo conduzis à unidade.
Por meio de vós, movem-se as nuvens,
Sopra o vento, molham-se as pedras,
As fontes brotam e fazem correr os regatos,
Gerando vida à face da terra.
Vós levantais os oprimidos
Que, com sabedoria, buscam a felicidade.
Por tudo isto, nós elevamos a vós a nossa oração,
A vós, que sois a Harmonia do louvor,
A alegria suprema da vida,
A esperança mais profunda,
A honra mais alta,
A oferta mais brilhante de luz.
(Ildegarda de Bingen, séc. XI, comentários ao Sl 104).

VI.3.2-Ó Espírito Santo,
Amor do Pai e do Filho, inspirai-me sempre o que devo pensar, o que devo dizer, como o devo dizer, o que devo calar, o que devo escrever. Inspirai-me como devo agir e o que devo fazer, para promover a vossa glória, o bem das almas e a minha própria santificação. Amém.

VI.3.3- Ó Espírito Santo,
Dai-nos corações grandes,
Abertos a vossa silenciosa e forte Palavra inspiradora,
E fechados a todas as ambições mesquinhas;
Dai-nos corações alheios
A qualquer desprezível competição humana,
E compenetrados do sentido da Santa Igreja;
Dai-nos corações grandes,
Desejosos de se tornarem semelhantes
Ao manso e humilde Coração de Cristo Sacerdote;
Dai-nos corações grandes e generosos,
Para superar todas as provações,
Todo tédio, todo cansaço,
Toda desilusão, todas as ofensas;
Dai-nos corações grandes e humildes
Até o sacrifício, quando necessário;
Corações cuja felicidade
Seja palpitar com o Coração Sacerdotal de Jesus,
E cumprir fielmente,
Toda a vontade do Pai Celeste. Amém.
(Paulo VI).

 

 

VI.4- ORAÇÕES A MARIA SANTÍSSIMA.

VI.4.1- Consagração a Nossa Senhora das Vitórias.
Ó Nossa Senhora das Vitórias, Mãe de Deus e Nossa, Vencedora de todo o mal, desde a vossa Imaculada Conceição, vinde em nosso auxílio. Rodeados de males de todo gênero, consagramo-nos inteiramente a vós, para todo o sempre, na certeza de que, em vosso Coração Imaculado, encontraremos o maternal refúgio e a vitória certa para vencer todos os nossos inimigos espirituais e temporais, presentes e futuros. Ó Virgem e Imaculada Mãe, alcançai-nos a graça de vencer, definitivamente, a desordem de nossas paixões, a sedução do mundo e a perfídia de satanás. Queremos ser para sempre Oblatos vossos e do vosso Divino Filho, Jesus Cristo Sacerdote! Aceitai-nos, com todas as nossas fraquezas e misérias e com todo o bem que, por vós auxiliados, pudermos fazer, tudo oferecendo, por vosso intermédio, a Jesus Cristo Sacerdote, para a glória de Deus Pai, no Amor do Espírito Santo, pela santificação dos Bispos e Sacerdotes Diocesanos. Amém. (Oração composta originariamente por nosso Fundador, Pe. Januário Baleeiro, OCS).

VI.4.2- Ato de Consagração à Virgem Imaculada.
Virgem Imaculada, minha Mãe, Maria Santíssima, eu renovo, hoje e sempre, a consagração a vós de todo o meu ser, para que disponhais de mim para o bem de todos. Somente vos peço que eu possa, minha Rainha e Mãe da Igreja, cooperar fielmente com a missão de construir o Reino do vosso Filho Jesus no mundo. Para isso vos ofereço as minhas orações, meus sacrifícios e minhas ações. Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós , e por todos quantos a vós não recorrem, de modo especial pelos inimigos da Santa Igreja e por aqueles que a vós estão recomendados (São Maximiliano Maria Kolbe).

VI.4.3- Oração à Virgem Santíssima, pedindo o equilíbrio cristão-
Virgem-Mãe de Deus e dos homens, Maria, nós vos pedimos o dom do equilíbrio cristão, tão necessário à Igreja e ao mundo de hoje.
Livrai-nos do mal e de nossa mesquinhez; salvai-nos dos mitos e das ilusões; do desânimo e do orgulho; da timidez e da auto-suficiência; da ignorância e da presunção; do erro e da dureza de coração. Dai-nos a tenacidade no esforço, a calma no insucesso, a coragem para recomeçar, a humildade no êxito feliz.
Abri nossos corações à santidade! Concedei-nos uma perfeita simplicidade, um coração puro, o amor à verdade e ao essencial; força para nos empenharmos sem cálculo algum; lealdade para conhecer e respeitar nossas limitações.
Alcançai-nos a graça de saber aceitar e viver a Palavra de Deus!
Concedei-nos o dom da Oração!
Abri os nossos corações a Deus!
Pedimo-vos o amor à Igreja, assim como o vosso Filho a quis, para participar nela e com ela, em fraterna comunhão com todos os Membros do Povo de Deus, hierarquia e fiéis, na salvação dos homens, nossos irmãos.
Inspirai nos homens, compreensão, respeito, misericórdia e amor.
Abri nossos corações aos outros!
Mantende-nos no empenho de viver e aumentar este equilíbrio, que é fé e esperança; sabedoria e retidão; espírito de iniciativa e prudência; abertura e interioridade; doação total e amor!
Santa Maria, Mãe da Igreja e Nossa Mãe, nós nos entregamos a vossa ternura. Amém.

VI.4.4- Consagração à Nossa Senhora da Conceição Aparecida.
Ó Maria Santíssima, que em vossa querida Imagem de Aparecida, espalhais inúmeros benefícios sobre todo o Brasil, eu, embora indigno de pertencer ao número dos vossos filhos e filhas, mas cheio do desejo de participar dos benefícios de vossa misericórdia, prostrado a vossos pés, consagro-vos o meu entendimento, para que sempre pense no amor que mereceis. Consagro-vos minha língua, para que sempre  vos louve e propague a vossa devoção. Consagro-vos o meu coração, para que, depois de Deus, vos ame sobre todas as coisas.
Recebei-me, ó Rainha incomparável, no ditoso número de vossos filhos e filhas. Acolhei-me debaixo de vossa proteção. Socorrei-me em todas as minhas necessidades espirituais e temporais e, sobretudo, na hora de minha morte.
Abençoai-me, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão, fortalecei-me em minha fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possa louvar-vos, amar-vos e dar-vos graças no céu, por toda a eternidade. Assim seja.

VI.4.5-ORAÇÃO À MARIA SANTÍSSIMA PELOS SACERDOTES:
Reunidos diante de vós, ó Imaculada Virgem Maria, com alegria vos proclamamos “Mãe dos Sacerdotes”, e invocamos o vosso auxílio.
Vós sois a Mãe de Cristo, único e eterno Sacerdote, fonte e plenitude do sacerdócio para todo o povo de Deus.
A vossa divina maternidade chamou-vos perto da Cruz para unir-vos, de forma singular, à oferta imaculada que Cristo, vosso Filho, fez ao Pai.
Naquela hora suprema, Jesus vos confiou, no discípulo João, em particular, os ministros sagrados.
Por isso, invocando-vos como Mãe dos Sacerdotes, vos pedimos acolher no vosso Coração os ministros da Igreja e lhes dar toda a vossa proteção.
Mostrai-vos Mãe de todos os padres: confirmai os fervorosos no amor, consolai os atribulados, e daí novo fervor aos cansados.
Curai os que têm o coração ferido, para que todos permaneçam no Coração Sacerdotal de Jesus, ou voltem para ele.
Acompanhai os que deixam o ministério, para que continuem a crer em vosso Filho,  no seu amor, na sua misericórdia, e assim, não se percam.
No árduo caminho da formação, guiai os jovens que Jesus está chamando, para torná-los seus discípulos e enviá-los a anunciar o Reino.
Ajudai-os a crescer no amor do vosso Filho e na dedicação generosa a seus irmãos.
Intercedei, enfim, ó Mãe de misericórdia, para que todos os sacerdotes, sustentados até o fim pela vossa ajuda, cantem eternamente convosco o hino de louvor na liturgia do Céu. Amém.
 

 

 

VI.5- ORAÇÕES A SÃO JOSÉ.
VI.5.1- Ó São José, fidelíssimo Tesoureiro dos benefícios de Deus, atendei às súplicas dos Oblatos de Cristo Sacerdote e de Nossa Senhora das Vitórias. Confiamo-nos inteiramente ao vosso especial Patrocínio e vos pedimos nos alcanceis a graça de crescente união com Deus, na vida interior, no amor de oblação sempre fiel, na vigilância e na oração, na humildade, castidade, pobreza e obediência. Alcançai-nos também, ó querido São José, a perseverança final na fidelidade a Cristo Sacerdote e à Nossa Senhora das Vitórias, através da observância generosa das nossas Constituições. Obtende-nos, outrossim, numerosas e santas Vocações para a nossa Congregação e para todo o Clero Secular e Regular. Amém.

VI.5.2- Consagração a São José:
São José, homem justo e reto! Deus vos escolheu como casto esposo e protetor de Maria Santíssima, por causa do vosso santo amor e sincero de responsabilidade.
Impelido por este conselho divino, escolho hoje a vós como meu Pai Espiritual, protetor e conselheiro; refugio-me sob a vossa proteção, confiando a vós o meu corpo e minha alma e também a Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, a qual pertenço por chamado divino.
Estou seguro de que vós me protegereis e afastareis de mim todos os perigos de pecado, especialmente o da impureza.
Quero seguir vossos conselhos para encontrar em cada momento o caminho que Deus para mim providenciar e as pessoas que neste caminho Ele quer colocar ( seguem intenções especiais).
Como vós, santíssimo José, protegestes Maria Santíssima, Virgem e Mãe, como casto esposo, e ao Filho de Deus encarnado, o Divino Menino Jesus, assim vou, também eu, gozar da vossa proteção paternal e, atravessando o caminho desta vida, chegar à Pátria celestial. Assim seja.

VI.5.3- Ladainha de São José:
Senhor, tende piedade de nós,
Cristo, tende piedade de nós,
Senhor, tende piedade de nós.
Cristo, ouvi-nos.
Cristo, atendei-nos.
Deus Pai celestial, tende piedade de nós!
Deus Filho, Redentor do mundo,
Deus Espírito Santo,
Santíssima Trindade, que sois um só Deus,
Santa Maria, rogai por nós!
São José,
Ínclito descendente de Davi,
Luz dos patriarcas,
Esposo da Mãe de Deus,
Casto guarda da Virgem Santíssima,
Sustentador do Filho de Deus,
Chefe da Sagrada Família,
José justíssimo,
José castíssimo,
José prudentíssimo,
José fortíssimo,
José obedientíssimo,
José fidelíssimo,
Espelho de paciência,
Amante da pobreza,
Modelo dos operários,
Honra da vida doméstica,
Guarda das virgens,
Amparo das famílias,
Consolo dos míseros,
Esperança dos enfermos,
Padroeiro dos moribundos,
Terror dos demônios,
Protetor da Santa Igreja,
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.
Constituiu-o senhor de sua casa,
E príncipe de todas as suas possessões.
Oremos: Ó Deus, que por uma inefável providência vos dignastes escolher o bem-aventurado São José para esposo de vossa Mãe Santíssima; concedei-nos que aquele mesmo que na terra veneramos como protetor, mereçamos tê-lo no céu por nosso intercessor. Vós que viveis e reinais por todos os séculos. Amém.

VI.5.4- Ó São José, protetor das virgens, guarda fiel, a quem Deus confiou Jesus, que é a inocência mesma, e Maria, a Virgem das virgens, eu vos peço e rogo, por Jesus e Maria, esse dúplice depósito a vós tão querido, que me livreis de toda a mancha, e que com a alma incontaminada, o coração puro e o corpo casto, sirva inocentemente a Jesus e Maria. Amém.

 

VII PARTE- NOSSOS SANTOS PATRONOS.

VII.1- OS ARCANJOS SÃO MIGUEL, SÃO GABRIEL E SÃO RAFAEL.

Miguel (Quem como Deus?) é o Arcanjo que se insurgiu contra satanás e os seus seguidores ( Jd 9; Ap 12,7; cf. Zc 13, 1-2), defensor dos amigos de Deus ( Dn 10, 12.21), protetor de seu povo ( Dn 12,1), Príncipe dos exércitos celestes.
Gabriel ( Força de Deus) é um dos espíritos que estão diante de Deus ( Lc 1,19), revela a Daniel os segredos do plano de Deus ( Dn 8,16; 9,21-22), anuncia a Zacarias o nascimento de João Batista ( Lc 1, 11-20) e a Maria, o de Jesus ( Lc 26-38).
Rafael ( Deus curou), ele também entre os sete Anjos que estão diante do trono de Deus ( Tb 12,15; cf Ap 8,2), acompanha e protege Tobias nas peripécias de sua viagem e cura-lhe o pai cego.
A Igreja peregrina sobre a terra, especialmente na Liturgia Eucarística, associa-se às multidões dos Anjos que na Jerusalém celeste cantam a glória de Deus ( cf.  Ap 5,11-14; SC 8). Sua Festa é celebrada no dia 29 de setembro. No dia 2 de outubro celebra-se a Memória dos Santos Anjos da Guarda. A devoção aos Santos Arcanjos e Anjos, arraigada em nossa Família Religiosa desde os primeiros momentos da Fundação, recorda-nos a presença de Deus e o nosso dever de associar-nos à Liturgia celeste, onde estes nossos “Irmãos e Amigos”servem a Santíssima Trindade e louvam a Deus por nós, tão mergulhados nas lutas e preocupações desta terra de peregrinos. Eles nos protegem contra as tentações do maligno e nos perigos de nossa caminhada rumo à Pátria celeste.

VII.1.1- Oração da Missa: Senhor, Deus do Universo, que estabelecestes com admirável providência as funções dos Anjos e dos homens, concedei propício, que as nossas vidas sejam protegidas por São Miguel, São Gabriel e São Rafael e pelos demais Arcanjos e Anjos que vos assistem e servem nos céus. Por Nosso Senhor Jesus Cristo vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.2- SÃO FRANCISCO DE SALES, PATRONO DOS BISPOS.

Quando veio ao mundo no dia 21 de agosto de 1567, no castelo de Thorens, na Savoia, seu pai já o imaginava como futuro advogado, cheio de glória e de prestígio. A mãe o educou para o sentido cristão da vida, à oração e ao amor aos pobres. Não longe estava Genebra, calvinista e separada da Igreja. Francisco cresceu fidelíssimo ao Papa e à Igreja Católica. Com dez anos, recebeu a Primeira Comunhão e a Crisma. Aos onze anos de idade, desiludindo as esperanças do pai, quis receber a tonsura, como alguém que se preparava ao sacerdócio. Quando completou quinze anos, foi estudar em Paris, no Liceu Clermont, dirigido pelos jesuítas. Ali recebeu uma educação humanista excepcional, mas Cristo o atraía mais que as letras. Seu relacionamento com Ele se fez intenso e luminoso, como o demonstrava seu estilo de vida entre os companheiros que o viam aproximar-se dos Sacramentos da Confissão e da Comunhão todo domingo. Em 1588, seu pai o mandou à Pádua para estudar Direito na Universidade. Juntamente com o Direito, estudou o hebraico, a S. Escritura, a teologia e os Padres da Igreja e distinguia-se pela nobreza e pureza de vida. Era já um amigo íntimo de Cristo! Dentro de três anos, doutorou-se em Direito civil e canônico e consagrou-se à Nossa Senhora. Antes de voltar à pátria, fez uma peregrinação a Loreto e, em seguida, à Roma, visitando os túmulos de São Pedro e São Paulo. Tinha apenas 25 anos quando começou a fazer parte do Senado dos Juízes de Chambery, deixando o seu pai orgulhosíssimo com isto. No entanto, Francisco disse ao pai: -“Vou fazer-me padre!” O Bispo de Genebra já o admirava pela sua preparação teológica e espiritual. Pediu que ele se preparasse por três meses e, no dia 18 de dezembro de 1693 o ordenou Sacerdote, na Sé de Annecy, onde residia, pois Genebra era dominada pelos calvinistas. Imediatamente, Francisco se lançou ao apostolado mais genuinamente sacerdotal: a pregação, as confissões, as visitas aos enfermos, a catequese. Pregava para converter ou para aproximar os irmãos de Cristo, não para exibir sua cultura, mesmo sendo considerado por todos como um homem de profunda cultura. Quem o escutava, se sentia movido a mudar de vida. Logo haveria de converter multidões, principalmente da região de Chablais, ocupada pelos calvinistas. Enfrentando o frio rigoroso e as ameaças e atentados a sua vida por parte de fanáticos calvinistas, nunca desistiu de levar em frente a sua missão. Precursor dos jornalistas e publicitários, preparava panfletos nos quais expunha a doutrina católica e, alta noite, colocava-os às portas das casas. Dava respostas aos erros, esclarecia as dúvidas, em tom seguro, mas sempre conciliador. Começou a cativar a todos, pois viam que ele era movido de um imenso amor a Cristo e que ele se fazia tudo para todos. Depois de sete meses de trabalho, a liderança dos adversários começou a ceder e vieram as conversões. Todos os que o conheceram de perto, viram que ele era um verdadeiro padre: toda manhã celebrava a Santa Missa, como se fosse a primeira e a última; duas vezes por semana se confessava; todo dia fazia uma hora de meditação e com inigualável piedade recitava fielmente o Ofício divino ( Liturgia das Horas). Entenderam: o seu segredo era só Jesus-Amor, que o impelia a fazer-se um com Ele, a semear a verdade e o amor. Sua fama foi para Turim, à Roma, a Paris. No Chablais refloresceu a Igreja Católica. Fazendo um relatório ao Papa, Francisco teve que afirmar, não obstante a sua humildade, que vinte e cinco mil pessoas haviam voltado ao catolicismo. Em 1599, o Papa Clemente VIII o chamou à Roma para ouvi-lo pessoalmente. Quando Francisco terminou de falar, o Papa se levantou para abraçar o jovem apóstolo de 32 anos. Apenas chegado a Annecy, o velho Pastor, com a autorização do Santo Padre, consagrou-o Bispo, seu auxiliar com direito à sucessão. Continuou a sua missão, com mais ardor ainda. Em  1602 foi feito Bispo de Genebra, sempre com sede em Annecy, com a morte do Bispo Mons. De Grenier. Era um modesto Bispo da Savoia, mas, que Bispo! Por vinte anos exerceu uma forte influência sobre toda a Igreja, tornando-se a Diocese de Genebra um modelo de ação pastoral de catequese dos jovens, das crianças e adultos, de instauração de mosteiros contemplativos e de Famílias Religiosas. Ele mesmo, em 1604, encontrou em Dijon uma jovem viúva, Joana Francisca de Chantal. Com ela, em 1610 deu vida à obra-prima de amor, que é a “Visitação”, Congregação Religiosa que deveria levar o amor de Deus às famílias, como Maria Santíssima à Santa Isabel. Porém, a idéia era um pouco arrojada para a época e, assim, achou melhor que essas Religiosas fossem consagradas à oração e à contemplação.
Sacerdote e Bispo, Francisco era guia de almas, um guia exigente e dulcíssimo: com os colóquios, com a confissão, com milhares de cartas. Havia uma idéia a animá-lo: Deus chama a todos, em Cristo, a serem santos, não só monges e padres, mas também homens e mulheres no matrimônio, no trabalho comum, em qualquer condição de vida. E a santidade é apenas amor, amor fiel, na simplicidade e alegria, ao Amor Infinito de Deus, revelado em Cristo, Sacerdote e Vítima, em Seu Coração de carne. Isto o ensinava nas pregações e o escreveu em suas obras, das quais recordamos as duas mais conhecidas:  “A Introdução à Vida Devota” ( A Filotéia)  e o “Tratado do Amor de Deus” ( Teótimo).
Tendo ido a Lião, já com a saúde minada pelas fadigas apostólicas, faleceu com apenas 55 anos de idade, aos 28 de dezembro de 1622. Em 1665, o Papa Alexandre VII o inscreveu entre os Santos e, em 1877, o Beato Pio IX o proclamou Doutor da Igreja, ele que, ainda com 22 anos, em Pádua, escrevera o seu programa de vida: -“À imitação do discípulo predileto, estarei sempre reclinado sobre o peito e no Coração cheio de amor, do nosso amantíssimo Salvador”. 
Sua memória é celebrada no dia 24 de janeiro.

VII.2.1- Oração da Santa Missa: Ó Deus, para a salvação da humanidade, quisestes que São Francisco de Sales se fizesse tudo para todos; concedei que, a seu exemplo, manifestemos sempre a mansidão do vosso amor no serviço a nossos irmãos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.2.2- Oração pelos Bispos- Ó Deus, que na vossa infinita misericórdia e amor pelos homens, dotastes o coração do Bispo São Francisco de Sales de amor e mansidão extraordinários, para a conquista de tantas ovelhas ao vosso rebanho, concedei aos nossos Bispos as mesmas graças, a fim de que possam ter todo o sucesso em seu ministério de Sucessores dos Apóstolos. Por Jesus Cristo, Sacerdote Eterno, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.3- SÃO JOÃO BATISTA MARIA VIANNEY, PATRONO DOS PÁROCOS.

Nasceu em Lião, na França, em 1786,filho de pobres camponeses que lhe incutiram na alma grandes virtudes cristãs. Desde pequeno, cultivava o desejo de ser Sacerdote: “- Ser padre, para ganhar muitas almas para Deus.” ( Este era o seu lema).
Devido à Revolução Francesa, que dividiu a Igreja de seu país em duas- de um lado, os padres juramentados e do outro, os padres refratários – os Vianney, como tantas outras famílias da França, foram obrigados à clandestinidade. Mesmo nessa condição, João Maria Vianney procurou dar formação cristã a seus filhos, especialmente ao pequeno João Batista Maria                        Vianney. Quando chegou à idade madura, teve que servir ao exército, mas, porque a sua vocação sacerdotal lhe falava mais forte, deixou as fileiras da pátria, para estudar latim e outras matérias, às escondidas, sob a orientação do seu pároco. Findo o período do Terror, pôde finalmente ingressar no Seminário, mas teve que enfrentar inúmeras dificuldades nos estudos de Filosofia e Teologia. Os Superiores, vendo a sua piedade e esforço, admitiram-no aos Sacerdócio e, após três anos da Ordenação, foi-lhe confiada a aldeia de Ars, lugarejo perdido entre os Pirineus, gente habituada aos bailes, às bebidas e sem religião. João Batista Maria Vianney, animado de grande desejo de ser um verdadeiro pastor, de caráter bondoso e simples, humilde e sincero, com extraordinária capacidade ao sacrifício e à penitência, com jejuns e orações contínuos, converteu primeiro a sua paróquia, transformando-a em comunidade exemplar por um período de quarenta anos. Sua pregação convertia e fortalecia a fé e a vida cristã. Possuía grande devoção à Maria Santíssima e, acima de tudo, à Sagrada Eucaristia. Logo, a sua fama começou a percorrer a França e os países vizinhos e, à hora do Catecismo, após o almoço, a igreja estava sempre lotada. O Cura d’Ars foi o Santo do Confessionário e, à medida que os anos passavam, dava sempre menos tempo ao descanso noturno, chegando ao ponto de dormir no máximo uma hora por noite, pois a fila da Confissão era sempre enorme. Enfraquecido por tantas penitências e pelo zelo sacerdotal, faleceu a 4 de agosto de 1859. Pio XI o canonizou em 1925 e, em 1929 foi proclamado Padroeiro dos Sacerdotes, principalmente dos Párocos.O Cura d’Ars foi essencialmente Sacerdote, isto é, “Mediador entre Deus e o homem pecador”, como ele mesmo se dizia.
Sua Memória litúrgica é no dia 4 de agosto, o seu “dies natalis” (dia de seu nascimento para a glória).

VII.3.1- Oração da Missa: Deus de poder e misericórdia, que tornastes São João Maria Vianney um pároco admirável por sua solicitude pastoral, daí-nos, por sua intercessão e exemplo, conquistar no amor de Cristo os irmãos e irmãs para vós e alcançar com eles a glória eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.3.2- Oração pelos Sacerdotes: Ó glorioso São João Maria Vianney, modelo do Sacerdote e do Pároco, alcançai para os nossos Sacerdotes o ardor pastoral, o espírito de renúncia e de sacrifício, o amor crescente a Deus, à Igreja e às almas, a fim de que, com zelo, alegria e entusiasmo, sejam fiéis ao seu Ministério. Possam eles imitar-vos na dedicação aos Sacramentos da Penitência e da Eucaristia, bem como à pregação da Palavra de Deus. Tenham, como vós, um terno e filial amor à Virgem Santíssima e, assim, possam perseverar no caminho do empenho pela santidade. Amém.

VII.4- SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS E DA SAGRADA FACE, PADROEIRA DAS MISSÕES.
Maria Francisca Teresa Martin nasceu em Alençon, na Normandia ( norte da França), a 2 de janeiro de 1873, última filha do piedoso casal Luis Martin e Zélia Guerin. Seus pais, na juventude, quiseram consagrar-se a Deus, na vida Religiosa, mas a vontade divina se manifestou de outro modo: casaram-se e, deste matrimônio, foram pais de cinco Religiosas, entre elas, Maria Francisca Teresa, a nossa amada Santa Teresinha, “a maior Santa dos tempos modernos”, como a chamou S. Pio X.
Dois dias após o nascimento, isto é, 4 de janeiro de 1873, a menina foi batizada na igreja de Nossa Senhora. Com apenas três anos de idade, já começou com a idéia de não recusar coisa alguma que o Bom Deus lhe pedisse. Em 1877 ( Teresa estava com apenas quatro anos de vida), morre a sua mãe, Zélia Guérin, e seu pai leva a família a Lisieux, para a casa do Tio Guérin e a família se instala nos Buissonets (16/11/1877); em 1881, Teresa é matriculada como semi-interna na Abadia das Beneditinas. Em 1883, sente-se milagrosamente curada, diante da imagem da Virgem Santíssima que lhe sorrira, de um terrível mal de que fora levada às portas da morte. No ano seguinte, no dia 8 de maio, recebeu Jesus pela primeira vez e, a 14 de junho, foi crismada pelo Bispo de Bayeux, Mons. Hugonin. No dia 29 de maio de 1887, Solenidade de Pentecostes, pede ao pai a licença de entrar no Carmelo, aos quinze anos de idade. No dia 4 de novembro do mesmo ano, vai com o pai e a sua irmã Celina, em peregrinação à Roma, passando por Milão, Veneza e Loreto, tendo a graça de participar de uma audiência com o Papa Leão XIII (20/11), a quem pediu a permissão de entrar no Carmelo com quinze anos. O Papa mostrou-se condescendente ao pedido, mas recomendou-lhe que se dirigisse ao Bispo de Bayeux, Mons. Hugonin que, a 28 de dezembro, deu uma resposta favorável. No dia 1 de janeiro de 1888, a resposta de Don Hugonin é transmitida à Teresa. Esta, a 9 de abril de 1888, deixa o convívio do pai e entra no Carmelo de Lisieux. Começa, para Teresa, a nova e tão desejada vida no Carmelo de Lisieux: de 9 de abril de 1888 a 10 de janeiro de 1889 faz o Postulantado, trabalhando na rouparia. De junho a outubro de 1888, toma conhecimento da triste doença mental que progredia em seu pai, realizando-se aquela visão que tivera por duas vezes na infância. No dia 10 de janeiro de 1889, recebe o Hábito e começa a trabalhar no refeitório da comunidade. No dia 12 de fevereiro, seu pai é internado no hospital de Caen. No dia 8 de setembro de 1890, Teresa faz a Profissão Religiosa e no dia 24 do mesmo mês, recebe o véu, sem a presença de seu pai. Em 1892, no dia 12 de maio, o Sr. Martin, tendo retornado a Lisieux, visita pela última vez Teresa e, no dia 29 de julho de 1894 falece no castelo de La Musse; nesse mesmo ano Teresa, ficando junto ao Noviciado, recebe de Madre Inês de Jesus ( sua irmã), a ordem de escrever as reminiscências de sua infância e, por todo o ano de 1895 redige o Manuscrito A; compõe, também, em 26 de fevereiro a belíssima poesia “Viver de Amor”. No dia 21 de março, Teresa é confirmada no cargo de Mestra-auxiliar do Noviciado. Na noite de 2 para 3 de abril de 1896 ( Quinta-Feira Santa), tem a primeira hemoptise na cela. No dia 5 de abril ( Páscoa), começa para ela a “noite da fé”, que a acompanhará até à morte. No dia 8 de setembro, está elaborando o Manuscrito B ( a Jesus). Em 1897, no começo de abril, adoece gravemente. No dia 8 de julho é levada à enfermaria e voltam as hemoptises, até 5 de agosto. No dia 30 de julho, recebe a Unção dos Enfermos e faz a sua última Comunhão a 19 de agosto . Na quinta-feira, 30 de setembro, às 19,20 horas, Teresa entra na eternidade, após uma agonia de dois dias. Olhando para o seu crucifixo, disse: “- Oh! Eu o amo!... Meu Deus... eu vos amo!” Imediatamente, após pronunciar estas palavras, caiu docemente para trás, a cabeça inclinada à direita. No dia 4 de outubro o seu corpo é levado ao cemitério de Lisieux.
Fato interessante na vida de Santa Teresinha, é que ela passou como um meteoro por este vale de lágrimas, parecendo adivinhar que não viveria por muito tempo nesta terra. Teve pressa! Pressa em entrar no Carmelo, pressa em atingir a mais alta perfeição, pressa para ensinar-nos o seu “Pequeno Caminho”, do total abandono nas mãos divinas e de fazer “grandemente as pequenas coisas”, pressa em entregar-se ao Amor e em oferecer todos os seus sofrimentos pelos missionários e pela salvação das almas. De Sua parte, Deus também teve pressa em glorificá-la: no dia 7 de março de 1898, Dom Hugonin, Bispo de Bayeux, permite a impressão de “L’Histoire d’une Ame”; no dia 30 de setembro do mesmo ano, esgota-se rapidamente a Primeira edição, de 2.000 exemplares dessa auto-biografia e, em outubro de 1899, esgotou-se a segunda edição ( tiragem de 4.000 exemplares). De 1899 a 1902, começam os peregrinos a rezar junto a sua sepultura e operam-se as primeiras curas e graças. No dia 6 de setembro de 1910, realiza-se no cemitério de Lisieux a exumação dos restos mortais da Irmã Teresa, com a trasladação para o novo sepulcro. Em 1921, a 14 de agosto, o Papa Bento XV promulga o Decreto sobre a heroicidade das virtudes da Venerável Serva de Deus e profere uma alocução sobre a “Infância Espiritual”. No dia 29 de abril de 1923, o Papa Pio XI Beatifica a Irmã Teresa do Menino Jesus, chamando-a de “Estrela do seu Pontificado”. A 17 de maio de 1925, realiza-se a Solene Canonização na Basílica de São Pedro. Pio XI faz comovente homilia, em presença de 60.000 pessoas. À noite, na Praça de São Pedro, estão presentes cerca de 500.000 peregrinos. Em janeiro de 1927 foi feita a publicação de “Novíssima Verba”( Últimos Colóquios); a 13 de junho, a Festa de Santa Teresinha foi estendida para a Igreja Universal. A 14 de dezembro, Pio XI proclama Santa Teresa do Menino Jesus, juntamente com São Francisco Xavier, Patrona Principal de todos os missionários e das missões existentes em todo o mundo. Em 1944, a 3 de maio, Pio XII nomeia Santa Teresinha Padroeira Secundária da França, junto com Santa Joana D’Arc. Reconhecendo a sublime doutrina de seus escritos, o Papa João Paulo II proclamou-a Doutora da Igreja, a 19 de outubro de 1997. A Basílica de Santa Teresinha, continua sendo um dos Santuários mais procurados por peregrinos do mundo inteiro, porque a grande santa atrai a todos pelo seu testemunho de vida, pelo seu “pequeno caminho”e porque continua cumprindo a promessa que fez, antes de partir para Deus: “Sinto que a minha missão vai começar. Minha missão de fazer com que Deus Nosso Senhor seja amado como eu o amo, de dar a minha trilhazinha às almas. Se Nosso Senhor atender os meus desejos, o meu Céu passar-se-á na terra, até o fim do mundo. Sim, eu quero passar o meu céu fazendo o bem sobre a terra”(17 de julho de 1897- “História de uma Alma”, Epílogo).
A Festa de Santa Teresinha é celebrada no dia 1. de outubro e, por isso, o mês de outubro é dedicado às Missões. Nós a temos no número de nossos Patronos Principais, não apenas pelo seu “pequeno caminho” da santidade, ao qual o Oblato de Cristo Sacerdote deve se afigurar, na simplicidade, alegria, inocência de vida e amor nas pequeninas coisas, mas também pela dimensão missionária da Congregação.

 

VII.4.1- Oração à Santa Teresinha do Menino Jesus:
Ó Santa Teresinha do Menino Jesus, branca e mimosa flor de Jesus e de Maria, que embalsamais o Carmelo e o mundo inteiro com o vosso suave perfume, atraí-nos, e convosco correremos em seguimento de Jesus, nosso Deus e único Bem, no caminho da renúncia, do amor e do abandono nas mãos divinas. Ó Santa Teresinha, fazei-nos simples, humildes e confiantes para com o nosso Pai do Céu. Ah! Não permitais que o ofendamos pelo pecado, que o contristemos pela desconfiança! Assisti-nos em todos os nossos perigos e necessidades; socorrei-nos em todas as aflições; alcançai-nos todas as graças espirituais e temporais, particularmente as que hoje vos pedimos; valei-nos na vida e na morte. Ó Santa Teresinha, lembrai-vos que prometestes passar o vosso céu fazendo o bem sobre a terra, sem descanso até ver completo o número dos eleitos. Ah! Cumpri em nós vossa promessa! Sede nosso anjo protetor na travessia desta vida e não descanseis até que nos vejais no Céu, cantando ao vosso lado eternamente as ternuras do amor misericordioso do Coração Sacerdotal de Jesus. Amém
Santa Teresinha do Menino Jesus, Padroeira das Missões,
Rogai por nós!

VII.4.2- Novena “das rosas”, em honra de Santa Teresinha:
Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, eu vos agradeço por todos os favores e todas as graças, com que cumulastes a alma da vossa serva, Santa Teresinha do Menino Jesus, nos vinte e quatro anos que passou na terra, e pelos méritos de tão querida Santa, concedei-me a graça que ardentemente vos suplico, se for para a vossa maior glória e salvação de minha alma ( pede-se a graça ).
Em seguida, diz-se 24 Glórias, com a Jaculatória:  “Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós!”

VII.5- SÃO JOSÉ MOSCATI, O MÉDICO SANTO.

No dia 25 de julho de 1880, nascia em Benevento, sul da Itália, José Moscati, filho do magistrado Francisco Moscati e de Rosa de Luca, dos Marqueses de Rosseto, família profundamente piedosa.
Por força do cargo paterno, a família teve que se transferir para Nápoles, onde o jovem José fez os estudos médios no Liceu Vittorio Emanuele, e os cursos superiores universitários na Faculdade de Medicina de Nápoles, a partir de 1897, com a idade de 17 anos. Nesta ocasião, fez um voto particular de castidade perpétua, declarando que desejava seguir a carreira de médico, para nela dar glória a Deus e salvar almas, pois queria servir a Cristo na pessoa dos enfermos.
Depois de um curso brilhantíssimo, laureando-se em medicina com sumo louvor, a 4 de agosto de 1904, foi logo nomeado assistente extraordinário dos Hospitais Reunidos de Nápoles e, pouco depois, Chefe de Clínica do Hospital dos Incuráveis. Em 1911 foi efetivado na chefia dos Hospitais Reunidos. Ao mesmo tempo, o jovem médico foi constituído Professor Ordinário na Universidade de Nápoles, nos campos de Investigações de Laboratório aplicadas à Química e de Química aplicada à Medicina ou Química Médica, em 1919; Era ainda Professor de Química Fisiológica. Ademais, foi nomeado Livre Docente de Química Médica Geral em Nápoles, em 1922. Participou, como representante do Governo Italiano, de Congressos Médicos em Budapeste (1911), em Edimburgo (1923). Distinguiu-se sempre por seus estudos, pesquisas e publicações médicas de alto nível.
Durante todo esse tempo, Moscati se celebrizou pelo seu heroísmo: em 1906, quando, da erupção do Vesúvio, salvou dos escombros os velhinhos albergados no Hospital de Torre del Greco; e, em 1911, assistindo os atingidos pelo cholera morbus, indo a lugares os mais perigosos e difíceis.
Dotado de um extraordinário “olho clínico”, diagnosticava instantânea e acertadamente até os casos mais complicados, especialmente ao atender enfermos pobres. Recusava, com freqüência, seus honorários e fazia sempre o possível para que o tratamento dos enfermos lhes ficasse, financeiramente, o mais leve possível. Na sua caridade, dava-lhes os medicamentos necessários e, não raro, até o dinheiro para os adquirir. Quando percebia que um doente não tinha fé, ou nela se enfraquecia, cuidava dele com extremos de zelo apostólico, buscando a conversão da sua alma ou o seu maior benefício espiritual. Essa caridade sobrenatural de cunho apostólico, Moscati a exercia também junto aos seus alunos, aos quais se prestava intelectual e espiritualmente, bem como até aos seus colegas de profissão, conquistando-os para Deus.
Em tempos de anárquica revolta social contra Deus e a sua Igreja, Moscati jamais deixou de dar aberto e público testemunho de sua fé, com galhardia e alegre entusiasmo. Não sem razão foi sempre chamado de médico santo, médico pai dos pobres.
Todos esses valores de ordem natural, intelectual, moral e espiritual, dimanavam, em José Moscati, de uma única fonte: a sua intensa vida de intimidade com Deus. O programa registrado por ocasião da sua morte, não foi mais do que a repetição quase cotidiana de toda a sua vida: Meditação pela manhã, Santa Missa e Comunhão diária; em seguida, apostólico e piedoso trabalho nos hospitais que dirigia. O tempo após o almoço até às aulas na Universidade, ocupava-o visitando todos os dias os doentes. Sempre que podia, visitava o Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Pompei, pois era profunda a sua devoção Mariana.
Foi em plena realização de um desses programas, que a morte o colheu, encontrando-o serenamente preparado para o seu  definitivo e bem-aventurado encontro com Deus, a 12 de abril de 1926. Seus restos mortais foram levados à igreja do Gesù Nuovo, de Nápoles, de onde o esplendor da sua santidade começou logo a se irradiar sob a forma de favores extraordinários realizados por Deus, por sua intercessão.
O processo de Canonização iniciou-se em 1949. No dia 25 de outubro de 1987, o Santo Padre João Paulo II inscreveu-o no catálogo dos Santos, tecendo-lhe magníficos elogios espirituais, na homilia então pronunciada na Praça de São Pedro, fixando para 16 de dezembro a sua Memória Litúrgica.
Nossa Congregação, cujo carisma assistencial aos Sacerdotes Diocesanos e Bispos enfermos ou anciãos, se enquadra perfeitamente na espiritualidade de São José Moscati- “quero servir Jesus Cristo na pessoa dos enfermos”- tem, para estímulo da consagração total a Deus, magnífico exemplo de fácil imitação, uma vez que é ajustado aos nossos tempos, às nossas necessidades, ao nosso ambiente.

VII.6- Oração a São José Moscati:
Ó glorioso São José Moscati que, mesmo aqui nesta vida terrena, já éreis conhecido como “Médico Santo” e “Pai dos Pobres”, nós vos pedimos que rogueis por nossa Congregação e por cada um de nós, que vos escolhemos por Patrono, a fim de vos imitar em vosso amor, espírito de fé e generosidade a serviço dos enfermos. Alcançai-nos a luz e a força do Espírito Santo, para que possamos servir a Cristo nos enfermos, especialmente nos Sacerdotes Diocesanos e Bispos, acometidos dos males físicos e atribulados pelo abandono e solidão, vendo neles a Face de Cristo Sacerdote. Consegui-nos também a graça da perseverança final em nossa vocação oblaciana, para um dia, podermos estar convosco no céu, cantando as glórias de Deus Uno e Trino. Amém.

VII.7. SANTOS APÓSTOLOS PEDRO E PAULO, COLUNAS DA IGREJA.
Pedro, escolhido por Cristo como fundamento do edifício eclesial, portador das chaves do Reino dos Céus ( Mt 16,13-19), pastor do rebanho santo ( Jô 21,15-17), confirmador dos irmãos ( Lc 22,32), e na sua pessoa e nos sucessores o sinal visível da unidade e da comunhão na fé e na caridade.
Paulo, unido ao colégio apostólico pelo próprio Cristo no caminho de Damasco ( At 9,1-16), instrumento escolhido para levar seu nome perante os povos ( At 9,15), é o maior missionário de todos os tempos, o advogado dos pagãos, o Apóstolo dos gentios, aquele que juntamente com Pedro faz ressoar a mensagem evangélica no mundo mediterrâneo. Ambos selaram com o martírio em Roma, pelo ano 67, seu testemunho de amor a Cristo. Além do dia 29 de junho, quando são solenemente festejados juntos em seu glorioso martírio, temos a Festa da Conversão de São Paulo, a 25 de janeiro e a da Cátedra de São Pedro em Roma, a 22 de fevereiro.
VII.7.1- Oração da Solenidade de 29 de junho: Ó Deus, que hoje nos concedeis a alegria de festejar São Pedro e São Paulo, concedei a vossa Igreja seguir em tudo os ensinamentos destes Apóstolos que nos deram as primícias da fé. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.8- SÃO MARCOS, EVANGELISTA.
Marcos era filho de Maria de Jerusalém, em cuja casa se refugiou Pedro libertado da cadeia (At 12,12). Colaborou com Barnabé na obra apostólica de Paulo ( Cl 4,10), junto do qual esteve também no cativeiro de Roma ( Fm 24). Discípulo fiel de Pedro ( “meu filho”, 1Pd 5,13), escreveu o segundo Evangelho, recolhendo a pregação do Apóstolo sobre os ditos e fatos de Jesus. Sua festa é no dia 25 de abril.
VII.8.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que concedestes a São Marcos, vosso Evangelista, a glória de proclamar a Boa-Nova, dai-nos assimilar de tal modo seus ensinamentos, que sigamos fielmente os caminhos do Cristo, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.9- SÃO FILIPE E SÃO TIAGO, APÓSTOLOS.
Filipe, seguiu a Jesus como o Messias anunciado pelas Escrituras e dele comunicou a fé a Natanael ( Jo 1,43-48). Fez-se porta-voz de alguns gregos que desejavam ver Jesus ( Jo, 12,20-22). Jesus o convida a reconhecer o Pai, visível no Filho feito homem ( Jo 14,8-11).
Tiago de Alfeu ( Mt 10,3), apelidado o Menor ( Mc 15,40), era parente do Senhor e foi chefe da comunidade eclesial de Jerusalém ( At 12,17; 15,13-21; Gl 1,19). O Novo Testamento traz uma carta com o seu nome. Os dois Apóstolos são comemorados numa só festa, porque, segundo uma tradição, as suas relíquias foram colocadas sob o altar da Basílica dos Doze Apóstolos em Roma, no dia de sua dedicação ( 1/05/565). Sua festa é no dia 3 de maio.
VII.9.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, vós nos alegrais cada ano com a festa dos Apóstolos São Filipe e São Tiago. Concedei-nos, por suas preces, participar de tal modo da paixão   e ressurreição do vosso Filho, que vejamos eternamente a vossa Face. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.10- SÃO MATIAS, APÓSTOLO.
Matias, testemunha do ministério apostólico, foi agregado ao colégio apostólico após a deserção e a morte de Judas Iscariotes. Restabeleceu-se, assim, entre a Ascensão e o Pentecostes, o número de doze que simboliza o novo Israel, convocado dentre os povos ( At 1,15-26). Sua festa é celebrada no dia 14 de maio.
VII.10.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que associastes São Matias ao colégio apostólico, concedei, por sua intercessão, que, fruindo da alegria do vosso amor, mereçamos ser contados entre os eleitos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.11- SÃO TOMÉ, APÓSTOLO.
Tomé foi o Apóstolo que expressou solidariedade a Jesus na última viagem a Jerusalém com as palavras: “Vamos nós também para morrer com ele”( Jo 11,16). Foi em resposta a sua pergunta, qual o caminho para o Pai, que o Senhor afirmou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”( Jo 14,5-6). Reparou sua incredulidade sobre a ressurreição do Senhor, com a profissão de fé feita oito dias depois: “Meu Senhor e meu Deus”( Jo 20,24-29). Sua festa é a 3 de julho.
VII.11.1- Oração da Santa Missa: Deus todo-poderoso, concedei-nos celebrar com alegria a festa do Apóstolo São Tomé, para que sejamos sempre sustentados por sua proteção e tenhamos a vida pela fé no Cristo que ele reconheceu como Senhor. Por Nosso senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.12- SÃO TIAGO, APÓSTOLO.
Tiago, dito o Maior, filho de Zebedeu, foi chamado por Jesus juntamente com o irmão João. Acolhendo o convite do Mestre, deixou logo o barco e o pai, tornou-se seu fiel discípulo ( Mt 4,21-22). Foi testemunha privilegiada da ressurreição da filha de Jairo ( Mc  5,37), da transfiguração ( Mt 17,1), da agonia no Getsêmani ( Mt 26,37). Primeiro mártir entre os Apóstolos, foi decapitado sob Herodes Agripa nos dias da Páscoa ( At 12,2-3), no ano 44. Sua Festa é no dia 25 de julho.
Oração da Sta. Missa: Deus eterno e todo-poderoso, que pelo sangue de São Tiago consagrastes as primícias dos trabalhos dos Apóstolos, concedei que a vossa Igreja seja confirmada pelo seu testemunho e sustentada pela sua proteção. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.13- SÃO BARTOLOMEU, APÓSTOLO.
Bartolomeu, de Caná da Galiléia, mencionado pelos Evangelhos no grupo dos Doze, é identificado com Natanael, amigo do Apóstolo Filipe; dele disse o Senhor: “Eis um verdadeiro israelita no qual não há engano”. Às palavras do Mestre, respondeu com a profissão messiânica: “Rabi, tu és o Filho de Deus, tu és o rei de Israel”( Jo 1, 43-51; 21,2). Três dias depois do chamado de Natanael, celebraram-se as bodas de Cana. Sua Festa é no dia 24 de agosto.
VII.13.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, fortalecei em nós aquela fé que levou São Bartolomeu a seguir de coração o vosso Filho e fazei que, pelas preces do Apóstolo, a vossa Igreja se torne sacramento da salvação para todos os povos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.14- SÃO MATEUS, APÓSTOLO E EVANGELISTA.
Mateus, o publicano, chamado também de Levi ( Mc 2,14; Lc 5,27), passou de cobrador de impostos a discípulo do Mestre que lhe dissera: “Vem e segue-me”(Mt 9,9). O banquete que festejou sua vocação é o sinal do amor misericordioso de Jesus que chama os pecadores à penitência e celebra a reconciliação com o Pai ( Lc 5,27-32). No seu Evangelho, redigido para a comunidade judaico-cristã, o Cristo se manifesta como Mestre e o Fundador do novo Israel que promulga a justiça nova do Reino dos Céus, centrada no amor. É o Evangelho da Igreja, constituída sobre a fé de Pedro, chamada a ser sacramento de reconciliação e de encontro entre Israel e todos os homens. Sua Festa é a 21 de setembro.
VII.14.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que na vossa inesgotável misericórdia escolhestes o publicano Mateus para torná-lo Apóstolo, dai-nos, por sua oração e exemplo, a graça de vos seguir e permanecer sempre convosco. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.15- SÃO LUCAS, EVANGELISTA.
Lucas, Evangelista e autor dos Atos dos Apóstolos, é cognominado “o escritor da mansidão do Cristo”. Paulo o chama “amado médico”  (Cl 4,14), companheiro de suas viagens missionárias e seu consolador, quando esteve na prisão (Cl 4,11; Fm 24; 2Tm 4,11). O seu Evangelho apresenta Jesus como o Salvador de todos os homens; testemunhou também sua misericórdia e amor para com os pobres. No Livro dos Atos dos Apóstolos traça o retrato ideal da Igreja, perseverante no ensinamento dos Apóstolos, na caridade fraterna, na fração do pão e na oração ( At 2,42). Sua Festa é a 18 de outubro.
VII.15.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que escolhestes São Lucas para revelar em suas palavras e escritos o mistério do vosso amor para com os pobres, concedei aos que já se gloriam do vosso nome, perseverar num só coração e numa só alma, e a todos os povos do mundo ver a vossa Salvação. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.16- SANTO ANDRÉ, APÓSTOLO.
André, já discípulo de João Batista, seguiu a Jesus, quando o Precursor o apontou como Cordeiro de Deus que tira o pecado mundo ( Jo 1,35-40). Irmão de Pedro, comunicou-lhe a descoberta do Messias ( Jo 1,41-42). Ambos foram chamados pelo Mestre à beira do lago para se tornarem pescadores de homens ( Mt 4,18-19). No prodígio da multiplicação dos pães, apresenta a Jesus o menino dos cinco pães e dois peixes ( Jo 6,8-9). Junto com Filipe informa que alguns gregos querem ver Jesus ( Jo 12,20-21). Crucificado em Patrasso, segundo a tradição, é particularmente venerado na Igreja grega. Sua Festa é a 30 de novembro.
VII.16.1- Oração da Santa Missa: Nós vos suplicamos, ó Deus onipotente, que o Apóstolo Santo André , pregador do Evangelho e Pastor da vossa Igreja, não cesse no céu de interceder por nós. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.17- SÃO JOÃO, APÓSTOLO E EVANGELISTA.
João, filho de Zebedeu ( Mc 1,20; Mt 4,21), irmão de Tiago, o Maior ( Lc 5,10), discípulo de João Batista ( Jo 1,35-41), foi um dos primeiros a passar para o seguimento de Jesus. É o discípulo predileto que, na Última Ceia, reclinou a cabeça no peito de Jesus ( Jo 13,23-25). Testemunha da Transfiguração ( Mt 17,1) e da agonia do Senhor ( Mc 14,33), está presente ao pé da Cruz, onde Jesus lhe confia a Mãe ( Jo 19,26-27). Junto com Pedro, viu o sepulcro vazio e acreditou na ressurreição do Senhor ( Jo 20,1-9). Evangelista teólogo, penetra profundamente o mistério do Verbo feito homem, cheio de graça e de verdade ( Jo 1,1-14). Na primeira Carta, cume de toda a teologia sapiencial, dá-nos a mais alta definição da divindade: Deus é amor ( 1Jo 4,8). Exilado na ilha de Patmos, foi arrebatado em êxtase no “Dia do Senhor”( Ap 1,9-10) e teve as visões que descreveu no Apocalipse, último Livro do Novo Testamento. Sua festa ocorre no dia 27 de dezembro.
VII.17.1- Oração da Santa Missa: Ó Deus, que pelo Apóstolo São João nos revelastes os mistérios do vosso Filho, tornai-nos capazes de conhecer e amar o que ele nos ensinou de modo incomparável. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.18- SANTO TOMÁS DE AQUINO, PRESBÍTERO E DOUTOR DA IGREJA.
Tomás (* Aquino, Frosinone, c.1225 + Fossanova, Latina, 7/03/1274), da Ordem dos Pregadores (1244), tornou-se mestre nos centros de estudos de Paris, Orvieto, Roma, Viterbo e Nápoles, imprimindo ao seu ensinamento uma orientação original e sabiamente inovadora. Em muitas obras básicas, especialmente na “Summa Theologica”, ele fez a sistematização genial da doutrina filosófica e teológica haurida da Tradição. Exerceu influxo determinante sobre o rumo do pensamento filosófico e da pesquisa teológica nas Escolas dos séculos seguintes. Sua memória ocorre no dia 28 de janeiro.
VII.18.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que tornastes Santo Tomás de Aquino um modelo admirável pela procura da santidade e amor à ciência sagrada, dai-nos compreender seus ensinamentos e seguir seus exemplos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.19- SÃO JOÃO BOSCO, PRESBÍTERO.
Dom Bosco (* Castelnuovo d’Asti, 1815 - + Turim, 31/01/1888), grande apóstolo dos jovens, foi para eles pai e guia no caminho da salvação, pelo método da persuasão, da religiosidade autêntica e do amor sempre pronto a prevenir em vez de reprimir. Seguindo São Francisco de Sales, seu método educativo e apostólico se inspira num humanismo cristão que se inspira nos Evangelhos. Fundou a Congregação dos Salesianos, a Pia União dos Cooperadores Salesianos e, com Sta. Maria Mazzarello, as Filhas de Maria Auxiliadora. Sua memória é celebrada no dia 31 de janeiro.
VII.19.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que suscitastes São João Bosco para educador e pai dos adolescentes, fazei que, inflamados da mesma caridade, procuremos a salvação de nossos irmãos, colocando-nos inteiramente ao vosso serviço. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.20- BEM-AVENTURADO JOSÉ DE ANCHIETA, PRESBÍTERO.
José de Anchieta nasceu a 19 de março de 1534 em Tenerife, nas Ilhas Canárias, pertencentes à Espanha. Tendo ingressado na Província Portuguesa da Companhia de Jesus, foi enviado às missões do Brasil. Ordenado Sacerdote em 1566, foi escolhido para Superior da Comunidade de São Vicente e depois de São Paulo. Dez anos mais tarde, foi nomeado Provincial de toda a missão no Brasil, revelando-se um Superior cheio de sabedoria e segurança. Escreveu na língua dos indígenas uma gramática e, depois, um catecismo. Poeta exímio, deixou-nos as primeiras obras da literatura brasileira e, pela sua devoção terníssima à Virgem Maria, compôs, nas areias de Iperoigue, o célebre “Poema à Virgem Maria”, todo em latim. Foi chamado de “O Apóstolo do Brasil”. Faleceu a 9 de junho de 1597. Foi Beatificado pelo Papa João Paulo II, a 22/06/1980. Sua memória ocorre no dia 9 de junho.
VII.20.1- Oração da Sta. Missa: Derramai, Senhor, sobre nós a vossa graça, a fim de que, a exemplo do Bem-aventurado José de Anchieta, apóstolo do Brasil, sirvamos fielmente ao Evangelho, tornando-nos tudo para todos, e nos esforcemos em ganhar para vós nossos irmãos no amor de Cristo. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.21- SANTO ANTONIO DE PÁDUA ( OU DE LISBOA), PRESBÍTERO E DOUTOR DA IGREJA.
Antonio ( Fernando de Bulhões, * Lisboa, Portugal, 15/08/1195 - + Pádua, Itália, 13/06/1231), depois de intensa vida ascética junto aos Cônegos Regulares Agostinianos de Coimbra, passou para os Menores de São Francisco de Assis, com quem se encontrou na Porciúncula (1221). Pregador do Evangelho, exerceu o seu ministério na Itália do norte e no sul da França. De sua pregação restam significativos testemunhos em seus escritos homiléticos. É universalmente venerado pelo povo cristão. Sua memória litúrgica é celebrada no dia 13 de junho.
VII.21.1- Oração da Sta. Missa: Deus eterno e todo-poderoso, que destes Santo Antonio ao vosso povo como insigne pregador e intercessor em todas as necessidades, fazei-nos, por seu auxílio, seguir os ensinamentos da vida cristã, e sentir a vossa ajuda em todas as provações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.22- SÃO JOÃO BATISTA, O PRECURSOR DO SENHOR.
João Batista é o único santo, além da Mãe do Senhor, de quem se celebra o nascimento segundo a carne. Foi o maior entre os profetas ( Lc 7,26-28), porque pôde apontar o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo ( Jo 1,29-30). Sua vocação profética desde o ventre materno reveste-se de acontecimentos extraordinários, repletos de júbilo messiânico, que preparam o nascimento de Jesus ( cf. Lc 1,14.58). João é o Precursor do Cristo pela palavra e pela vida ( Mc 6,17-29). O batismo de penitência que acompanha o anúncio dos últimos tempos é figura do Batismo segundo o Espírito ( Mt 3,11). A sua Natividade é celebrada a 24 de junho e o seu glorioso martírio a 29 de agosto.
VII.22.1- Oração do dia 24/06: Concedei, Deus todo-poderoso, que a vossa família siga pelo caminho da salvação, e, atenta às exortações de São João Batista, chegue ao Redentor que ele anunciou. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...
VII.22.2- Oração do dia 29/08: Ó Deus, quisestes que São João Batista fosse o Precursor do nascimento e da morte do vosso Filho; como ele tombou na luta pela justiça e a verdade, fazei-nos também lutar corajosamente para testemunhar a vossa palavra. Por Nosso Senhor...

VII.23- SANTA PAULINA DO CORAÇÃO AGONIZANTE DE JESUS, VIRGEM.
Amabile Lucia Visitainer, nasceu em Vigolo Vattaro, no Trentino, a 16 de dezembro de 1865, de família piedosa, com 14 irmãos e, com dez anos de idade imigrou para o Brasil juntamente com os seus pais, para o Estado de Santa Catarina, para um lugar onde se concentraram cerca de 109 trentinos, que recebeu o nome de Vigolo, na região de Nova Trento. Juntamente com duas outras amigas, começou a cuidar de uma senhora com câncer. As obras caritativas de Amabile e suas auxiliares se expandem e, em 1895, são reconhecidas canonicamente pelo bispo de Curitiba, dando início assim ao Instituto das Irmãzinhas da Imaculada Conceição. Como consagrada, muda o seu nome para Paulina do Coração Agonizante de Jesus. Em 7/12/1894, o Bispo Dom José de Camargo Barros, antes de deixar Nova Trento, recomendou ao jesuíta Pe. Rossi que cuidasse da obra iniciante e, com isso, a Congregação prosperou. Irmã Paulina foi vítima de falsas acusações que a fizeram sofrer em silêncio, sem se defender, passando o resto de sua vida no anonimato (por 33 anos), trabalhando humildemente como qualquer outra Religiosa da Congregação, na Santa Casa de Bragança Paulista. Entretanto, com espírito de oração e de grande humildade, cumprindo com perfeição o dever de seu estado, deixou-nos o exemplo de confiança inabalável em Deus e no auxílio da Virgem Imaculada. No cinqüentenário da Fundação (12/07/1940), concluiu seu edificante testamento espiritual e disse: “Está terminada minha missão. Morro contente”. Dois anos mais tarde, após dois meses de doença grave, expirou santamente, com 76 anos e meio, no dia 9 de julho de 1942. Foi Beatificada por João Paulo II em Florianópolis, no dia 18 de outubro de 1991. Foi canonizada na Praça de São Pedro, por João Paulo II
VII.23.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, ouvi a nossa súplica, para que, alegrando-nos com a festa da virgem Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus, aprendamos a vos servir com amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.
 
VII.24- SÃO BENTO, ABADE.
São Bento ( * Núrcia, c.480 - + Montecassino, c. 547), é o Patriarca do monaquismo ocidental. Após um período de solidão perto da gruta de Subiaco, passou para a vida cenobítica, primeiro em Subiaco, depois em Montecassino. Sua Regra, que resume a tradição monástica oriental, adaptada com sabedoria ao mundo latino, abre novo caminho à civilização européia, após o declínio da civilização romana. Nesta nova escola de serviço do Senhor, tem parte determinante a leitura meditada da Palavra de Deus e o louvor litúrgico, alternados com os ritmos do trabalho, em clima intenso de caridade fraterna e de serviço recíproco. Paulo VI proclamou-o padroeiro da Europa ( 24/10/1964). Sua memória é celebrada a 11 de julho.
VII.24.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que fizestes do abade São Bento preclaro mestre na escola do vosso serviço, concedei que, nada preferindo ao vosso amor, corramos de coração dilatado no caminho dos vossos mandamentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.24.2-Oração a São Bento, para pedir uma graça.
Ó glorioso Patriarca São Bento, que vos mostrastes sempre compassivo com os necessitados, fazei que, também nós, recorrendo a vossa poderosa intercessão, obtenhamos auxílio em todas as nossas aflições; que nas famílias reine a paz e a tranqüilidade; que se afastem todas as desgraças, tanto corporais como espirituais, especialmente o pecado. Alcançai-nos do Senhor a graça pela qual suplicamos ... e obtende-nos , finalmente, ao terminar a nossa vida neste vale de lágrimas, depois de uma boa morte, possamos ir louvar a Deus convosco no Paraíso. Amém.
V/- Rogai por nós, ó glorioso São Bento,
R/- Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Oremos: Que a intercessão do Bem-aventurado Patriarca São Bento nos seja uma recomendação, Senhor, para podermos obter o que dos nossos merecimentos não ousamos esperar. Por Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém.

VII.24.3- Oração a São Bento, para obter uma santa morte.
Ó Deus que, com tantos e tamanhos privilégios honrastes a preciosa morte do glorioso patriarca São Bento, concedei, assim vo-lo pedimos, que, à hora da nossa morte, sejamos livres das ciladas dos inimigos, pela presença daquele cuja memória celebramos. Por nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.25- SÃO JOAQUIM E SANT’ANA, PAIS DE NOSSA SENHORA.
Os nomes dos pais de Maria Santíssima, são conhecidos por intermédio do apócrifo “Proto-evangelho de Tiago” (séc. II). O culto de Sant’Ana é documentado no Oriente no séc. VI, no Ocidente no séc. X; o de São Joaquim no séc. XIV. São recordados no dia 26 de julho.
VII.25.1- Oração da Santa Missa: Senhor, Deus de nossos pais, que concedestes a São Joaquim e Sant’Ana a graça de darem a vida à Mãe do vosso Filho Jesus, fazei que, pela intercessão de ambos, alcancemos a salvação prometida a vosso povo. Por Nosso Senhor...
VII.25.2- Oração a São Joaquim e Sant’Ana.
Ó meus queridos avós, Sant’Ana e São Joaquim, que pela santidade que Deus Onipotente vos deu, vos tornastes os dignos progenitores de Maria Imaculada, Mãe de Deus Encarnado e Nossa Mãe, vinde em meu socorro nesta necessidade e aflição ( fazer o pedido). Entrego a minha causa nas vossas mãos e confio no vosso carinhoso amor. Tenho a certeza de que não é em vão que ponho em vós as minhas esperanças e sei que fareis por mim melhor do que vos peço, tendo sempre em vista a glória de Deus e o bem da minha alma. Amém.
Sant’Ana e São Joaquim, rogai por mim!
( Três Gloria Patri, em ação de graças pelos dons e privilégios concedidos por Deus a São Joaquim e à Sant’Ana).

VII.26- SANTO AFONSO MARIA DE LIGÓRIO, BISPO E DOUTOR DA IGREJA.
Afonso ( * Nápoles, 1696 - + Nocera de Pagani, Salerno, 1/08/1787), já advogado no foro de Nápoles, deixou a toga pela vida eclesiástica. Fundador dos Redentoristas ( 1732), empenhou-se, com grande zelo, nas missões populares; dedicou-se aos pobres e aos doentes; foi mestre de ciências morais – para as quais se inspirou em critérios de prudência pastoral, fundada na procura sincera e objetiva da verdade -, sensível, porém, às necessidades e às situações das consciências. Compôs escritos ascéticos de grande repercussão; poeta e músico, cantou com grande elevação o mistério da Encarnação. Apóstolo do culto à Eucaristia e à Virgem Maria, levou os fiéis à meditação dos novíssimos, à oração e à vida sacramental. Foi feito Bispo de Santa Ágata dos Godos (1762-1775),onde exerceu uma belíssima ação pastoral. Sua memória é celebrada no dia 1. de agosto.

VII.26.1- Oração da Santa Missa: Ó Deus, que suscitais continuamente em vossa Igreja novos exemplos de virtude, daí-nos seguir de tal modo os passos do bispo Santo Afonso Maria, no zelo pela salvação de todos, que alcancemos com ele a recompensa celeste. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.27- SÃO MAXIMILIANO MARIA KOLBE, PRESBÍTERO E MÁRTIR.
Maximiliano Maria Kolbe entrou para o elenco dos santos com o título de sacerdote e mártir. Seu testemunho ilumina com luz pascal o horroroso mundo dos campos de concentração. Nasceu na Polônia em 1894; consagrou-se ao Senhor, na família franciscana dos Menores Conventuais. Grande devoto da Virgem Santíssima, fundou a “Milícia da Imaculada”e desenvolveu, através da palavra e dos seus escritos, intenso apostolado missionário na Europa e na Ásia. Deportado para Auschevitz durante a segunda guerra mundial, num ímpeto de caridade ofereceu sua vida de sacerdote em troca da vida de um pai de família, seu companheiro de prisão. Morreu no “bunker” da fome, após terem-lhe aplicado uma injeção venenosa, aos 14 de agosto de 1941. João Paulo II chamou-o de “Patrono de nosso difícil século”. Sua memória é celebrada no dia 14 de agosto.
VII.27.1- Oração da Sta. Missa- Ó Deus, inflamastes São Maximiliano Maria Kolbe, presbítero e mártir, com amor à Virgem Imaculada e lhe destes grande zelo pastoral e dedicação ao próximo. Concedei-nos, por sua intercessão, que trabalhemos intensamente pela vossa glória no serviço do próximo, para que nos tornemos semelhantes ao vosso Filho até a morte. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém.

VII.28- SÃO BERNARDO, ABADE E DOUTOR DA IGREJA.
Bernardo ( * Dijon, França, 1090 - + Claraval- Clairvaux, 20/08/1153), após Roberto, Alberico e Estevão, foi pai da Ordem Cisterciense. A obediência e o bem da Igreja impeliram-no freqüentemente a deixar o silêncio monástico, para dedicar-se às mais graves questões político-religiosas de seu tempo. Mestre de direção espiritual, deixa em seus sermões de comentário à Bíblia e à liturgia um excepcional documento de teologia monástica tendente, mais que à ciência, à experiência do mistério. Inspirou piedosa afeição à humanidade de Cristo e à Virgem Mãe. Sua memória se celebra no dia 20 de agosto.
VII.28.1- Oração da Sta. Missa:- Ó Deus, que fizestes do abade São Bernardo, inflamado de zelo pela vossa casa, uma luz que brilha e ilumina a Igreja, dai-nos, por sua intercessão, o mesmo fervor para caminharmos sempre como filhos da luz. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.29- SÃO PIO X, PAPA.
José Sarto ( * Treviso, Itália, 1835 - + Roma, 20/08/1914), Bispo de Mântua ( 1884) e Patriarca de Veneza ( 1893), sobe à cátedra de Pedro com o nome de Pio X. É o Pontífice que em seus escritos afirmou que a participação nos santos mistérios é a fonte primeira e indispensável da vida cristã. Defendeu a integridade da doutrina da fé, promoveu a comunhão eucarística também das crianças, encaminhou a reforma da legislação eclesiástica, ocupou-se positivamente com a questão romana ( entre o governo italiano e a Santa Sé), e com a Ação Católica, cuidou da formação dos sacerdotes, mandou elaborar um novo catecismo, favoreceu o movimento bíblico, promoveu a reforma litúrgica e o canto sacro. Sua memória ocorre no dia 21 de agosto.
VII.29.1- Oração da Sta Missa: Ó Deus, que para defender a fé católica e restaurar todas as coisas em Cristo, cumulastes São Pio X de sabedoria divina e coragem apostólica, fazei-nos alcançar o prêmio eterno, dóceis às suas instruções e exemplos. Por Nosso Senhor...

VII.30- SÃO JANUÁRIO, BISPO E MÁRTIR.
Januário, Bispo de Benevento, sofreu o martírio em Pozzuoli ( Nápoles) por volta do ano 305, sob Diocleciano. Suas relíquias estão conservadas no tesouro da igreja de Nápoles e tornou-se famosa a liquefação do seu sangue , que é testemunhada desde o ano de 1389.Sua memória ocorre no dia 19 de setembro.
VII.30.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que nos concedeis celebrar a memória do vosso mártir São Januário, dai que nos alegremos com ele na eterna bem-aventurança. Por Nosso...

VII.31- SÃO VICENTE DE PAULO, PRESBÍTERO.
Vicente ( * Pouy, perto de Dax, França, 1581 - + Paris, 27/09/1660), sacerdote, pároco, dedicou-se primeiro à evangelização das populações rurais, foi capelão das galeras e apóstolo da caridade entre os pobres, doentes e sofredores. Na sua escola se formaram sacerdotes, religiosos e leigos, que foram os animadores da Igreja na França, e sua voz se fez intérprete dos direitos dos humildes junto aos poderosos. Promoveu uma forma simples e popular de evangelização. Fundou os Padres da Missão (Lazaristas, 1625) e, junto com Santa Luísa de Marillac, as Filhas da Caridade ( 1633). Promoveu a formação dos futuros Sacerdotes e os Retiros Espirituais para o Clero. Sua memória se celebra no dia 27 de setembro.
VII.31.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que, para socorro dos pobres e formação do clero, enriquecestes o presbítero São Vicente de Paulo com as virtudes apostólicas, fazei-nos, animados pelo mesmo espírito, amar o que ele amou e praticar o que ensinou. Por Nosso...

VII.32- BEATOS ANDRÉ SOVERAL, AMBRÓSIO FRANCISCO FERRO, MATEUS MOREIRA e COMPANHEIROS, MÁRTIRES.
André Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, sacerdotes  missionários no nordeste do Brasil no século XVII, foram martirizados pelos invasores holandeses, junto com mais 28 cristãos, entre os quais Mateus Moreira, enquanto celebravam a Eucaristia, em 1645. Estes são os primeiros mártires do Brasil. Sua memória: dia 3 de outubro.
VII.32.1- Oração da Sta. Missa: Deus de misericórdia, aumentai em nós a fé que, conservada à custa do próprio sangue, glorificou vossos mártires ANDRÉ E Ambrósio Francisco. Dai-nos também ser santificados, pela vivência da mesma fé. Por Nosso Senhor...

VII.33- SANTA TERESA D’ÁVILA, VIRGEM E DOUTORA DA IGREJA.
Teresa ( * Ávila, Espanha, 1515 - + Alba de Tormes, 15/10/15820, mulher dotada de extraordinários dons, tanto de espírito quanto de coração, entrou aos vinte anos no Carmelo de Ávila, onde concebeu e realizou a reforma que recebeu o seu nome. Uniu à mais alta contemplação uma intensa atividade como reformadora de toda a Ordem Carmelita. Depois do mosteiro de São José em Ávila, dedicou-se a outras fundações e estendeu a reforma também ao ramo masculino, com o auxílio de São João da Cruz. (1542-1591). Fiel à Igreja, no espírito do Concílio de Trento, contribuiu para a renovação da comunidade eclesial. Deixou em seus escritos de espiritualidade um documento de profunda experiência mística. Paulo VI declarou-a Doutora da Igreja a 27/09/1970. Sua memória: 15 de outubro.
VII.33.1- Oração da Sta. Missa: Ó Deus, que pelo vosso Espírito fizestes surgir Santa Teresa para recordar à Igreja o caminho da perfeição, dai-nos encontrar sempre alimento em sua doutrina celeste e sentir em nós o desejo da verdadeira santidade. Por Nosso Senhor...

VII.34- SANTA EDVIGES, RELIGIOSA.
Edviges ( * Andechs, Baviera, c. 1174 - + Trebniz, Polonia, 15/10/1243), duquesa de Silesia e Polonia e mãe de sete filhos, viveu sua experiência familiar na prática intensa da fé, da oração e da caridade. Após a morte de seis filhos e do marido, entrou no mosteiro cisterciense de Trebniz, do qual era abadessa a sua filha. Sua memória: 16 de outubro.
VII.34.1- Oração da Sta. Missa: Nós vos pedimos, ó Deus onipotente, que a intercessão de Santa Edviges nos obtenha a graça de imitar o que nela admiramos, pois a humildade de sua vida serve de exemplo para todos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho...

VII.35- BEATO ANTONIO DE SANT’ANA GALVÃO (FREI GALVÃO), RELIGIOSO.
Frei Galvão ( * Guaratinguetá, SP, 1739 - + São Paulo, 23/12/1822), é o primeiro Bem-aventurado nascido em terras brasileiras. Ingressou no noviciado franciscano em Macacu, RJ, a 15/04/1760. Em 16/04/1761, fez a sua Profissão Religiosa; foi ordenado sacerdote no Rio de Janeiro, em julho de 1762. No mesmo ano, foi transferido para São Paulo, onde, a 2 de fevereiro de 1774 fundou o Convento de Nossa Senhora da Luz. Exerceu intensa atividade de pregador, de confessor e diretor espiritual, dedicado à caridade para com os pobres e sofredores. Foi beatificado por João Paulo II em 25 de outubro de 1998. Sua memória: 25/10.
VII.35.1- Oração da Sta. Missa: Deus, Pai de misericórdia, que fizestes do Beato Frei Galvão um instrumento de caridade e de paz no meio dos irmãos, concedei-nos, por sua intercessão favorecer sempre a verdadeira concórdia. Por Nosso Senhor Jesus Cristo...

VII.36- SANTA CATARINA LABOURÉ, VIRGEM.
Zoe Labouré nasceu a 2 de maio de 1806, na Cote d’Or, perto de Tijon, na França. Desde pequena queria consagrar-se a Deus, mas como a mãe lhe tivesse morrido muito cedo, o pai julgou não poder deixar a filha ir ao Convento. Para retê-la no mundo, enviou-a a Paris, mas a jovem ainda mais se desgostou das vaidades da grande cidade e o pai, vendo que ela era firme na vocação religiosa, consentiu que entrasse no convento das Vicentinas ( Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo), cuja casa maior se acha na Rue du Bac. Estava então com 24 anos de idade, quando começou o Noviciado, assumindo o nome de Catarina. Muito humilde e unida a Deus, era ternamente devotada à Santíssima Virgem, a quem escolhera por Mãe, desde que se tornou órfã. Ardia em desejos de ver Nossa Senhora e instava com o seu Anjo da Guarda para que lhe alcançasse este favor. Não foi baldada a sua esperança. No ano de 1830 a Mãe de Deus lhe apareceu por três vezes. De 18 para 19 de julho, o seu Anjo a despertou e a fez ir à Capela e logo a Virgem Santíssima veio ao seu encontro, sentou-se na cadeira do sacerdote e a jovem se ajoelhou ao seu lado, apoiando as mãos em seus joelhos e ali ficou, ouvindo Nossa Senhora por longo tempo. A mais importante das aparições se deu no dia 27 de novembro de 1830, sábado antes do primeiro domingo do Advento. Nesse dia, estando a jovem noviça na oração da tarde, a Virgem Imaculada se lhe mostrou, primeiro junto ao arco do cruzeiro, do lado direito da Capela ( onde, atualmente está a urna com o corpo incorrupto da Santa), e depois, por detrás do sacrário, no altar-mor. A Mãe de Deus, sobre o globo, tendo uma serpente sob os pés, abriu as mãos,  cujos dedos se cobriram de anéis com pedras preciosas de extraordinária beleza, de onde se desprendiam raios luminosos para todos os lados, símbolo das graças que Deus concede, pela intercessão de Sua Mãe. Em torno da Virgem, formou-se em oval um letreiro: “Ó Maria, concebida sem pecado, rogai por nós, que recorremos a vós”. Logo em seguida, a Santa viu como que o “reverso da medalha”: O  “M”de Maria, entrelaçado com uma Cruz, circundado de doze estrelas e, debaixo, os SS. Corações de Jesus e de Maria. A Noviça recebeu a ordem de mandar cunhar medalhas com estas figuras, com a promessa de quem as usar ao pescoço terá uma especial proteção da Mãe de Deus. É a “Medalha Milagrosa”que, divulgada rapidamente por Gregório XVI e, principalmente pelo Beato Pio IX ( após o Dogma da Imaculada), tornou-se conhecida no mundo inteiro pelos favores concedidos pela intercessão da Mãe de Deus. Catarina , após as aparições, foi trabalhar em um hospital em Paris por 45 anos, na simplicidade e humildade de uma simples Irmã, Filha da Caridade. Estava com 71 anos de idade, quando o Senhor a chamou para a alegria celeste, no dia 31 de dezembro de 1876. Foi beatificada por Pio Xi, a 28 de maio de 1933 e Pio XII a canonizou a 27 de julho de 1949. Sua memória é no dia 31/12.
VII.36.1- Ó  Pai de Misericórdia, que escolhestes a vossa humilde serva Catarina Labouré para ser a Mensageira da Virgem Imaculada e, por meio dela, destes aos vossos filhos a Medalha Milagrosa, sinal de especial proteção da Mãe de vosso Filho, concedei-nos, pela intercessão e preces de Santa Catarina, e pela fiel devoção à Virgem Santíssima, de perseverar em nossa augusta vocação. Por Cristo, Senhor Nosso. Amém.

 

 

VIII PARTE-  LITURGIA EUCARÍSTICA.

LITURGIA DA MISSA

RITOS INICIAIS

    1. – SAUDAÇÃO

Pr : Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

T: Amém

Pr: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco!
T: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

    1. – ATO PENITENCIAL

Pr: O Senhor Jesus, que nos convida à mesa da palavra e da Eucaristia, nos chama à conversão.

Confessemos os nossos pecados:

T: Confesso a Deus todo-poderoso e a vós, irmãos, que pequei muitas vezes por pensamentos e palavras, atos e omissões, por minha culpa, minha tão grande culpa. E peço à virgem Maria, aos anjos e santos e a vós, irmãos, que rogueis por mim a Deus, nosso Senhor.

Pr: Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.
T: Amém.

Pr: Senhor, tende piedade de nós.
T: Senhor, tende piedade de nós.
Pr: Cristo, tende piedade de nós.
T: Cristo, tende piedade de nós.
Pr: Senhor, tende piedade de nós.
T: Senhor, tende piedade de nós.
Ou:
Pr: Senhor, que sois a plenitude da verdade e da graça, tende piedade de nós.
T: Senhor, tende piedade de nós.
Pr: Cristo, que vos tornastes pobre para nos enriquecer, tende piedade de nós.
T: Cristo, tende piedade de nós.
Pr: Senhor, que viestes para fazer de nós o vosso povo santo, tende piedade de nós.
T: Senhor, tende piedade de nós.

Pr: Deus todo poderoso, tenha compaixão de nós, perdoe os nossos pecados e nos conduza à vida eterna.
T: Amém.

    1. – HINO DE LOUVOR (aos domingos, fora da quaresma e do advento, nas solenidades e festas).

T: Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens por ele amados. Senhor Deus, rei dos céus, Deus Pai todo-poderoso: nós vos louvamos, nós vos bendizemos, nós vos adoramos, nós vos glorificamos, nós vos damos graças por vossa imensa glória. Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito, Senhor Deus, cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai. Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica. Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós. Só vós sois o santo, só vós, o Senhor, só vós, o altíssimo, Jesus Cristo, com o Espírito Santo, na glória de Deus Pai. Amém.

1.4 – ORAÇÃO DO DIA.

2. LITURGIA DA PALAVRA

2.1 – LEITURA(S)
2.2 – SALMO RESPONSORIAL E ACLAMAÇÃO AO EVANGELHO.
2.3 – EVANGELHO.
2.4 – PROFISSÃO DE FÉ
T: Creio em Deus Pai todo-poderoso, criador do céu e da terra;  e em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor; que foi concebido pelo poder do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia; subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo, na santa Igreja católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.

3. LITURGIA EUCARÍSTICA

3.1 – PREPARAÇÃO DAS OFERENDAS

Pr: Bendito sejais, Senhor, Deus do universo, pelo pão que recebemos de vossa bondade, fruto da terra e do trabalho humano, que agora vos apresentamos, e para nós se vai tornar pão da vida.
T: Bendito seja Deus para sempre.

Pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade.

Pr: Bendito sejais, Senhor, Deus do universo, pelo vinho que recebemos de vossa bondade, fruto da videira e do trabalho humano, que agora vos apresentamos e para nós se vai tornar vinho da salvação.
T: Bendito seja Deus para sempre.

De coração contrito e humilde, sejamos, Senhor, acolhidos por vós; e seja o nosso sacrifício de tal modo oferecido que vos agrade, Senhor, Nosso Deus. Lavai-me, Senhor, de minhas faltas e purificai-me de meus pecados.

Pr: Orai, irmãos, para que o nosso sacrifício seja aceito por Deus Pai todo-poderoso.
T: Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício, para glória do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja.
3.2 – ORAÇÃO SOBRE AS OFERENDAS.
3.3 – ORAÇÃO EUCARÍSTICA II

Pr: O Senhor esteja convosco!
T: Ele está no meio de nós.

Pr: Corações ao alto!
T: O nosso coração está em Deus.

Pr: Demos graças ao Senhor, nosso Deus!
T: É nosso dever e nossa salvação.

Pr: Na verdade, é justo e necessário, é nosso dever e salvação dar-vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cristo, Senhor nosso. Ele é a vossa palavra viva, pela qual tudo criastes. Ele é o nosso salvador e redentor, verdadeiro homem, concebido do Espírito Santo e nascido da virgem Maria. Ele, para cumprir a vossa vontade e reunir um povo santo em vosso louvor, estendeu os braços na hora da sua paixão a fim de vencer a morte e manifestar a ressurreição. Por ele os anjos celebram vossa grandeza e os santos proclamam vossa glória. Concedei-nos, também a nós, associar-nos a seus louvores, dizendo (cantando) a uma só voz...

 

T: Santo, santo, santo, Senhor, Deus do Universo! O céu e a terra proclamam a vossa glória. Hosana nas alturas! Bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas.

Pr: Na verdade, ó Pai, vós sois santo e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso santo Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso.

T: Santificai nossa oferenda, ó Senhor!

Pr: Estando para ser entregue e abraçando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo:

TOMAI, TODOS, E COMEI:
ISTO É O MEU CORPO, QUE
SERÁ ENTREGUE POR VÓS.

Pr: Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos, dizendo:

TOMAI, TODOS, E BEBEI:
ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE,
O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA,
QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS
PARA REMISSÃO DOS PECADOS.
FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE  MIM.

Pr: Eis o mistério da fé!

T: Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!

Pr: Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai, o pão da vida e o cálice da salvação; e vos agradecemos porque nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir.

T: Recebei, ó Senhor, a nossa oferta!

Pr: E nós vos suplicamos que, participando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo.

T: Fazei de nós um só corpo e um só espírito!

Pr: Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa..., com o nosso bispo..., e todos os ministros do vosso povo.

T: Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja!

Pr: Lembrai-vos também dos (outros) nossos irmãos e irmãs que morreram na esperança da ressurreição e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz de vossa face.

T: Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos!

Pr: Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a virgem Maria, mãe de Deus, com os santos apóstolos e todos os que neste mundo vos serviram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho.

T: Concedei-nos o convívio dos eleitos!

Pr: Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.
T: Amém.

3.3 – ORAÇÃO EUCARÍSTICA III

Pr: Na verdade, vós sois santo, ó Deus do universo, e tudo o que criastes proclama o vosso louvor, porque, por Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, e pela força do Espírito Santo, dais vida e santidade a todas as coisas e não cessais de reunir o vosso povo, para que vos ofereça em toda parte, do nascer ao pôr-do-sol, um sacrifício perfeito.

T: Santificai e reuni o vosso povo!

CC: Por isso, nós vos suplicamos: santificai pelo Espírito Santo as oferendas que vos apresentamos para serem consagradas, a fim de que se tornem o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso, que nos mandou celebrar este mistério.

T: Santificai nossa oferenda, ó Senhor!

Na noite em que ia ser entregue, ele tomou o pão, deu graças e o partiu e deu a seus discípulos dizendo:
TOMAI, TODOS, E COMEI:
ISTO É O MEU CORPO,
QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS.

Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, eo deu a seus discípulos, dizendo:
TOMAI, TODOS, E BEBEI:
ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE,
O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA,
QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS
PARA REMISSÃO DOS PECADOS.
FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE  MIM.

Eis o mistério da fé!
T: Salvador do mundo, salvai-nos, vós que nos libertastes pela cruz e ressurreição.

CC: Celebrando agora, ó Pai, a memória do vosso Filho, da sua Paixão que nos salva, da sua gloriosa ressurreição e da sua ascensão ao céu, e enquanto esperamos a sua nova vinda, nós vos oferecemos em ação de graças este sacrifício de vida e santidade.

T: Recebei, ó Senhor, a nossa oferta!

Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja, reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o Corpo e o Sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos em Cristo um só corpo e um só espírito.

T: Fazei de nós um só corpo e um só espírito!

1C: Que ele faça de nós uma oferenda perfeita para alcançarmos a vida eterna com os vossos santos: a Virgem Maria, Mãe de Deus, os vossos Apóstolos e Mártires, N. (o santo do dia ou o padroeiro) e todos os santos, que não cessam de interceder por nós na vossa presença.

T: Fazei de nós uma perfeita oferenda!

2C: E agora, nós vos suplicamos, ó Pai, que este sacrifício da nossa reconciliação estenda a paz e a salvação ao mundo inteiro. Confirmai na fé e na caridade a vossa Igreja, enquanto caminha neste mundo: o vosso servo o papa N., o nosso bispo N., com os bispos do mundo inteiro, o clero e todo o povo que conquistastes.

T: Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja!

Atendei às preces da vossa família, que está aqui, na vossa presença. Reuni em vós, Pai de misericórdia, todos os vossos filhos e filhas dispersos pelo mundo inteiro.

T: Lembrai-vos, ó Pai, dos vossos filhos!

3C: Acolhei com bondade no vosso reino os nossos irmãos e irmãs que partiram desta vida e todos os que morreram na vossa amizade. Unidos a eles, esperamos também nós saciar-nos eternamente da vossa glória, por Cristo, Senhor nosso.

T: A todos saciai com vossa glória!

Por ele dais ao mundo todo bem e toda graça.

Pr: Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.
T: Amém.

 

3.4 – ORAÇÃO EUCARÍSTCA V

Pr: É justo e nos faz todos ser mais santos louvar a vós, ó Pai, no mundo inteiro, de dia e de noite, agradecendo com Cristo, vosso Filho, nosso irmão. É ele o sacerdote verdadeiro que sempre se oferece por nós todos, mandando que se faça a mesma coisa que fez naquela ceia derradeira. Por isso, aqui estamos bem unidos, louvando e agradecendo com alegria, juntando nossa voz à voz dos anjos e à voz dos santos todos, pra dizer (cantar):

T: Santo, santo, santo,...

CP: Senhor, vós que sempre quisestes ficar muito perto de nós, vivendo conosco no Cristo, falando conosco por ele, mandai vosso Espírito Santo, a fim de que as nossas ofertas se mudem no Corpo e no Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo.

T: Mandai vosso Espírito Santo!

Na noite em que ia ser entregue, ceando com seus apóstolos, Jesus, tendo o pão em suas mãos, olhou para o céu e deu graças, partiu o pão e o entregou a seus discípulos, dizendo:

TOMAI, TODOS, E COMEI:
ISTO É O MEU CORPO,
QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS.

Do mesmo modo, no fim da ceia, tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente e o entregou a seus discípulos, dizendo:

 

TOMAI, TODOS, E BEBEI:
ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE,
O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA,
QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS
PARA REMISSÃO DOS PECADOS.
FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE  MIM.

Tudo isto é mistério da fé!
T: Toda vez que se come deste Pão, toda vez que se bebe deste Vinho, se recorda a paixão de Jesus Cristo e se fica esperando a sua volta.

Recordamos, ó Pai, neste momento, a paixão de Jesus, nosso Senhor; sua ressurreição e ascensão; nós queremos a vós oferecer este Pão que alimenta e que dá vida, este Vinho que nos salva e dá coragem.

T: Recebei, ó Senhor, a nossa oferta!

E quando recebermos Pão e Vinho, o Corpo e Sangue dele oferecidos, o Espírito nos una num só corpo, pra sermos um só povo em seu amor.

T: O Espírito nos una num só corpo!

Protegei vossa Igreja que caminha nas estradas do mundo rumo ao céu, cada dia renovando a esperança de chegar junto a vós, na vossa paz.

T: Caminhamos na estrada de Jesus!

Dai ao santo Padre, o Papa N. ser bem firme na fé, na caridade, e a N., que é Bispo desta Igreja, muita luz para guiar o seu rebanho.

T: Caminhamos na estrada de Jesus!

Esperamos entrar na vida eterna com a Virgem, Mãe de Deus e da Igreja, os apóstolos e todos os santos, que na vida souberam amar Cristo e seus irmãos.

T: Esperamos entrar na vida eterna!

A todos que chamastes para outra vida na vossa amizade, aos marcados com o sinal da fé, abrindo vossos braços, acolhei-os. Que vivam para sempre bem felizes no reino que pra todos preparastes.
T: A todos dai a luz que não se apaga.

E a nós, que agora estamos reunidos e somos povo santo e pecador, daí força para construirmos juntos o vosso reino que também é nosso.

Por Cristo, com Cristo, em Cristo, a vós, Deus Pai todo-poderoso, na unidade do Espírito Santo, toda honra e toda a glória, agora e para sempre.
T: Amém.

4 – RITO DA COMUNHÃO

Pr: Guiados pelo Espírito de Jesus e iluminados pela sabedoria do Evangelho, ousamos dizer:
T: Pai nosso...

Pr: Livrai-nos de todos os males, ó Pai, e dai-nos hoje a vossa paz. Ajudados pela vossa misericórdia, sejamos sempre livres do pecado e protegidos de todos os perigos, enquanto, vivendo a esperança, aguardamos a vinda do Cristo salvador.

T: Vosso é o reino, o poder e a glória para sempre!

Pr: Senhor Jesus Cristo, dissestes aos vossos apóstolos: eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz. Não olheis os nossos pecados, mas a fé que anima vossa Igreja; daí-lhe, segundo o vosso desejo, a paz e a unidade. Vós que sois Deus, com o Pai e o Espírito Santo.

T: Amém

Pr: A paz do Senhor esteja sempre convosco.
T: O amor de Cristo nos uniu.

Pr: Irmãos, saudai-vos em Cristo Jesus.

Pr: Esta união do Corpo e do Sangue de Jesus, o Cristo e Senhor nosso, que vamos receber, nos sirva para a vida eterna.
T: Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós. (Bis) Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, dai-nos a paz.

Pr: Senhor Jesus Cristo, o vosso Corpo e o vosso Sangue, que vou receber, não se tornem causa de juízo e condenação; mas, por vossa bondade, sejam sustento e remédio para minha vida.

Pr: Felizes os convidados para a ceia do Senhor. Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
Ou:
Pr: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida. Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.
T: Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e serei salvo.

4.1 – ORAÇÃO FINAL
Pr. Oremos...
Pr: O Senhor esteja convosco.
T: Ele está no meio de nós.

Pr: Abençoe-vos Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo.
T: Amém.

Pr: Ide em paz, e o Senhor vos acompanhe.
T: Graças a Deus.

 

 

 

 

 

IX PARTE - RITUAL PRÓPRIO DA CONGREGAÇÃO.

 

IX.1

-RITO DE ADMISSÃO AO NOVICIADO

Realiza-se fora da Celebração Eucarística, em cerimônia simples, reservada à comunidade religiosa, dentro de uma Celebração da Palavra que ressalte a natureza da vocação religiosa e as características próprias da vida oblaciana.

DIÁLOGO

Aproximem-se os que serão admitidos para o noviciado na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote.
(Chama-os pelos nomes)
Superior: Meus filhos, que pedis ao Senhor e à sua Igreja?

Candidatos: A graça de ser admitido ao santo noviciado na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote.

Superior: Já fizestes a experiência inicial para a Vida Religiosa no Postulantado. Quereis prosseguir nesta vocação a que fostes chamados?

Candidatos: Quero, para experimentar o modo de vida desta Família Religiosa e aprofundar na experiência de Deus, segundo a espiritualidade oblaciana.

Superior: Em nome de nossa Família Religiosa, eu vos recebo ao noviciado e vos abençôo para que possais perseverar na vocação oblaciana.

BENÇÃO DO HÁBITO

O celebrante abençoa os hábitos religiosos.
Superior : Ó Deus, que cumulastes a Santíssima Virgem de todas as vossas graças, dignai-vos, por intercessão de Nossa Senhora das  Vitórias, abençoar estes hábitos, a fim de que vossos filhos, revestidos de Vossa graça possam, a exemplo de Nossa Senhora, amar e servir a Jesus Cristo Sacerdote. Amém.

Superior: Meus filhos, recebei este hábito, sinal de nossa Congregação. Conservai o hábito interior, o hábito religioso, de caminhar sempre na presença de Cristo Sacerdote.
IX.2-
IX,2

-RITO DE PROFISSÃO DOS VOTOS

Se a Profissão for feita à hora da Missa, após o Evangelho  o Presidente da Celebração dirigirá aos presentes algumas Palavras ajustadas à circunstância e, em seguida, estando sentado em frente ao altar e diante dele, em pé, os Irmãos professandos, dirão o que segue:

DIÁLOGO

Superior: Meus  filhos, que pedis a Deus e à sua Igreja?

Professandos: A Misericórdia de Deus e a graça de servi-lo melhor na Família Religiosa dos Oblatos de Cristo Sacerdote.

Superior: Já fostes consagrados  a Deus  pela água e pelo Espírito Santo no dia vosso Batismo. Quereis, agora, unir-vos mais intimamente a Deus  professando a vossa consagração Religiosa na Castidade, Pobreza e Obediência aos vossos legítimos Superiores?

Professandos: Quero, para poder seguir a Cristo Sacerdote mais de perto, na sua Castidade, Pobreza voluntária e Obediência, por Seu amor e por causa do Reino dos céus.

Superior: Que Deus todo poderoso vos conceda, por graça e misericórdia , o que desejais.

Todos: Amém.

Superior: OREMOS: Ó Pai de Misericórdia, olhai estes vossos filhos que hoje, diante da vossa Igreja querem professar os Conselhos Evangélicos, fazendo-vos a doação de suas vidas. Concedei-lhes, com a vossa misericórdia, que pelo seu modo de viver glorifiquem o vosso Nome e manifestem a todos os Mistérios da Redenção. Por. N.S.J.Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Todos: Amém.

 

PROFISSÃO DOS VOTOS.
O Professando aproxima-se do Superior e, de joelhos, pronuncia, pessoalmente a Fórmula dos Votos.

Eu,(nome e sobrenome) quero, com firme vontade, consagrar toda a minha vida à glória de Deus, seguindo Cristo Sacerdote mais de perto. Por isso, diante de Deus e da sua Igreja, na presença dos Irmãos e nas mãos do Rev.mo Pe (N...), Superior Geral da Congregação dos Oblatos de Cristo sacerdote, faço Votos de Castidade, Pobreza e Obediência, por um ano, na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, e de acordo com as suas Constituições. Entrego-me de todo o coração a essa Família Religiosa, a fim de poder encontrar nela a perfeição da caridade no serviço de Deus e dos Irmãos, com a graça do Espírito Santo e o auxílio da Imaculada Sempre Virgem Maria.

Superior:  Eu, pelo poder a mim confiado, recebo a Profissão dos teus Votos e rogo a Deus que a tua Oblação, unida ao sacrifício Eucarístico, seja plenamente vivida por ti.

BÊNÇÃO DOS ESCAPULÁRIOS
Os padrinhos dos neo-professos levam até o altar os escapulários e os apresentam ao Presidente, que pronuncia a seguinte oração:
Presidente: Ò Deus, autor e realizador da santidade, que chamais os renascidos da água e do Espírito Santo à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade, dignai-vos abençoar estes escapulários em honra da Bem-Aventurada Virgem Maria, a fim de que estes novos Religiosos se tornem conformes à imagem de Vosso Filho e possam merecer, pela intercessão de Nossa Senhora das Vitórias, ao termo feliz do curso da vida religiosa, contemplar o Cristo Sacerdote Face a Face. Por Cristo nosso Senhor.
Todos: Amém

ENTREGA DAS CONSTITUIÇÕES
O Presidente entrega o texto das Constituições dos Oblatos ao neo-professo, dizendo:
Presidente: Recebe a regra de vida desta Família Religiosa, observa-a fielmente em todos os dias de tua vida e chegarás à santidade.

 

 

IX.3- RITO DA RENOVAÇÃO DOS VOTOS

 

Se a RENOVAÇÃO for feita à hora da Missa, após o Evangelho  o Presidente da Celebração dirigirá aos presentes algumas Palavras ajustadas à circunstância e, em seguida, estando sentado em frente ao altar e diante dele, em pé, os Irmãos professandos, dirão  o que  segue:

DIÁLOGO

Superior: Meus  filhos, que pedis a Deus e à sua Igreja?

Professandos: A Misericórdia de Deus e a graça de servi-lo melhor na Família Religiosa dos Oblatos de Cristo Sacerdote.

Superior: Já fostes consagrados  a Deus  pela água e pelo Espírito Santo no dia vosso Batismo. Quereis, agora, unir-vos mais intimamente a Deus  renovando a vossa consagração Religiosa na Castidade, Pobreza e Obediência aos vossos legítimos Superiores?

Professandos: Quero, para poder seguir a Cristo Sacerdote mais de perto, na sua Castidade, Pobreza voluntária e Obediência, por seu amor e por causa do Reino dos céus.

Superior: Que Deus todo poderoso vos conceda, por graça e misericórdia , o que desejais.

Todos: Amém.

Superior: OREMOS: Ó Pai de Misericórdia, olhai estes vossos filhos que hoje, diante da vossa Igreja querem renovar a profissão dos Conselhos Evangélicos, fazendo-vos a doação de suas vidas. Concedei-lhes, com a vossa misericórdia que pelo seu modo de viver glorifiquem o vosso Nome e manifestem a todos os Mistérios da Redenção. Por. N.S.J.Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Todos: Amém.
PROFISSÃO DOS VOTOS.
O Professando aproxima-se do Superior e, de joelhos, pronuncia, pessoalmente a Fórmula dos Votos.

Eu,(nome e sobrenome) quero, com firme vontade, renovar a consagração de toda a minha vida à glória de Deus, seguindo Cristo Sacerdote mais de perto. Por isso, diante de Deus e da sua Igreja, na presença dos Irmãos e nas mãos do Rev.mo Pe (N...), Superior Geral da Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, renovo meus Votos de Castidade, Pobreza e Obediência, por um ano, na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, e de acordo com as suas Constituições. Entrego-me de todo o coração a essa Família Religiosa, a fim de poder encontrar  nela a perfeição da caridade no serviço de Deus e dos Irmãos, com a graça do Espírito Santo e o auxílio da Imaculada Sempre Virgem Maria.

Superior:  Eu, pelo poder a mim confiado, recebo a Renovação dos teus Votos e rogo a Deus que a tua Oblação, unida ao sacrifício Eucarístico, seja plenamente vivida por ti.

 O Professo se retira, podendo, a critério do Presidente da Celebração, comungar sob as duas espécies.

 

IX.4- RITO DA PROFISSÃO PERPÉTUA

Celebra-se sempre em domingo ou dia festivo, com missa própria ou do dia. O rito da profissão perpétua exclui a celebração de outros ritos de profissão, investiduras ou ordenações. Convém que o superior que recebe a profissão presida a celebração eucarística.

DIÁLOGO

Terminado o Evangelho, o Superior da Casa Geral (ou um dos concelebrantes) dirige-se ao Presidente da Celebração com as seguintes palavras:
Superior: Revmo. Pai, aqui se encontram presentes os irmãos N, N,  (ao ouvir seu nome, cada um dos professandos levanta-se e responde: Presente) que desejam emitir os Votos Perpétuos na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote.
Presidente.: Sabes se são dignos?
Superior:  Ouvidos os responsáveis, dou testemunho de que foram considerados dignos.
Presidente:  Meus filhos, que pedis ao Senhor e à sua Igreja?
Professandos:  Que possa perseverar até a morte,  no serviço do Senhor nesta Família Religiosa dos Oblatos Cristo Sacerdote.
Presidente: Graças a Deus.
Homilia.
Após a homilia os professos aproximam-se do Presidente e ficam em pé.
Presidente.:  Meus filhos, pelo Batismo morrestes para o pecado e fostes consagrados ao Senhor. Quereis agora, pela Profissão Perpétua, serdes consagrados mais intimamente a Deus?
Professandos: Quero.
Presidente: Quereis, com a graça de Deus, abraçar para sempre a castidade perfeita, a pobreza  e a obediência que Cristo e sua Mãe escolheram para si?
Professandos: Quero.
Presidente:  Quereis seguir com fidelidade o Evangelho e observar as Constituições  da vossa Família Religiosa, procurando, com perseverança a perfeição do amor a Deus e ao próximo?
Professandos:  Quero.
Presidente: Quereis, com o auxílio do Espírito Santo, dedicar toda a vossa vida ao serviço do povo de Deus?
Professandos:  Quero.
Presidente: Deus vos inspirou este bom propósito. Que Ele vos dê a graça de realizá-lo na esperança da vinda do Senhor.
Todos: Amém.
O oficiante, em pé,  convida o povo a rezar pelos professandos.
Presidente: Meus irmãos, oremos para que o Pai todo-poderoso derrame suas bênçãos sobre estes seus filhos. Ele os chamou para seguir o Cristo mais de perto, que em sua bondade e pela intercessão dos santos os confirme no santo propósito.
Enquanto isso, os professandos se prostram e os cantores iniciam a Ladainha de Todos os Santos
LADAINHA
Senhor, tende piedade de nós
Cristo, tende piedade de nós
Senhor, tende piedade de nós

Santa Maria  Mãe de Deus, rogai por nós
São Miguel, rogai por nós
Santos Anjos de Deus, rogai por nós
São José, rogai por nós
São João Batista, rogai por nós
São Pedro e São Paulo, rogai por nós
Santo André, rogai por nós
São João, rogai por nós
Santa Maria Madalena, rogai por nós
Santo Estevão, rogai por nós
Santas Perpétua e Felicidade, rogai por nós
São Gregório, rogai por nós
Santo Agostinho, rogai por nós
Santo Atanásio, rogai por nós
São Basílio, rogai por nós
São Martinho, rogai por nós
Santo Inácio de Antioquia, rogai por nós
Santa Inês, rogai por nós
São Lourenço, rogai por nós
São Bento, rogai por nós
São Francisco e São Domingos, rogai por nós
São Francisco Xavier, rogai por nós
São Francisco de Sales, rogai por nós
São João Maria Vianney, rogai por nós
São José Moscati, rogai por nós
Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós
Santa Teresa d’Ávila, rogai por nós.
Santa Paulina, rogai por nós
Todos os santos e santas de Deus, rogai por nós

Sede-nos propício, ouvi-nos Senhor
Para que nos livreis de todo mal, ouvi-nos Senhor
Para que nos livreis de todo pecado, ouvi-nos Senhor
Para que nos livreis da morte eterna, ouvi-nos Senhor
Pela Vossa encarnação, ouvi-nos Senhor
Pela Vossa morte e ressurreição, ouvi-nos Senhor
Pela efusão do Espírito Santo, ouvi-nos Senhor
Apesar de nossos pecados, ouvi-nos Senhor
Para que Vos digneis enriquecer a Igreja pela oblação e apostolado de vossos filhos, ouvi-nos Senhor
Para que Vos digneis fazer que a vida e a oração dos religiosos concorram para o progresso da família humana, ouvi-nos Senhor,
Para que Vos digneis conservar e aumentar a caridade de Cristo e o espírito dos fundadores em todas as famílias religiosas, ouvi-nos Senhor
Para que Vos digneis abençoar os pais que vos ofereceram seus filhos , ouvi-nos Senhor
Para que Vos digneis abençoar, santificar e consagrar estes vossos filhos, nossos irmãos, ouvi-nos Senhor
Para que Vos digneis conceder a todos os povos a paz e a verdadeira concórdia, ouvi-nos Senhor
Para que Vos digneis conservar-nos e confortar-nos no Vosso santo serviço, ouvi-nos Senhor
Jesus, Filho de Deus vivo, ouvi-nos Senhor
Cristo ouvi-nos
Cristo atendei-nos.
(Terminada a Ladainha o presidente diz:)

Presidente: Atendei, ó Deus, as preces de vosso povo e preparai pela vossa graça os corações dos vossos filhos que vos serão consagrados. Que o Espírito Santo os purifique e acenda neles o vosso amor. Por N. S. J. C....

Todos: Amém.

PROFISSÃO
Os professandos, de joelhos diante do Superior Geral (ou seu delegado) lêem individualmente a fórmula da Profissão Perpétua,  escrita préviamente de próprio punho, depois do que a assina sobre a mesa do altar, onde também a deposita.

Eu,(nome e sobrenome)
quero, com firme vontade, consagrar toda a minha vida à glória de Deus, seguindo Cristo Sacerdote mais de perto. Por isso, diante de Deus e da sua Igreja, na presença dos Irmãos e nas mãos do Rev.mo Pe (N...), Superior Geral da Congregação dos Oblatos de Cristo sacerdote, faço  Votos Perpétuos de Castidade, Pobreza e Obediência, na Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, e de acordo com as suas Constituições. Entrego-me de todo o coração a essa Família Religiosa, a fim de poder encontrar nela a perfeição da caridade no serviço de Deus e dos Irmãos, com a graça do Espírito Santo e o auxílio da Imaculada Sempre Virgem Maria.

Presidente: Eu, pelo poder a mim confiado, recebo a Profissão Perpétua dos teus votos e rogo a Deus que a tua Oblação, unida ao sacrifício Eucarístico, seja plenamente vivida por ti.

CONSAGRAÇÃO
Os neo-professos de joelhos, e o Presidente da Celebração, de braços abertos, diz:
Ó Deus, fonte de toda santidade,
amastes de tal modo o homem que criastes,
que lhe destes participar da vossa natureza.
Este plano do Vosso amor
nem a culpa de Adão destruiu,
nem o pecado do mundo alterou.
Pois já no princípio dos tempos,
nos destes no justo Abel
um modelo de santidade.
Depois, fizestes surgir
no meio do povo eleito,
homens e mulheres santos,
entre os quais fulgura
a Santíssima Virgem Maria,
filha de Sião, em cujo seio se fez homem
o Vosso Filho e Salvador do mundo,
Jesus Cristo, Senhor Nosso.
Modelo de toda a santidade,
ele se fez pobre para enriquecer-nos,
e tornou-se escravo para libertar-nos.
Em seu inefável amor redimiu o mundo
 pelo mistério da Páscoa;
e enviou o Espírito Santo
para santificar a sua Igreja.
Pelo mesmo Espírito Santo,
atraístes inumeráveis filhos
para seguirem o Cristo.
Cativados pelo amor, eles tudo deixaram,
e unidos a vós de todo o coração,
puseram-se a serviço dos irmãos.
Olhai agora, ó Pai, estes vossos filhos
que na Vossa providência chamastes,
e infundi-lhes o Espírito de Santidade.
Possam cumprir com fidelidade
o que com alegria prometeram.
Tenham ante os olhos o exemplo do Mestre
e O imitem com perseverança.
Por suas vidas, edifiquem a Igreja,
promovam a Salvação do mundo
e sejam sinais transparentes dos bens eternos.
Pai Santo, sede para estes vossos filhos,
proteção e guia;
e, no tribunal do Vosso Filho,
a esperada recompensa
pela fidelidade à vocação.
Assim, confirmados no Vosso amor,
gozem o convívio dos santos
e com eles vos glorifiquem para sempre.
Por N. S. Jesus Cristo, Vosso Filho,
na Unidade do Espírito Santo.
Todos: Amém.

ENTREGA DA MEDALHA
Se houver padrinhos, estes apresentam as medalhas ao Presidente para serem abençoadas.
Presidente: Ó Deus, autor e realizador da santidade, que chamais os renascidos da água e do Espírito Santo à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade, olhai com bondade os vossos filhos, que recebem devotamente esta medalha em honra da Paixão de Cristo, para que se tornem conformes à imagem do vosso Filho, que vive e reina para sempe.
Todos: Amém.
O Superior entrega aos professos a medalha oblaciana e saúda-os com o abraço da Paz.

LITURGIA EUCARÍSTICA
0s néo-professos levam ao altar o Pão e o Vinho
Prefácio
Presidente: O Senhor esteja convosco
Todos: Ele está no meio de nós.
Presidente: Corações ao alto
Todos: O nosso coração está em Deus.
Presidente: Demos graças ao Senhor, nosso Deus
Todos: É nosso dever e nossa salvação.
Na verdade, ó Pai, é nosso dever dar-vos graças, é nossa salvação dar-vos glória em todo tempo e lugar por Cristo, Senhor Nosso.
Flor de uma raiz virginal, proclamou felizes os puros de coração e ensinou, por sua vida, o esplendor da castidade.
Abraçando sempre vossa vontade e obediente por nós até à morte, quis oferecer-se como oblação perfeita.
E consagrando mais plenamente ao vosso serviço aqueles que, por vosso amor, deixarem tudo na terra, garantiu-lhes no céu um tesouro.
Por isso, com os anjos e a multidão dos santos, entoamos um hino em vosso louvor, cantando (dizendo) a uma só voz:
Santo, santo, santo...

 No momento da Comunhão a recebem, em primeiro lugar, sob as duas espécies.

BÊNÇÃO FINAL
Estando os néo-professos de joelhos diante do Presidente, esse diz:
Presidente: Deus que chama  o homem a tão grande vocação, derrame sobre vós a Sua graça, para que os atos e a santidade de vossas vidas edifiquem o seu povo.
Todos: Amém.
Presidente:  Que Ele faça de  vós, para o mundo, sinais e testemunhas do Amor de Deus.
Todos: Amém
Presidente: Que Ele receba no céu aqueles que chamou na terra para seguirem o Cristo mais de perto.
Todos: Amém.
Presidente: E a todos vós aqui reunidos,
Abençoe-vos o Deus todo poderoso,
Pai, Filho e Espírito Santo.
Todos: Amém.

IX.5 – RITO DAS PROMESSAS DOS OBLATOS LEIGOS (OLCS).

Depois da Homilia, na Celebração Eucarística, ou mesmo em uma Liturgia da Palavra, o Assistente Espiritual apresenta os Candidatos às Promessas de OLCS:
Revmo. Padre......, aqui estão nossos Irmãos que, mesmo tendo a vida laical, desejam fazer as Promessas próprias dos Oblatos Leigos de Cristo Sacerdote.
( Cada um dos Candidatos diz o seu nome, estado de vida e procedência).
Presidente: Irmãos caríssimos, em nome da Santa Igreja e da Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, agradeço-lhes pela sua decisão de viver em mais íntima Comunhão com Deus e com a nossa Família Religiosa. Podem proferir as Promessas desta Comunhão, na presença de todos nossos Irmãos e Amigos aqui presentes.
OLCS: (Todos juntos)- Eu (cada um diz seu nome), sentindo o chamado de Cristo Sacerdote e da Virgem Santíssima das Vitórias, quero abraçar o Espírito e os Carismas da Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, dedicando-me a propagar a devoção a Jesus, como Sacerdote do Pai, o culto a Sua Face Divina e a colaborar no serviço a Jesus Cristo Sacerdote, na pessoa dos Senhores Bispos e Sacerdotes Diocesanos, faço para isto, as Promessas de Obediência, de Castidade e de Pobreza, dentro da minha condição de Leigo, procurando assim a santidade na Igreja.
Presidente: Deus abençoe esta sua intenção e que a Virgem-Mãe das Vitórias, Medianeira de todas as Graças, pela Sua presença de Mãe e como Mestra e Escola de santidade os conduza à perfeição da Caridade.
Todos - Amém!

ENTREGA DAS MEDALHAS:
Presidente: (ao entregar a cada um dos novos OLCS): Recebe, querido Irmão (ã), este sinal de pertença à Família dos Oblatos de Cristo Sacerdote, em seu Ramo Laical. Possa a tua vida ser uma contínua reverberação da Face Divina de Cristo Sacerdote, levando-a a todos os irmãos; possas, também tu, ver a Face de Cristo Sacerdote em cada Bispo ou Sacerdote Diocesano e demais irmãos da peregrinação terrena, até a sua plena visão na luz beatífica.
OLCS: Amém.
Presidente (dando-lhe o abraço da paz): A paz esteja contigo.
OLCS- E contigo também!
( Estas Promessas sejam renovadas a cada ano, no aniversário deste Rito).

 

 X PARTE – ALGUNS HINOS:

X.1- Cantos Eucarísticos- ( Para as Exposições e Bênçãos do Santíssimo Sacramento).

X.1.1-  CANTEMOS A JESUS SACRAMENTADO.
Cantemos a Jesus Sacramentado,/ cantemos ao Senhor,/ Deus está aqui,/ dos Anjos adorado,/ adoremos a Cristo Redentor.
Refr.: Glória a Cristo Jesus,/ céus e terra,/ bendizei ao Senhor!/ Louvor e glória a ti,/ ó Rei da glória!/ Amor eterno a ti,/ ó Deus de amor!

X.1.2- DEUS DE AMOR.    
*- Deus de amor, nós te adoramos neste Sacramento,/ Corpo e Sangue que quiseste nosso alimento./ És o Deus escondido,/ vivo e vencedor,/ a teus pés depositamos todo o nosso amor.
*- Meus pecados redimiste sobre a tua Cruz,/ com teu Corpo e com teu Sangue, ó Senhor Jesus!/ Sobre os nossos altares,/ vítima sem par,/ teu divino Sacrifício queres renovar.
*- No Calvário se escondia tua divindade,/ mas aqui também se esconde tua humanidade!/ Creio em ambas e peço, como o bom ladrão,/ no teu Reino, eternamente, tua salvação.
*- Creio em ti ressuscitado, mais que São Tomé,/ mas aumenta na minh’alma o poder da fé;/ guarda a minha esperança,/ cresce o meu amor!/ Creio em ti ressuscitado, meu Deus e Senhor!
*- Ó Jesus, que nesta vida pela fé eu vejo,/ realiza, eu te suplico, este meu desejo:/ ver-te, enfim, face a face,/ meu divino Amigo,/ lá no céu, eternamente, ser feliz contigo!

X.1.3- PELOS PRADOS E CAMPINAS.
Pelos prados e Campinas verdejantes eu vou,/ é o Senhor que me leva a descansar./ Junto às fontes de águas puras, repousantes, eu vou,/ minhas forças o Senhor vai animar.
Refr.: Tu és, Senhor, o meu Pastor!/ Por isso nada em minha vida faltará! (bis)
Nos caminhos mais seguros, junto dele eu vou/ e p’ra sempre o seu Nome eu honrarei./ Se eu encontro mil abismos nos caminhos, eu vou; / segurança sempre tenho em suas mãos.

X.1.4- VÓS SOIS O CAMINHO
Refr.: Vós sois o caminho, a verdade e a vida,/ o Pão da alegria descido do céu!

  1. Nós somos caminheiros/ que marcham para os céus./ Jesus é o caminho/ que nos conduz a Deus.
  2. 2- Da noite da mentira,/ das trevas para a luz,/ busquemos a verdade,/ verdade é só Jesus.
  3. Jesus, Verdade e Vida,/ Caminho que conduz/ as almas peregrinas/ que marcham para a luz

X.1.5- GLÓRIA A JESUS, NA HÓSTIA SANTA.
Glória a Jesus, na hóstia santa,/ que se consagra sobre o altar,/ e aos nossos olhos se levanta,/ para o Brasil abençoar.
Refr.: Que o santo Sacramento,/ que é o próprio Cristo Jesus,/ seja adorado e seja amado/ nesta Terra de Santa Cruz!

 

X.1.6- VÓS SOIS MEU PASTOR.
Refr.: Vós sois meu Pastor, ó senhor,/ nada me faltará, se me conduzis.

  1. Em verdes pastagens, feliz eu descansei;/ em vossas águas puras eu me desalterei.
  2. No vale das sombras, o mal é vão temer./ Se vos tenho ao meu lado, por que desfalecer?
  3. Pusestes minha mesa para o festim real;/ ungistes-me a cabeça com óleo divinal.

X.7- TODO AQUELE QUE CRÊ EM MIM...
Refr.: Todo aquele que crê em mim/ um dia ressurgirá;/ e comigo então se assentará/ à mesa do banquete de  meu Pai.

  1. Aos justos, reunidos nesse dia,/ o Cristo então dirá:/ “Oh! Venham gozar as alegrias/ que meu Pai lhes preparou”.
  2. Amigos, esta fé é a verdadeira,/ que leva para o céu/ aquele que Deus a vida inteira/ no irmão sempre acolheu.

X.1.8- PROVA DE AMOR.
Refr.: Prova de amor maior não há/ que doar a vida pelo irmão!

  1. Eis que eu vos dou/ o meu novo mandamento: / Amai-vos uns aos outros/ como eu vos tenho amado!
  2. Vós sereis os meus amigos,/ se seguirdes meu preceito:/ amai-vos uns aos outros...
  3. Como o Pai sempre me ama,/ assim também eu vos amei./ Amai-vos...
  4. Permanecei em meu amor/ e segui meu mandamento:/ amai-vos...
  5. Nisto todos saberão / que vós sois os meus discípulos:/ amai-vos...

X.1.9- A MINH’ALMA TEM SEDE DE DEUS.
Refr.: A minh’alma tem sede de Deus,/ pelo Deus vivo anseia com ardor!/ Quando irei ao encontro de Deus,/ e verei tua Face, Senhor? ( Bis)

  1. A ovelha sedenta procura o riacho,/ a minh’alma suspira por Deus, onde o acho?
  2. Pelas águas que correm suspira a ovelha;/ pelas fontes de Deus a minh’alma anseia.
  3. Dor e lágrimas são meu constante alimento,/ onde está o teu Deus? , dizem os maus e agüento.
  4. Por que estás abatida e confusa, ó minh’alma? / Deus é teu companheiro, espera e te acalma.

X.2- ANTÍFONAS E CANTOS MARIANOS, PARA O FIM DAS COMPLETAS.

X.2.1- SALVE RAINHA
Salve Rainha, Mãe de Deus, és Senhora, nossa Mãe,/ nossa doçura, nossa luz, doce Virgem Maria!
Nós a ti clamamos, filhos exilados, nós a ti voltamos/ nosso olhar confiante.
Volta para nós, ó Mãe, teu semblante de amor; dá-nos teu Jesus, ó Mãe, quando a noite passar.
Salve Rainha, Mãe de Deus, és auxílio do cristão, ó Mãe clemente, Mãe piedosa, doce Virgem Maria!

X.2.2- MARIA DO “SIM”.
Maria do “SIM”, ensina-me a viver o meu “Sim”( Bis).
Um dia Maria deu o seu “SIM”, mudou-se a face da terra;
Porque pelo “SIM”nasceu o Senhor e veio morar entre nós o Amor!

X.2.3- EU CANTO LOUVANDO MARIA, MINHA MÃE.
Eu canto louvando Maria, minha Mãe,/ a Ela um eterno obrigado direi;/ Maria foi quem me ensinou a viver,/ Maria foi quem me ensinou a sofrer.
Maria em minha vida, é luz a me guiar,/ é Mãe que me aconselha,/ me ajuda a caminhar./ Mãe do Bom Conselho, rogai por nós!

X.2.4- NOME DOLCISSIMO
Nome dolcissimo, nome d’amore, tu sei rifugio al peccatore. Fra i cori angelici, nell’armonia, Ave Maria, Ave Maria!

X.2.5- TU ÉS RAINHA, SOBERANA.
Tu és Rainha, Soberana, Virgem-Mãe do Salvador,/ és a glória, o esplendor, da natureza humana!/ A ti meu pobre coração/ cedo em total oblação./ Tu és Rainha, ó minha Mãe!

Tu és, Maria, a luz mais pura,/ a luz dos pensamentos bons;/ mais fulgor tens por tantos dons/ que toda criatura./ Rebrilha em ti o Divo Sol,/ em suave e meigo arrebol./ Tu és tão pura, ó minha Mãe!

Maria, o céu te fez tão bela,/ e deu-te formosura tal,/ que não há no universo igual/ à Virgem tão singela,/ pois Deus assim te quis doar/ formosura tão singular;/ tu és a minha linda Mãe!

X.2.6- Ó MARIA IMACULADA, DOCE MÃE DA PROVIDÊNCIA.
Ó Maria Imaculada,/ doce Mãe da Providência,/ governai a nossa vida,/ com materna assistência./ Consolai-nos na aflição, na dor,/ alcançai-nos o perdão de Deus/ e, nas trevas, sede luz, conduzindo a Jesus!

X.2.7- MARIA, Ó MÃE CHEIA DE GRAÇA.
Maria, ó Mãe cheia de graça, / Maria, protege os filhos teus!/ Maria, Maria!/ Nós queremos contigo estar no céu!
Aqui servimos à Igreja do teu Filho,/ sob o teu Imaculado Coração;/ dá-nos a bênção, e nós faremos/ de nossa vida uma constante oblação!

X.2.8- IMACULADA.
Imaculada, Maria de Deus,/ Coração pobre acolhendo Jesus!/ Imaculada, Maria do povo,/ Mãe dos aflitos que estão junto à Cruz!
Faça-se, ó Pai, vossa plena vontade,/ que os nossos passos se tornem memória,/ do amor fiel que Maria gerou:/ Reino de Deus, atuando na história!

X.2.9- HINO EM LOUVOR À NOSSA SENHORA DAS VITÓRIAS.
Vós sois a feliz Aurora/ dos divinais esplendores/ que a luz da fé avigora/ nas almas dos pecadores!
Refr.: Ó Virgem-Mãe das Vitórias,/ Estrela d’Alva celeste,/ de cuja luz radiosa/ a terra inteira se veste!
Quando na vida sofremos/ a mais atroz amargura,/ de vossas mãos recebemos/ a confortável doçura!

X.2.10- REJUBILAI-VOS, JERUSALÉM.
Rejubilai-vos, Jerusalém! Vós que a amais, vinde, acorrei! De alegria exultai e à Maria aclamai: Vós sois a glória de Jerusalém! Sois a alegria do Povo de Deus!

X.2.11- LENTA CALMA SOBRE A TERRA.
Lenta calma sobre a terra,/ desce a noite, foge a luz,
Quero agora despedir-me: “Boa noite, meu Jesus!”( Bis).
A teus pés, ó Virgem Pura, peço a bênção maternal:
“Boa noite, Mãe querida! Boa noite, meu Jesus!” (Bis)

X.2.12- SANTA MÃE MARIA, NESTA TRAVESSIA.
Santa Mãe Maria, nesta travessia, cubra-nos teu manto cor de anil,/ guarda nossa vida,/ Mãe Aparecida, Santa Padroeira do Brasil! Ave, Maria! Ave, Maria!
X.2.13- À VOSSA PROTEÇÃO.
À vossa proteção recorremos, Mãe de Deus!
Santa Maria, socorrei os pobres,/ ajudai os fracos, consolai os tristes,/ rogai pela Igreja, protegei o clero,/ ajudai-nos todos, sede nossa salvação!
Santa Maria, sois a Mãe dos homens,/ sois a Mãe de Cristo, que nos fez irmãos;/ rogai pela Igreja, pela humanidade,/ e fazei que enfim tenhamos paz e salvação.

X.2.14- Ó MARIA, CONCEBIDA SEM PECADO.
Ó Maria, concebida,/ sem pecado original,/ quero amar-vos toda a vida,/ com ternura filial.
Vosso olhar a nós volvei,/ vossos filhos protegei./ Ó Maria! Ó Maria! Vossos filhos protegei!

X.2.15- DAI-NOS A BÊNÇÃO.
Dai-nos a bênção, ó Mãe querida, Nossa Senhora Aparecida! (Bis)

  1. Sob este manto do azul do céu,/ guardai-nos sempre no amor de Deus! (Bis)
  2. Eu me consagro ao vosso amor,/ ó Mãe querida do Salvador!

X.2.16- MÃE DE TODOS OS HOMENS.
Mãe de todos os homens, ensina-nos a dizer: Amém!

  1. Quando a noite está perto,/ e obscurecida a fé,
  2. Quando a vontade do Pai/ não é fácil de se fazer,
  3. Quando temos de esquecer-nos/ para pensar em alguém,
  4. Quando deitamos à noite,/ fechando o dia na fé,
  5. Se, pelo amor dos irmãos/ devemos algo sofrer,

X.2- ANTÍFONAS E CANTOS EM LATIM:
X.2.A- SALVE REGINA (TEMPO COMUM).
Salve, Regina, Mater Misericordiae, vita, dulcedo et spes nostra, salve!
Ad te clamamus, exsules filii Evae. Ad te suspiramus, gementes et flentes in hac lacrimarum valle. Eia, ergo, Advocata nostra, illos tuos misericordes óculos ad nos converte. Et Iesum, benedictum fructum ventris tui, nobis post hoc exsilium ostende. O Clemens, o pia, o dulcis Virgo Maria!

X.2.B- ALMA REDEMPTORIS MATER ( TEMPO DO NATAL).
Alma Redemptoris Mater, quae pervia caeli porta manes, Et Stella maris, sucurre cadenti surgere qui curat populo. Tu quae genuisti, natura mirante, tuum sactum Genitorem: Virgo prius ac posterius, Gabrielis abore sumens illud Ave, peccatorum miserere.

X.2.C- AVE, REGINA CAELORUM ( TEMPO DO NATAL E QUARESMA).
Ave, Regina caelorum, Ave, Domina Angelorum, Salve, radix, salve porta, ex qua mundo lux est orta. Gaude, Virgo gloriosa, super omnes speciosa; vale, o valde decora, et pro nobis Christum exora!

X.2.D- REGINA CAELI ( TEMPO PASCAL).
Regina caeli, laetare, alleluia!
Quia quem meruisti portare, alleluia!
Resurrexit, sicut dixit, alleluia!
Ora pro nobis Deum, alleluia!