ORIGEM DESTE ICONE DA SAGRADA FACE
A origem da Sagrada Face de Cristo, remontada ao dia 25 de março de 1959 (quarta-feira da Semana Santa) quando a pedido das filhas de Maria, da cidade de Lagoa Santa - MG, o Pe. Januário Baleeiro de Jesus e Silva, OCS, fundador da Congregação dos Oblatos de Cristo Sacerdote, pintou esta imagem para ser usada na Procissão do Encontro (tradicional Canto da Verônica).
Esta pintura foi feita sobre um pedaço de cetim branco, com dimensões aproximadamente de 50 x 80cm. O pano estava fixado sobre uma mesa, onde com os próprios dedos, pois não havia pincel, e usando tinta a óleo, o sacerdote esboçou os traços fisionômicos da Face de Cristo, conforme imaginava ser.

Este não sendo possuidor de dotes artísticos para pintura, não teve bom êxito na execução do trabalho que realizara. Mas, o impressionante é que, ao se despregar o pano da mesa, os que estavam presentes verificaram que do outro lado do pano, havia uma outra Face muito mais artística e com traços muito mais delicados da fisionomia de Cristo, incomparável com a original. Depois de ter passado um mês, D. Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, foi solicitado pelo Padre Baleeiro a dar a bênção litúrgica à imagem da Face que apareceu. Sua Eminência, julgou a Face aparecida, ser de extraordinária beleza e muito semelhante com a do Santo Sudário de Turim (Síndone). Perguntando quem era o seu autor, e ouvindo do Padre Baleeiro o relato minucioso sobre a origem da imagem, S. Emcia. fez esta afirmação: "Então eu é que devo ser abençoado por Ela".

E foi o mesmo Cardeal Motta quem teve a iniciativa de sugerir que esta imagem fosse submetida ao estudo de pessoas competentes, como o Dr. Gerson Pompeu Pinheiro, então diretor do Instituto de Belas Artes do Rio de Janeiro, cujo laudo possuímos: neste o Dr. Gerson Pompeu, afirma que o aparecimento da segunda imagem no verso, não se pode explicar pelo vazamento da tinta usada para a pintura da primeira imagem, pois de uma causa menos perfeita não se pode tirar um efeito de maior perfeição.

Sentimos que, ao nos dar esta Face, o Senhor nos quis dizer que deseja estar presente em nossa peregrinação de fé, em meio a um mundo tão conturbado pelo materialismo, indiferença religiosa e pecado. Que esta Face resplandeça em nossas almas. E que através da Face de Cristo, possamos penetrar sempre melhor o amor manifestado na Sua Paixão, Morte e Ressurreição. Pois como dizia um grande amigo de nossa Congregação, Frei Anastácio Hackman, nós temos a graça de contemplar a Face brasileira de Cristo.